Gra­ti­dão aos pro­fes­so­res

Folha De S.Paulo - - Opinião -

Ce­le­bra­mos nes­te domingo o Dia do Pro­fes­sor. Há, cer­ta­men­te, uma mes­tra que sim­bo­li­za o em­pe­nho de mui­tos ou­tros em as­se­gu­rar não ape­nas a apren­di­za­gem, mas a se­gu­ran­ça dos alu­nos sob seu cui­da­do: He­ley Abreu, que, nu­ma cre­che sem ex­tin­tor de in­cên­dio, re­ti­rou-os pe­la ja­ne­la e lu­tou con­tra um in­cen­diá­rio, sal­van­do as­sim a vi­da de mui­tas crianças. Sim, vá­ri­as pro­fis­sões têm seus he­róis e a edu­ca­ção não é ex­ce­ção.

Mas o que faz do do­cen­te um pro­fes­sor ex­ce­len­te? Com cer­te­za, em al­gu­mas cir­cuns­tân­ci­as atos de he­roís­mo, mas no co­ti­di­a­no da edu­ca­ção há al­guns re­qui­si­tos pre­sen­tes em pro­fis­si­o­nais que se dis­tin­guem em sua ta­re­fa, co­mo for­ma­ção só­li­da, al­tas ex­pec­ta­ti­vas pa­ra todos os alu­nos, em es­pe­ci­al os mais vul­ne­rá­veis, pre­pa­ra­ção cui­da­do­sa das au­las, ca­pa­ci­da­de de tra­ba­lhar em equi­pe, ava­li­a­ção cons­tan­te do apren­di­za­do dos es­tu­dan­tes com ade­qua­ção da es­tra­té­gia fren­te a seus pro­gres­sos ou in­su­ces­sos.

Há mui­tos pro­fes­so­res no Bra­sil que apre­sen­tam es­sas ca­rac­te­rís­ti­cas. Mas há ou­tra que me cha­ma ain­da mais aten­ção: a de nun­ca de­sis­tir de um alu­no.

Em even­to re­cen­te em que pro­fe­ri uma pa­les­tra pa­ra alu­nos bra­si­lei­ros na Fran­ça, en­con­trei um jo­vem que me con­tou co­mo pas­sa­ra de um alu­no fra­co pa­ra um pro­fis­si­o­nal res­pei­ta­do: sem apoio da fa­mí­lia e com seus pró­pri­os de­sa­fi­os, o ra­paz não se in­te­res­sa­va pe­la es­co­la, até que um gru­po de pro­fes­so­res, em vez de cha­mar os pais à es­co­la, te­ve uma con­ver­sa fir­me com ele, evi­den­ci­an­do for­te in­te­res­se em que pu­des­se cons­truir seu fu­tu­ro —e isso foi um mo­men­to de vi­ra­da em sua vi­da.

O im­pac­to des­ses pro­fes­so­res que não de­sis­ti­ram de­le e tam­pou­co o in­fan­ti­li­za­ram foi de­ci­si­vo. Ho­je ele tra­ba­lha com edu­ca­ção e li­de­ra ini­ci­a­ti­vas de en­si­no pro­fis­si­o­na­li­zan­te, em uma or­ga­ni­za­ção de gran­de pres­tí­gio. Es­ses mes­tres são também, de al­gu­ma for­ma, he­róis.

É fun­da­men­tal que mu­de­mos a for­ma co­mo al­guns veí­cu­los da im­pren­sa abor­dam a pro­fis­são de pro­fes­sor. Eles não de­vem ser tra­ta­dos co­mo ví­ti­mas, em­bo­ra ha­ja mui­to o que fa­zer pa­ra va­lo­ri­zá-los mais, mas co­mo pro­fis­si­o­nais com or­gu­lho de su­as prá­ti­cas e que cons­tro­em co­le­ti­va­men­te (sim, pois o tra­ba­lho de­les é ne­ces­sa­ri­a­men­te de equi­pe) uma no­va ge­ra­ção que atu­a­rá em novos tem­pos.

O sé­cu­lo 21 nos re­ser­va mui­tas in­cer­te­zas. Te­re­mos mai­or ins­ta­bi­li­da­de no tra­ba­lho, es­pe­ci­al­men­te com a au­to­ma­ção e a ro­bo­ti­za­ção, ame­a­ças de re­tro­ces­sos po­lí­ti­cos e ins­ti­tu­ci­o­nais e de­man­da de com­pe­tên­ci­as pa­ra so­lu­ção de pro­ble­mas com­ple­xos pa­ra quem quer ter uma vi­da pro­fis­si­o­nal e pes­so­al sig­ni­fi­ca­ti­va.

A todos os pro­fes­so­res bra­si­lei­ros que pre­pa­ram nos­sos jo­vens pa­ra es­ses tem­pos in­cer­tos mi­nha gra­ti­dão!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.