Mu­dan­ça no esporte

Folha De S.Paulo - - Opinião -

A pri­são pre­ven­ti­va de Car­los Arthur Nuz­man e sua pre­vi­sí­vel re­nún­cia ao car­go de pre­si­den­te do Co­mi­tê Olím­pi­co do Bra­sil (COB) de­ram mais uma vez vi­si­bi­li­da­de ao des­ca­la­bro na ges­tão de en­ti­da­des es­por­ti­vas que tem lon­ge­va tra­di­ção no Bra­sil.

Nuz­man —acu­sa­do de par­ti­ci­par da com­pra de vo­to de re­pre­sen­tan­te do Co­mi­tê Olím­pi­co In­ter­na­ci­o­nal (COI) pa­ra as­se­gu­rar a vi­tó­ria da can­di­da­tu­ra do Rio, en­tre ou­tros ilí­ci­tos, que ne­ga— as­su­miu o COB em 1995, un­gi­do pe­la vi­tó­ria do vô­lei bra­si­lei­ro na Olim­pía­da de Bar­ce­lo­na, em 1992.

À fren­te da con­fe­de­ra­ção da­que­la mo­da­li­da­de, pro­je­tou-se no meio es­por­ti­vo co­mo um di­ri­gen­te mo­der­ni­za­dor, que re­pre­sen­ta­va a pas­sa­gem do mo­de­lo de­ca­den­te e car­co­mi­do da ditadura mi­li­tar pa­ra um pa­drão mais con­di­zen­te com os novos tem­pos.

Idei­as mais are­ja­das não bas­ta­ram, po­rém, pa­ra pro­mo­ver mu­dan­ças sig­ni­fi­ca­ti­vas. Nuz­man man­te­ve-se no car­go por mais de du­as dé­ca­das apro­vei­tan­do-se de um sis­te­ma que per­mi­tia su­ces­si­vas re­e­lei­ções em um co­lé­gio elei­to­ral fa­cil­men­te ma­ni­pu­lá­vel.

Na mais re­cen­te re­con­du­ção, em 2016, pa­ra o sex­to man­da­to, apre­sen­tou-se co­mo can­di­da­to úni­co.

O qua­dro pou­co di­fe­re do que se ob­ser­va na Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Fu­te­bol. Em 2012, cer­ca­do de sus­pei­tas e in­ves­ti­ga­ções, Ri­car­do Tei­xei­ra li­cen­ci­ou-se de­pois de 23 anos no co­man­do da en­ti­da­de.

Seu subs­ti­tu­to, José Ma­ria Ma­rin, foi pre­so pe­la po­lí­cia fe­de­ral ame­ri­ca­na sob acu­sa­ção de cor­rup­ção. Mar­co Po­lo Del Ne­ro, o atu­al pre­si­den­te, não dei­xa o país por te­mer o mes­mo des­ti­no.

Es­cân­da­los de cor­rup­ção, di­ga­se, são fre­quen­tes em en­ti­da­des in­ter­na­ci­o­nais do gê­ne­ro. Mas isso não exi­me os bra­si­lei­ros, ób­vio, de re­for­mu­lar o sis­te­ma aqui vi­gen­te.

Foi um pas­so im­por­tan­te nes­se sen­ti­do a lei, san­ci­o­na­da em 2013 pe­la ex-pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff (PT), des­ti­na­da, com res­tri­ções ao re­pas­se de di­nhei­ro pú­bli­co às en­ti­da­des, a li­mi­tar a qua­tro anos o man­da­to de di­ri­gen­tes, com di­rei­to a ape­nas uma re­e­lei­ção. Há que pros­se­guir no aper­fei­ço­a­men­to da go­ver­nan­ça es­por­ti­va.

Que o ca­so de Nuz­man sir­va de exem­plo e fa­vo­re­ça pres­sões por mu­dan­ças, num mo­men­to em que a so­ci­e­da­de cla­ma por trans­pa­rên­cia e pa­drões éti­cos mais ele­va­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.