Di­rei­ta: re­fú­gio de ca­na­lhas

Folha De S.Paulo - - Poder - REI­NAL­DO AZE­VE­DO

É CO­NHE­CI­DA a fra­se do in­glês Sa­mu­el Johnson (1709-1784): “O pa­tri­o­tis­mo é o úl­ti­mo re­fú­gio de um ca­na­lha”. Aca­bou dis­tor­ci­da. Re­fe­ri­a­se a uma si­tu­a­ção es­pe­cí­fi­ca da po­lí­ti­ca do seu tem­po. Não hos­ti­li­za­va ou re­ne­ga­va os “pa­tri­o­tas”, en­tão uma cor­ren­te po­lí­ti­ca. Cri­ti­ca­va vi­ga­ris­tas que pas­sa­ram a se abri­gar sob tal man­to, per­ver­ten­do idei­as que con­si­de­ra­va vir­tu­o­sas. Nes­tes dias, o li­be­ral bra­si­lei­ro es­tá obri­ga­do a di­zer: “A di­rei­ta é o úl­ti­mo re­fú­gio de um ca­na­lha”.

Nes­ta quar­ta (11), fiz o que não fa­ço qua­se nun­ca. Acom­pa­nhei um tan­ti­nho, nas re­des so­ci­ais, as re­a­ções de gru­pos or­ga­ni­za­dos “de di­rei­ta” à ses­são do STF que de­ci­dia se me­di­das cau­te­la­res im­pos­tas pelo Ju­di­ciá­rio a par­la­men­ta­res de­vem ou não ser sub­me­ti­das à res­pec­ti­va Casa Le­gis­la­ti­va. “As di­rei­tas” não es­ta­vam en­ten­den­do nada.

Os di­tos di­rei­tis­tas, ex­ce­tu­an­do­se ra­ras ilhas de com­pre­en­são, es­me­ra­vam-se em vo­mi­tar ig­no­rân­ci­as con­tra “todos os po­lí­ti­cos”. Sen­tem-se mo­ral­men­te su­pe­ri­o­res a seus an­tí­po­das por ata­car a po­lí­ti­ca ela mes­ma, em to­da a sua ex­ten­são. O mal dos ad­ver­sá­ri­os es­ta­ria na se­le­ti­vi­da­de. En­ten­di. Os es­quer­dis­tas se or­gu­lham de olhar no olho de su­as ví­ti­mas an­tes de ati­rar. Jus­ti­ça que en­xer­ga! A di­rei­ta de que fa­lo ati­ra an­tes de olhar. Jus­ti­ça ce­ga!

Vi an­ti­pe­tis­tas fa­ná­ti­cos, an­ti­co­mu­nis­tas pa­to­ló­gi­cos e con­vic­tos fas­cis­toi­des de di­rei­ta a aplau­dir o vo­to de Luís Ro­ber­to Bar­ro­so. Jun­to com a es­quer­da. Aque­le chei­ro de san­gue no ar. O que a eti­mo­lo­gia en­si­na so­bre “ca­na­lha”? Res­pos­ta: “ca­chor­ra­da”. É que o doutor la­vou o seu re­la­ti­vis­mo cons­ti­tu­ci­o­nal com o lin­cha­men­to do se­na­dor Aé­cio Ne­ves, que não era nem ci­ta­do na­que­la ADI. Seu vo­to ia aper­tan­do todos os “bo­tões quen­tes” da po­lê­mi­ca, pa­ra em­pre­gar uma ex­pres­são que Um­ber­to Eco cu­nhou mui­to an­tes de co­nhe­cer­mos o bu­ei­ro do ca­pe­ta das re­des so­ci­ais.

Sem ver­go­nha na to­ga e da to­ga, o doutor co­me­çou ata­can­do o fo­ro es­pe­ci­al, que não es­ta­va em jul­ga­men­to. A di­rei­ta sa­li­va­va. De­pois ape­lou à me­tá­fo­ra dos “pei­xes pe­que­nos”, sem­pre pu­ni­dos, e dos “graú­dos”, sem­pre im­pu­nes. Mais ba­ba. Po­de­ria ser o “Ser­mão de San­to Antô­nio aos Pei­xes”, de Padre Vi­ei­ra. Era só o “Pro­se­li­tis­mo Es­quer­do­pa­ta de Bar­ro­so aos To­los”. Aí re­sol­veu con­de­nar Aé­cio, que nem réu é ain­da.

Di­nhei­ro, en­si­nou, tem de pas­sar pelo ban­co, ou a cor­rup­ção es­tá com­pro­va­da. E, se é as­sim, po­de-se ras­gar a Cons­ti­tui­ção em no­me da ho­nes­ti­da­de. É pre­ci­sa­men­te o que faz a es­quer­da mun­do afo­ra. Ele nem te­ve a de­li­ca­de­za de di­zer qual foi a con­tra­par­ti­da —ou pro­mes­sa de— ofe­re­ci­da pelo se­na­dor a Jo­es­ley Ba­tis­ta, o que po­de­ria ca­rac­te­ri­zar cor­rup­ção pas­si­va. A ca­chor­ra­da se afo­ga­va de pra­zer na gos­ma pe­ço­nhen­ta.

A fi­cha das “di­rei­tas” não caiu nem quan­do, ne­gan­do a sua con­di­ção de “ati­vis­ta ju­di­ci­al”, Bar­ro­so afir­mou ser con­trá­rio ao STF le­gis­la­dor e in­ter­ven­tor, mas só nas ma­té­ri­as de na­tu­re­za cons­ti­tu­ci­o­nal. E, mes­mo nes­se ca­so, dei­xou cla­ro, dá­se o di­rei­to de le­gis­lar so­bre “di­rei­tos de mi­no­ria” e “pro­te­ção às re­gras da de­mo­cra­cia”. Não por aca­so, é o gê­nio da ra­ça que re­sol­veu fa­zer uma in­ter­pre­ta­ção ex­ten­si­va de um ha­be­as cor­pus e, pim­ba!, de­ci­diu “le­ga­li­zar” o abor­to até o ter­cei­ro mês de ges­ta­ção. Não fi­cou cla­ro se o as­sas­si­na­to do fe­to, que não po­de cor­rer nem se de­fen­der, é um “di­rei­to de mi­no­ria” ou uma “re­gra da de­mo­cra­cia”.

Por 6 a 5, de­pois das adap­ta­ções, de­ci­diu o STF que a Jus­ti­ça po­de, sim, apli­car a par­la­men­ta­res as me­di­das cau­te­la­res do Ar­ti­go 319 do Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal, mas tu­do o que afe­ta o man­da­to de­ve ser sub­me­ti­do à Casa Le­gis­la­ti­va a que per­ten­ce o pu­ni­do por pre­ven­ção. Das aber­ra­ções, a me­nor. A con­fu­são, ago­ra, vai se es­ten­der a As­sem­blei­as Le­gis­la­ti­vas e Câ­ma­ras de Ve­re­a­do­res.

A di­rei­ta dos hu­mo­res pe­ga­jo­sos, cons­ta­tou mi­nha mu­lher, ain­da ago­ra se afo­ga em se­cre­ções de pu­ro ran­cor. Que­ria mais in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de. Que o Bra­sil so­bre­vi­va ao pa­tri­o­tis­mo dos ca­na­lhas!

A di­rei­ta dos hu­mo­res pe­ga­jo­sos ain­da ago­ra se afo­ga em se­cre­ções de pu­ro ran­cor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.