A per­ple­xi­da­de dos pro­fes­so­res agre­di­dos ao lem­brar o

Folha De S.Paulo - - Cotidiano -

“Qu­em é que sai pa­ra tra­ba­lhar pen­san­do em to­mar um so­co na ca­ra?”

A per­gun­ta não sai da ca­be­ça do pro­fes­sor Márcio Gomes, 40, há mais de um mês.

Na pri­mei­ra quin­ta-fei­ra de agos­to, dia 3, ele sen­tiu um cli­ma es­tra­nho já du­ran­te a au­la, nu­ma es­co­la es­ta­du­al da ci­da­de de Mo­gi das Cru­zes, na Gran­de São Pau­lo.

En­si­na­va equa­ção de se­gun­do grau quan­do um alu­no que ele nun­ca ti­nha vis­to en­trou na sa­la, pe­gou o ce­lu­lar de ou­tro es­tu­dan­te e fez ba­ru­lho no cor­re­dor ao sair. Ad­ver­ti­do por uma fun­ci­o­ná­ria, gri­tou pa­la­vrões e dis­se que iria dar um so­co ne­la.

Ao ou­vir a ame­a­ça, Márcio pro­cu­rou a co­le­ga pa­ra aler­tá-la. Não ima­gi­na­va que era ele qu­em iria, in­vo­lun­ta­ri­a­men­te, en­trar na es­ta­tís­ti­ca de pro­fes­so­res ata­ca­dos em seu lo­cal de tra­ba­lho.

Na­que­le dia, me­nos de três se­ma­nas an­tes de a pro­fes­so­ra Már­cia Frig­gi ser ata­ca­da em San­ta Ca­ta­ri­na, Márcio foi sur­pre­en­di­do no pá­tio pe­lo alu­no des­co­nhe­ci­do que en­tra­ra DES­PRO­POR­ÇÃO iní­cio do epi­só­dio de vi­o­lên­cia é co­mum em seus re­la­tos. Por mais in­jus­ti­fi­cá­vel que se­ja o ato de vi­o­lên­cia em si, cha­ma a aten­ção a des­pro­por­ci­o­na­li­da­de en­tre a agres­são e a de­sa­ven­ça que a ori­gi­nou.

Ma­ria (no­me fic­tí­cio), 39, foi pa­rar na UTI após um alu­no re­cla­mar que re­ce­be­ra a no­ta er­ra­da nu­ma es­co­la da zo­na les­te de São Pau­lo.

Pro­fes­sor de ar­tes, Jeferson Si­quei­ra, 49, foi gol­pe­a­do com uma ca­dei­ra após re­pre­en­der um jo­vem que ha­via ba­ti­do o ca­der­no com for­ça na me­sa num co­lé­gio na zo­na nor­te. Ma­chu­cou an­te­bra­ço, cotovelo e mão. Te­ve o de­do min­di­nho que­bra­do.

Luciana Rocha Fri­as, 41, foi xin­ga­da aos gri­tos pe­la mãe de uma cri­an­ça da re­de mu­ni­ci­pal após um mal en­ten­di­do sobre o ta­ma­nho do uni­for­me. Fun­ci­o­ná­ri­os se co­lo­ca­ram na fren­te da pro­fes­so­ra pa­ra im­pe­dir a agres­são.

O fenô­me­no do “mo­ti­vo fú­til” já foi iden­ti­fi­ca­do em pes­qui­sas sobre vi­o­lên­cia es­co­lar de ou­tros paí­ses, diz Ber­nard Char­lot, pro­fes­sor apo­sen­ta­do da Uni­ver­si­da­de Pa­ris 8 que con­du­ziu es­tu­dos sobre o te­ma pa­ra o go­ver­no fran­cês há du­as dé­ca­das.

“Quan­do se ana­li­sam os ca­sos, mui­tas ve­zes não se en­ten­de co­mo uma coi­sa tão pe­que­na ge­rou uma re­a­ção tão for­te”, diz ele, que ho­je atua na Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Ser­gi­pe. “Mas, em ge­ral, já ha­via uma ques­tão mai­or an­tes do epi­só­dio de vi­o­lên­cia —não ne­ces­sa­ri­a­men­te li­ga­da ao pro­fes­sor.”

No ca­so de Jeferson, por exem­plo, o co­lé­gio ti­nha um pro­ble­ma com dro­gas. Di­as an­tes, ele e o alu­no que de­pois o agre­diu ha­vi­am ti­do uma dis­cus­são. “Ele tra­fi­ca­va den­tro da es­co­la e sen­ta­va per­to da por­ta pa­ra co­brar as pes­so­as no cor­re­dor. Man­dei ele fe­char a por­ta, e ele fi­cou ner­vo­so”, afir­ma.

Mui­tas ve­zes a agres­são na es­co­la tam­bém ocor­re após uma su­ces­são de pe­que­nos atos de in­ci­vi­li­da­de, de acor­do com Re­na­to Al­ves, pes­qui­sa­dor do NEV (Nú­cleo de Es­tu­dos da Vi­o­lên­cia) da USP e au­tor de es­tu­dos sobre o te­ma.

Se a es­co­la não to­mar uma ati­tu­de que dei­xe cla­ro que aqui­lo não po­de ser fei­to, um xin­ga­men­to e um bullying, por exem­plo, po­dem re­dun­dar em um ata­que fí­si­co.

É im­por­tan­te no­tar, diz, que mui­tas ve­zes o ato de vi­o­lên­cia é só a pon­ta do ice­berg de uma sé­rie de frus­tra­ções que ex­plo­dem den­tro da es­co­la. FRUS­TRA­ÇÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.