Não, por­que ten­ta­ram uma de­por­ta­ção em mar­ço de 2015 e era go­ver­no Dil­ma.

Folha De S.Paulo - - Poder - JOELMIR TA­VA­RES

EN­VI­A­DO ES­PE­CI­AL A CA­NA­NEIA (SP)

É num so­bra­do sim­ples em Ca­na­neia, no li­to­ral pau­lis­ta, que o ita­li­a­no Ce­sa­re Bat­tis­ti es­pe­ra seu fu­tu­ro ser de­ci­di­do em Brasília.

A tran­qui­li­da­de da vi­da que le­va na ci­da­de de 12 mil ha­bi­tan­tes foi in­ter­rom­pi­da há pou­co mais de uma se­ma­na. De­ti­do no dia 4 nu­ma vi­a­gem à fron­tei­ra com a Bo­lí­via (pri­são que ele diz ter si­do frau­du­len­ta), foi con­si­de­ra­do fu­gi­ti­vo e viu cres­ce­rem as pres­sões pa­ra que se­ja ex­tra­di­ta­do.

“A mi­nha ar­ma pa­ra me de­fen­der não é fu­gir. Es­tou do la­do da ra­zão, te­nho tu­do a meu la­do”, dis­se ele à Fo­lha na tar­de des­ta quinta (12).

A tra­ma se ar­ras­ta em so­lo bra­si­lei­ro des­de 2004, quan­do o ex-mi­li­tan­te de ex­tre­ma es­quer­da con­de­na­do pe­la mor­te de qua­tro pes­so­as che­gou ao país. Ele ne­ga a au­to­ria.

Com a per­ma­nên­cia au­to­ri­za­da em 2010 pelo en­tão pre­si­den­te Lu­la, Bat­tis­ti acha­va que tu­do ti­nha se re­sol­vi­do. O es­for­ço da Itá­lia pa­ra fa­zê-lo cum­prir a con­de­na­ção à pri­são per­pé­tua, no en­tan­to, nun­ca ces­sou. Nes­ta se­ma­na, o go­ver­no Mi­chel Te­mer de­ci­diu re­vo­gar a con­di­ção de re­fu­gi­a­do do ita­li­a­no.

Vi­ven­do na casa de um ami­go, o es­cri­tor es­tá cons­truin­do um imó­vel pa­ra mo­rar em Ca­na­neia. A ren­da vem da aju­da de ami­gos e pa­ren­tes na Itá­lia e na Fran­ça, além da ven­da de li­vros e de tra­du­ções.

Casado com uma mo­ra­do­ra da ci­da­de des­de 2015, te­ve fi­lho, ho­je com qua­tro anos, com uma ex-com­pa­nhei­ra em São José do Rio Pre­to. “Ele [Te­mer] vai se­pa­rar um fi­lho do pai por to­da a vi­da?” Fo­lha – O sr. tem di­to que a pri­são em Co­rum­bá foi uma “tra­ma” e que es­ta­va sen­do vi­gi­a­do. Co­mo acon­te­ceu?

Ce­sa­re Bat­tis­ti — Du­ran­te o tra­je­to me dei con­ta de que es­ta­vam atrás de nós. Hou­ve mo­men­tos em que vía­mos que es­ta­vam es­pe­ran­do o car­ro pas­sar. Pa­ra­ram a gen­te 200 km an­tes de Co­rum­bá. Não pa­ra­ram mais nin­guém. Era cla­ro que es­ta­vam nos es­pe­ran­do. Quan­do che­guei à de­le­ga­cia eles es­ta­vam fe­li­zes da vi­da, co­me­mo­ra­vam, co­mo se fes­te­jas­sem o su­ces­so de uma ope­ra­ção. Nem dis­far­ça­ram mui­to. Pe­ga­ram o di­nhei­ro de to­do mun­do e co­me­ça­ram a di­zer que era tu­do meu. Por­que só as­sim po­de­ria su­pe­rar os R$ 10 mil [va­lor má­xi­mo per­mi­ti­do]. Mas o di­nhei­ro era dos três. Aí a gen­te co­me­çou a ver que as coi­sas es­ta­vam an­dan­do de um jei­to es­tra­nho. O sr. que­ria fu­gir?

