On­de er­ra o STF?

Folha De S.Paulo - - Opinião -

SÃO PAULO - Não ha­via co­mo o STF ficar bem na fo­to. Ou a cor­te se pu­nha em ro­ta de cho­que com o Se­na­do, o que é ruim pa­ra a de­mo­cra­cia, ou con­tra­di­zia sua re­cen­te de­ci­são de afas­tar Edu­ar­do Cu­nha da pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra, que fo­ra to­ma­da por una­ni­mi­da­de, é bom res­sal­tar. Os ca­sos não são idên­ti­cos, mas am­bos tra­tam dos li­mi­tes da apli­ca­ção de me­di­das cau­te­la­res a par­la­men­ta­res.

Ao fim e ao ca­bo, pen­so que a posição ado­ta­da pelo Su­pre­mo, de dar ao Le­gis­la­ti­vo a opor­tu­ni­da­de de sus­tar as me­di­das, é a me­nos ruim. O pro­ble­ma não é ju­rí­di­co. É possível mon­tar uma ar­gu­men­ta­ção téc­ni­ca con­vin­cen­te tan­to pa­ra um la­do co­mo pa­ra outro. A ques­tão é po­lí­ti­ca.

Quan­do atua nas fron­tei­ras da se­pa­ra­ção en­tre os Po­de­res, o Ju­di­ciá­rio pre­ci­sa tri­pli­car a cau­te­la. Ele sem­pre te­rá a úl­ti­ma pa­la­vra (Cel­so de Mel­lo po­de ficar tran­qui­lo) e é jus­ta­men­te por isso que não po­de dar pas­sos em fal­so. Pre­ci­sa em­ba­sar su­as de­ci­sões em te­ses ju­rí­di­cas não me­ra­men- te con­vin­cen­tes, mas tão per­to qu­an­to possível do in­con­tes­tá­veis.

Nes­se con­tex­to, creio que o STF vem er­ran­do des­de que or­de­nou a pri­são de Del­cí­dio do Ama­ral, pri­mei­ro ca­so en­vol­ven­do par­la­men­tar em que con­tra­ri­ou a le­tra da Car­ta (não era fla­gran­te de cri­me ina­fi­an­çá­vel). Di­go isso com a tran­qui­li­da­de de quem apon­tou pro­ble­mas não só nos ca­sos de Aé­cio e Del­cí­dio, mas também nos de Cu­nha e Re­nan Ca­lhei­ros (es­te era di­fe­ren­te, mas nem tan­to quan­do se con­si­de­ra o as­pec­to po­lí­ti­co).

O que me exas­pe­ra é que gas­ta­mos mui­ta ener­gia e tem­po de­ba­ten­do cau­te­la­res e nada se faz pa­ra avan­çar na dis­cus­são do mé­ri­to, que é o que re­al­men­te im­por­ta. A La­va Ja­to co­me­çou em 2014. Nes­se meio tem­po, a pri­mei­ra ins­tân­cia de Cu­ri­ti­ba já jul­gou e sen­ten­ci­ou 107 en­vol­vi­dos. A do Rio co­le­ci­o­na 13 con­de­na­ções. Mas, na Brasília do STF, ne­nhum po­lí­ti­co foi ain­da jul­ga­do. Fa­zê-lo em tem­po há­bil de­ve­ria ser a ver­da­dei­ra ob­ses­são da cor­te, mas não é. he­lio@uol.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.