A vez do Se­na­do

De­ci­são do Su­pre­mo re­co­lo­ca nas mãos do Le­gis­la­ti­vo a ta­re­fa de não com­pac­tu­ar com o cor­po­ra­ti­vis­mo e a des­fa­ça­tez de seus mem­bros

Folha De S.Paulo - - Opinião -

Uma tra­ba­lho­sa e lon­ga ses­são de jul­ga­men­to pôs fim, apa­ren­te­men­te, aos ris­cos de um atri­to ime­di­a­to e gra­ve en­tre o Po­der Ju­di­ciá­rio e o Se­na­do Fe­de­ral.

O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, por 6 vo­tos 5 —pla­car de­sem­pa­ta­do por um vo­to ti­tu­be­an­te da pre­si­den­te da cor­te, mi­nis­tra Cár­men Lú­cia—, li­mi­tou as pos­si­bi­li­da­des de que me­di­das ju­di­ci­ais pu­ni­ti­vas in­ci­dam so­bre par­la­men­ta­res acu­sa­dos de cor­rup­ção.

Di­to des­ta for­ma, o re­su­mo do ve­re­di­to pronunciado na ses­são des­ta quar­ta (11) não tem co­mo dar con­ta das com­ple­xi­da­des do ca­so, nem da am­bí­gua so­lu­ção que, tu­do in­di­ca, por ora o en­cer­rou.

Em te­o­ria, tra­ta­va-se de de­fi­nir as con­di­ções em que é lí­ci­to, pe­la Cons­ti­tui­ção, o afas­ta­men­to de um par­la­men­tar do car­go que exer­ce.

Pelo texto da Car­ta de 1988, a au­to­ri­za­ção da Casa le­gis­la­ti­va a que o po­lí­ti­co per­ten­ce só se dis­pen­sa em ca­sos de fla­gran­te co­me­ti­men­to de cri­me ina­fi­an­çá­vel, co­mo tor­tu­ra, ra­cis­mo ou trá­fi­co de dro­gas.

Na prá­ti­ca, es­ta­vam em jo­go as de­ter­mi­na­ções da pri­mei­ra tur­ma do STF, que, com ba­se no Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal, im­pu­se­ra ao se­na­dor Aé­cio Ne­ves (PSDB-MG) uma sé­rie de me­di­das cau­te­la­res, co­mo o re­co­lhi­men­to com­pul­só­rio no­tur­no e a pró­pria sus­pen­são das atividades do car­go.

Po­de­ri­am tais san­ções, pre­vis- tas na le­gis­la­ção or­di­ná­ria, pre­va­le­cer so­bre o prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal da in­vi­o­la­bi­li­da­de de um man­da­to par­la­men­tar? Po­de­ria um mi­nis­tro do STF de­cre­tá-las, quan­do nem se­quer se acei­tou ain­da a de­nún­cia que da­ria iní­cio a um pro­ces­so ju­di­ci­al con­tra o se­na­dor?

Nu­ma re­a­ção cor­po­ra­ti­va, em que pro­vá­veis in­te­res­ses da im­pu­ni­da­de se re­ves­ti­ram da au­ra ina­ta­cá­vel da in­de­pen­dên­cia en­tre os Po­de­res, vozes do Se­na­do de­ram a en­ten­der que não se sub­me­te­ri­am ao que o Su­pre­mo de­ci­dis­se em des­fa­vor de Aé­cio Ne­ves.

O qual, im­por­tan­te lem­brar, en­con­tra-se cer­ca­do das mais gra­ves sus­pei­tas. Evi­dên­ci­as de que pe­diu e re­ce­beu di­nhei­ro da JBS emer­gem de gra­va­ções e do­cu­men­tos.

Im­pu­nha-se, po­rém, evi­tar que, de con­jec­tu­ras (por mais fun­da­das que se­jam), de­cor­res­sem con­sequên­ci­as cla­ra­men­te pu­ni­ti­vas.

O com­ba­te à cor­rup­ção e as in­ves­ti­ga­ções con­tra Aé­cio Ne­ves po­dem e de­vem con­ti­nu­ar. Ha­via, con­tu­do, que ini­bir efei­tos po­ten­ci­ais de um ar­bí­trio ju­di­ci­al es­ti­mu­la­do pe­la sa­nha da opinião pú­bli­ca.

Pa­ra que tal re­sul­ta­do, po­si­ti­vo do pon­to de vis­ta cons­ti­tu­ci­o­nal, não se con­fun­da com a vi­tó­ria do ci­nis­mo cor­po­ra­ti­vo e da des­fa­ça­tez par­la­men­tar, ca­be­ria ago­ra ao Le­gis­la­ti­vo, re­a­fir­ma­do em sua au­to­no­mia re­pu­bli­ca­na, eli­mi­nar as nó­do­as do com­pa­drio e do acin­te à mo­ra­li­da­de pú­bli­ca.

Os con­gres­sis­tas, em par­ti­cu­lar os se­na­do­res, de­vem pro­vi­dên­ci­as bá­si­cas a res­pei­to de seus pa­res atin­gi­dos por sus­pei­tas, pa­ra que es­tas não re­cai­am so­bre todos. Nada apon­ta, to­da­via, nes­se sen­ti­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.