Pa­ra que eu que­ro fu­gir? A gen­te ti­nha ido com­prar ma­te­ri­al de pes­ca, ca­sa­cos de cou­ro, vi­nhos. Tí­nha­mos en­co­men­da também, de ami­gos da­qui que são pes­ca­do­res. Trans­for­ma­ram es­sa pri­são em ou­tra coi­sa. Eu na Bo­lí­via não co­nhe­ço nin­guém. Vou pas­sar a fron­tei­ra pa­ra pas­sar de um pro­ble­ma pa­ra outro? me­nor in­ten­ção de fu­gir pa­ra um país on­de não sei o que vai acon­te­cer. E dei­xar o país on­de eu es­tou sen­do pro­te­gi­do. As pres­sões se in­ten­si­fi­ca­ram no go­ver­no Te­mer? O ce­ná­rio ago­ra é mais fa­vo­rá­vel pa­ra a Itá­lia pres­si­o­nar?

Po­de ser que eles en­ca­rem des­sa for­ma, es­tá ven­do que tem um go­ver­no que eles acham mais de di­rei­ta. Pos­sam acre­di­tar que é mais possível. Mas eu acho que é uma ques­tão de co­lo­car for­ças. Eles es­tão co­lo­can­do for­ça pa­ra agir em ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro.

Lu­la é um bom es­ta­dis­ta. Não pre­sen­teia nin­guém. An­tes de to­mar a de­ci­são de­le, ele man­dou as­ses­so­res in­ves­ti­ga­rem no Mé­xi­co, na Fran­ça, na Itá­lia. Ele te­ve pro­va ab­so­lu­ta que ia to­mar uma de­ci­são que não ti­nha nada con­tes­tá­vel. pelo go­ver­no e pelo STF.

A mi­nha ar­ma pa­ra me de­fen­der não é fu­gir. Es­tou do la­do da ra­zão, te­nho tu­do a meu la­do. Es­tou em pres­cri­ção des­de 2013. E não se po­de vol­tar de­pois de cin­co anos [re­fe­rin­do-se à de­ci­são de Lu­la de man­tê-lo no país]. Eles que­rem ar­gu­men­tar que sur­giu fa­to no­vo. Fa­to no­vo se­ria a eva­são de di­vi­sas em Co­rum­bá? Foi for­ja­do, e eu vou ga­nhar es­se pro­ces­so.

Co­mo se faz com um país que me aco­lhe, me per­mi­te de­sen­vol­ver fa­mí­lia, afe­tos, pro­fis­são, e de­pois diz que “aca­bou, ago­ra vai em­bo­ra”? Que mons­tru­o­si­da­de é es­sa? Qual ins­ti­tui­ção o sr. acre­di­ta que po­de sal­vá-lo?

Eu gos­ta­ria que o pre­si­den­te Te­mer to­mas­se cons­ci­ên­cia pro­fun­da da si­tu­a­ção. E ava­li­ar se tem que se­guir es­sas pres­sões ou se tem de fa­zer um gran­de ato de jus­ti­ça e hu­ma­ni­da­de.

“não co­nhe­ço nin­guém. Vou pas­sar a fron­tei­ra pa­ra pas­sar de um pro­ble­ma pa­ra outro?

Quais são seus pla­nos aqui?

Con­ti­nu­ar es­cre­ven­do. Gos­to de mo­rar nes­te país. To­do mun­do sa­be dis­so. Sou ra­di­ca­do aqui, por fa­mí­lia, por tra­ba­lho… Sou co­rin­ti­a­no! [ri­sos] En­tão o que fa­ço? Vou le­var o Co­rinthi­ans pa­ra a Itá­lia?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.