Dis­pu­tas co­mer­ci­ais de­vem tor­nar in­di­ges­to jan­tar de Te­mer e Trump

Bra­sil quer der­ru­bar ve­to à ex­por­ta­ção de car­ne, en­quan­to EUA re­cla­mam de ta­xa­ção do eta­nol

Folha De S.Paulo - - Mundo - PA­TRÍ­CIA CAM­POS MEL­LO

En­con­tro en­tre os lí­de­res de­ve ter co­mo prin­ci­pais te­mas as cri­ses na Ve­ne­zu­e­la e na Co­reia do Nor­te

Quan­do o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer se sen­tar à me­sa com o ame­ri­ca­no Do­nald Trump pa­ra jan­tar, nes­ta se­gun­da (18), em No­va York, o car­dá­pio po­de ser in­di­ges­to.

A agen­da bi­la­te­ral Bra­silEs­ta­dos Uni­dos, que es­tá pa­ra­li­sa­da por cau­sa da ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra e do ex­ces­so de cri­ses ex­ter­nas ocu­pan­do os ame­ri­ca­nos, ga­nhou ou­tros dois pon­tos que ge­ram des­gas­te.

O Bra­sil pro­tes­ta con­tra a de­mo­ra na re­a­ber­tu­ra do mer­ca­do ame­ri­ca­no pa­ra a car­ne bra­si­lei­ra. E o go­ver­no dos EUA cri­ti­ca a de­ci­são do Bra­sil de vol­tar a co­brar ta­ri­fa sobre o eta­nol ame­ri­ca­no.

Em ju­nho, na es­tei­ra da Ope­ra­ção Car­ne Fra­ca, que re­ve­lou uma sé­rie de pro­ble­mas sa­ni­tá­ri­os em fri­go­rí­fi­cos bra­si­lei­ros, os EUA ve­ta­ram a im­por­ta­ção de car­ne in na­tu­ra do Bra­sil. O ve­to der­ru­bou uma con­quis­ta so­fri­da —o país ha­via ne­go­ci­a­do 17 anos pa­ra abrir o mer­ca­do.

O Bra­sil é tra­di­ci­o­nal­men­te um gran­de ex­por­ta­dor de car­ne in­dus­tri­a­li­za­da pa­ra os EUA. Mas a im­por­tân­cia da aber­tu­ra do mer­ca­do da car­ne in na­tu­ra era a si­na­li­za­ção pa­ra ou­tros mer­ca­dos.

Já o go­ver­no ame­ri­ca­no deu mos­tras de que irá re­a­gir à de­ci­são do Bra­sil de cri­ar uma co­ta pa­ra im­por­ta­ção de eta­nol e uma ta­ri­fa de 20% extra-co­ta.

Os pro­du­to­res ame­ri­ca­nos de eta­nol de mi­lho, que ex­por­tam pa­ra o Nor­des­te bra­si­lei­ro, exor­ta­ram a Ca­sa Bran­ca a “agir ime­di­a­ta­men­te e con­si­de­rar to­das as pos­si­bi­li­da­des pa­ra en­co­ra­jar o Bra­sil” a re­vo­gar a ta­ri­fa. Os dois paí­ses ha­vi­am eli­mi­na­do su­as ta­ri­fas sobre eta­nol por meio de um acor­do em 2010.

O as­sun­to ga­nha con­tor­nos po­lí­ti­cos. O mai­or de­fen­sor do eta­nol ame­ri­ca­no no Con­gres­so é o se­na­dor re­pu­bli­ca­no Chuck Gras­s­ley. Ele tam­bém é lí­der do co­mi­tê ju­di­ciá­rio do Se­na­do, que con­duz as in­ves­ti­ga­ções sobre a in­fluên­cia da Rús­sia na elei­ção ame­ri­ca­na, te­ma que afe­ta Trump di­re­ta­men­te. O pre­si­den­te já fez vá­ri­os agra­dos ao se­na­dor, in­cluin­do um te­le­fo­ne­ma em que diz ser “pró-eta­nol”.

De ca­na, o eta­nol bra­si­lei­ro se be­ne­fi­cia de re­gras da EPA, a agên­cia de pro­te­ção am­bi­en­tal dos EUA, que es­ta­be­le­cem con­su­mo mí­ni­mo de bi­o­com­bus­tí­veis. Es­sas re­gras po­de­ri­am ser mu­da­das pe­lo go­ver­no Trump.

