Ma­du­ro, co­e­lhos con­tra a fo­me

Folha De S.Paulo - - Mundo - CLÓVIS ROS­SI CO­LU­NIS­TAS DA SE­MA­NA se­gun­da: Mathi­as de Alen­cas­tro; quin­ta: Clóvis Ros­si; do­min­go: Clóvis Ros­si

A MAIS re­cen­te pa­tus­ca­da do di­ta­dor ve­ne­zu­e­la­no Ni­co­lás Ma­du­ro: o “Pla­no Co­e­lho”, que vi­ria a ser a cri­a­ção em ca­sa de co­e­lhos que, uma vez cres­ci­dos, ser­vi­ri­am pa­ra ali­men­tar os fa­min­tos ve­ne­zu­e­la­nos.

A to­li­ce, se­ja­mos jus­tos, não é ideia de Ma­du­ro, mas lhe foi so­pra­da pe­lo mi­nis­tro Freddy Ber­nal, da Agri­cul­tu­ra Ur­ba­na (ha­ve­rá nes­sa pa­té­ti­ca Ve­ne­zu­e­la um Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra Ru­ral?).

Re­a­ção ins­tan­tâ­nea do po­e­ta Le­o­nar­do Pa­drón, au­tor de algumas das mais ce­le­bra­das te­le­no­ve­las do país: “Ber­nal diz que aos co­e­lhos já não há que vê-los co­mo mas­co­tes mas co­mo dois qui­los de car­ne. Em qu­an­to tem­po di­rá o mes­mo sobre os ca­chor­ros?”.

O pla­no tem uma ori­gem ób­via: a Ve­ne­zu­e­la bo­li­va­ri­a­na tor­nou-se in­ca­paz de pro­du­zir pro­teí­nas, se­ja car­ne bo­vi­na, ovi­na, de fran­go ou de por­co. Ou qual­quer ou­tro ali­men­tos na quan­ti­da­de ne­ces­sá­ria pa­ra aten­der a uma po­pu­la­ção le­va­da à mi­sé­ria.

O “Pla­no Co­e­lho” se­ria ape­nas pa­té­ti­co, não fos­se a dra­ma­ti­ci­da­de da si­tu­a­ção ve­ne­zu­e­la­na. Tão dra­má­ti­ca que con­se­gue ser pi­or do que a Sí­ria, es­sa Sí­ria cu­jas ruí­nas vo­cê vê re­gu­lar­men­te em te­le­jor­nais.

A com­pa­ra­ção é fei­ta por um bri­lhan­te re­pór­ter, Yan Bo­e­chat, co­la­bo­ra­dor des­ta Fo­lha, com a ex­pe­ri­ên­cia de qu­em co­nhe­ce am­bas as si­tu­a­ções. Pas­sou um tem­po no meio da guer­ra na Sí­ria e es­tá ago­ra na Ve­ne­zu­e­la. De am­bos os paí­ses, pro­du­ziu um con­jun­to ad­mi­rá­vel de re­por­ta­gens.

Con­sul­tei Yan sobre a pos­si­bi­li­da­de de fa­zer al­gu­ma ana­lo­gia en­tre Sí­ria e Ve­ne­zu­e­la. Sua res­pos­ta foi cho­can­te: “Acho que a si­tu­a­ção aqui [na Ve­ne­zu­e­la] é mais caó­ti­ca. Na Sí­ria, o Es­ta­do não con­se­gue con­tro­lar to­do o ter­ri­tó­rio. Não tem ca­pa­ci­da­de de con­tro­lá-lo fi­si­ca­men­te. Mas, on­de es­tá ins­ta­la­do, os ser­vi­ços bá­si­cos mal ou bem fun­ci­o­nam”.

Já na Ve­ne­zu­e­la, “o Es­ta­do con­se­gue con­tro­lar bem seu ter­ri­tó­rio, mas é in­ca­paz de abas­te­cê-lo com itens mui­to bá­si­cos. Não con­se­gue su­prir a de­man­da de pa­pel mo­e­da, de ali­men­tos, de itens de hi­gi­e­ne e prin­ci­pal­men­te de re­mé­di­os”.

Con­sequên­cia ine­xo­rá­vel: “As pes­so­as es­tão mor­ren­do por­que não há um an­ti­bió­ti­co, dos mais sim­ples. Já na Sí­ria, há co­mi­da, há di­nhei­ro fí­si­co, há me­di­ci­na, prin­ci­pal­men­te na área co­man­da­da pe­lo go­ver­no, que é a que co­nhe­ço um pou­co”.

Con­ta Yan que uma mé­di­ca ve­ne­zu­e­la­na lhe dis­se: “Es­ta­mos fa­zen­do me­di­ci­na de cem anos atrás”.

É um re­tro­ces­so cho­can­te em qual­quer cir­cuns­tân­cia, mas pa­ra um bra­si­lei­ro de­ve­ria ser ain­da cho­can­te por se tra­tar de um vi­zi­nho com o qual há re­la­ções mais que cen­te­ná­ri­as.

Há um se­gun­do pon­to de con­ta­to en­tre Sí­ria e Ve­ne­zu­e­la: a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal fra­cas­sou ro­tun­da­men­te em en­con­trar so­lu­ções pa­ra a guer­ra, no pri­mei­ro ca­so, e pa­ra o de­sas­tre econô­mi­co, po­lí­ti­co e so­ci­al na Ve­ne­zu­e­la.

Ago­ra, a di­plo­ma­cia ame­ri­ca­na es­tá anun­ci­an­do que Do­nald Trump pre­ten­de co­brar de seu co­le­ga Mi­chel Te­mer, no en­con­tro pre­vis­to pa­ra es­te mês, al­gu­ma ini­ci­a­ti­va ca­paz de aju­dar a re­sol­ver o pro­ble­ma ve­ne­zu­e­la­no. Du­vi­do que saia al­go.

Tão ina­cre­di­tá­vel co­mo o de­sas­tre ve­ne­zu­e­la­no é o ino­xi­dá­vel apoio de qua­se to­da a es­quer­da bra­si­lei­ra a es­se fra­cas­so. Já não é só ce­guei­ra ide­o­ló­gi­ca. É es­tu­pi­dez.

Mais um pla­no pa­té­ti­co de um re­gi­me que con­se­guiu cri­ar uma ruí­na pi­or até do que a da Sí­ria em guer­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.