JOEL VELASCO

só­cio da con­sul­to­ria Al­bright Sto­ne­brid­ge

“Es­ta­mos em um pe­río­do de tran­si­ção em que os EUA ain­da es­tão for­mu­lan­do no­vas po­lí­ti­cas, co­mo a re­ne­go­ci­a­ção do Naf­ta, e o Bra­sil es­tá no fi­nal de um go­ver­no com pri­o­ri­da­des e di­fi­cul­da­des do­més­ti­cas”, afir­ma Joel Velasco, só­cio da con­sul­to­ria Al­bright Sto­ne­brid­ge.

“As re­cen­tes no­tí­ci­as do Bra­sil —des­de per­sis­ten­tes es­cân­da­los de cor­rup­ção até o pro­te­ci­o­nis­mo con­tra o eta­nol ame­ri­ca­no e a in­ca­pa­ci­da­de de apro­var acor­dos ge­né­ri­cos co­mo Open Ski­es, [que li­be­ra­li­za ro­tas aé­re­as]— têm cau­sa­do sé­ri­os da­nos à ima­gem do Bra­sil.” Se­gun­do Velasco, a per­cep­ção é que, com as elei­ções em 2018, ha­ve­rá a pos­si­bi­li­da­de de co­me­çar de no­vo, re­cons­truin­do as par­ce­ri­as en­tre Bra­sil e EUA.

Se os fa­to­res ir­ri­tan­tes en­tre os paí­ses sur­gi­rem no jan­tar, se­rá até uma boa no­tí­cia, por­que o mais pro­vá­vel é que não ha­ja es­pa­ço pa­ra dis­cus­são bi­la­te­ral.

A Ca­sa Bran­ca vem evi­tan­do re­a­li­zar um en­con­tro bi­la­te­ral en­tre Te­mer e Trump. Em te­le­fo­ne­ma em mar­ço, o ame­ri­ca­no con­vi­dou o bra­si­lei­ro pa­ra uma vi­si­ta. O se­cre­tá­rio-ge­ral do Ita­ma­raty, Mar­cos Gal­vão, foi a Washing­ton e tra­tou de pos­sí­veis pau­tas pa­ra um en­con­tro. Em maio, no en­tan­to, veio à to­na a de­la­ção da JBS.

Quan­do o chan­ce­ler Aloy­sio Nu­nes se en­con­trou com o se­cre­tá­rio de Es­ta­do, Rex Til­ler­son, em ju­nho, a pos­si­bi­li­da­de de uma vi­si­ta ti­nha saí­do do ra­dar. Em gi­ro pe­la Amé­ri­ca La­ti­na em agos­to, o vi­ce-pre­si­den­te dos EUA, Mi­ke Pen­ce, pas­sou por Colôm­bia, Ar­gen­ti­na, Chi­le e Pa­na­má. O Bra­sil fi­cou de fo­ra.

O jan­tar des­ta se­gun­da é pro­to­co­lar, re­a­li­za­do às mar­gens da As­sem­bleia Ge­ral da ONU e com participação de ou­tros che­fes de Es­ta­do, co­mo o pre­si­den­te co­lom­bi­a­no, Ju­an Ma­nu­el San­tos. A cri­se na Ve­ne­zu­e­la e o pe­ri­go nu­cle­ar da Co­reia do Nor­te de­vem do­mi­nar a agen­da.

Até o iní­cio da noi­te de sex­ta-fei­ra (15), a Ca­sa Bran­ca não ti­nha se­quer fei­to um anún­cio ofi­ci­al do jan­tar.

Em en­tre­vis­ta, o con­se­lhei­ro de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal dos EUA, H.R. McMas­ter, li­mi­tou­se a di­zer que Trump iria “ter um jan­tar de tra­ba­lho com lí­de­res la­ti­no-ame­ri­ca­nos”.

“em um pe­río­do de tran­si­ção em que os EUA ain­da es­tão for­mu­lan­do no­vas po­lí­ti­cas, co­mo a re­ne­go­ci­a­ção do Naf­ta, e o Bra­sil es­tá no fi­nal de um go­ver­no com pri­o­ri­da­des e di­fi­cul­da­des do­més­ti­cas

John MacDou­gall - 8.jul.2017/AFP

O ame­ri­ca­no Do­nald Trump e o bra­si­lei­ro Mi­chel Te­mer du­ran­te reu­nião do G20 na Ale­ma­nha; os dois irão se en­con­trar em jan­tar ama­nhã nos EUA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.