Re­for­ma per­mi­te elei­ção de na­ni­co com mui­tos vo­tos

Par­ti­dos que não atin­gi­ram o quo­ci­en­te elei­to­ral po­de­rão dis­pu­tar va­gas

Folha De S.Paulo - - Poder - RANIER BRAGON

Me­di­da, po­rém, te­rá pou­co efei­to prá­ti­co; se vi­go­ras­se em 2014, ne­nhu­ma si­gla te­ria se be­ne­fi­ci­a­do em SP

Ape­sar de ter cri­a­do re­gras du­ras pa­ra bar­rar a exis­tên­cia de par­ti­dos com bai­xo de­sem­pe­nho nas ur­nas, a re­for­ma po­lí­ti­ca re­cém-apro­va­da pelo Con­gres­so também trou­xe uma al­te­ra­ção que per­mi­te, em ca­sos ex­cep­ci­o­na­lís­si­mos, a elei­ção de can­di­da­tos des­sas le­gen­das que te­nham ob­ti­do vo­ta­ção mui­to ex­pres­si­va.

Em li­nhas ge­rais, de­pu­ta­dos e se­na­do­res apro­va­ram du­as me­di­das an­ti­na­ni­cos.

1) A exi­gên­cia, a partir de 2018, de uma vo­ta­ção na­ci­o­nal mí­ni­ma de 1,5% na elei­ção pa­ra a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos (pi­so que che­ga­rá a 3% em 2030) pa­ra que as si­glas te­nham aces­so a ver­bas do fun­do par­ti­dá­rio e a tem­po de pro­pa­gan­da em TVs e rá­di­os.

2) A proi­bi­ção, a partir das elei­ções de 2020, de co­li­ga­ções, me­ca­nis­mo uti­li­za­do pe­las pe­que­nas e mé­di­as si­glas pa­ra au­men­tar su­as chan­ces de ele­ger re­pre­sen­tan­tes pa­ra o Le­gis­la­ti­vo.

Nes­ta segunda cri­ou-se um “re­fres­co” pa­ra os can­di­da­tos su­per­vo­ta­dos das le­gen­das na­ni­cas. A mu­dan­ça foi no­ti­ci­a­da pelo jornal “Va­lor Econô­mi­co”.

Fun­ci­o­na as­sim: pe­las atu­ais re­gras, so­men­te os par­ti­dos que atin­gem o cha­ma­do quo­ci­en­te elei­to­ral ele­gem re­pre­sen­tan­tes pa­ra as Câ­ma­ras mu­ni­ci­pais, As­sem­blei­as Le­gis­la­ti­vas e Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos.

O quo­ci­en­te é cal­cu­la­do pe­la di­vi­são do to­tal dos vo­tos vá­li­dos pelo nú­me­ro de ca­dei­ras dis­po­ní­veis.

São Paulo, por exem­plo, ele­ge 70 de­pu­ta­dos fe­de­rais. Em 2014 hou­ve 21,3 mi­lhões de vo­tos vá­li­dos pa­ra a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos.

Des­sa for­ma, di­vi­din­do-se es­se to­tal por 70, che­gou-se na oca­sião a um quo­ci­en­te elei­to­ral de 303,8 mil vo­tos.

Ou se­ja, so­men­te os par­ti­dos e as co­li­ga­ções que ob­ti­ve­ram pelo me­nos 303,8 mil vo­tos con­se­gui­ram ele­ger de­pu­ta­dos fe­de­rais.

Pe­la re­gra apro­va­da ago­ra pelo Con­gres­so, os par­ti­dos ou as co­li­ga­ções (elas ain­da se­rão per­mi­ti­das em 2018) que não atin­gi­rem o quo­ci­en­te elei­to­ral também po­de­rão dis­pu­tar as cha­ma­das “so­bras”—as va­gas não pre­en­chi­das na pri­mei­ra di­vi­são ma­te­má­ti­ca.

De to­da for­ma, a elei­ção de um can­di­da­to de par­ti­do na­ni­co só ocor­re­rá em ca­sos ex­cep­ci­o­na­lís­si­mos, quan­do o po­lí­ti­co des­sa si­gla ti­ver ob­ti­do uma vo­ta­ção bas­tan­te ex­pres­si­va.

To­me-se no­va­men­te o exem­plo de São Paulo, em 2014. Na pri­mei­ra di­vi­são, 62 das 70 va­gas fo­ram pre­en­chi­das, res­tan­do oi­to “so­bras”.

Ca­so a re­gra apro­va­da ago­ra pelo Con­gres­so es­ti­ves­se em vi­gor na­que­la épo­ca, não ha­ve­ria ne­nhu­ma mo­di­fi­ca­ção na di­vi­são des­sas oi­to ca­dei­ras. Ou se­ja, os elei­tos se­ri­am os mes­mos.

Uma al­te­ra­ção ocor­re­ria na elei­ção de 2010, no Rio Gran­de do Sul.

Na oca­sião, Luciana Gen­ro (PSOL) foi a no­na mais vo­ta­da no Es­ta­do, com 129,5 mil vo­tos, mas aca­bou não sen­do elei­ta de­pu­ta­da fe­de­ral por­que o par­ti­do não atin­giu o quo­ci­en­te elei­to­ral.

Ca­so a re­gra atu­al já es­ti­ves­se va­len­do, o PSOL po­de­ria en­trar na dis­pu­ta das 5 “so­bras” (o Es­ta­do ele­ge 31 de­pu­ta­dos fe­de­rais) e Luciana fi­ca­ria com a úl­ti­ma des­sas va­gas. To­tal de va­gas dis­tri­buí­das no pri­mei­ro cál­cu­lo aos par­ti­dos ou co­li­ga­ções que atin­gi­ram o quo­ci­en­te O PT ob­te­ve 1.533.623 vo­tos. Es­se nú­me­ro, di­vi­di­do pelo quo­ci­en­te elei­to­ral, dá 7,7. A co­li­ga­ção re­ce­beu, en­tão, 7 va­gas na “pri­mei­ra cha­ma­da”. De­pois, mais uma na dis­tri­bui­ção das so­bras To­tal de so­bras dis­tri­buí­das, em “segunda cha­ma­da”, aos par­ti­dos ou co­li­ga­ções que atin­gi­ram o quo­ci­en­te Ha­ve­ria uma mu­dan­ça: o PSOL ob­te­ria a úl­ti­ma va­ga das “so­bras”, com Luciana Gen­ro, a no­na mais vo­ta­da no Es­ta­do

Pe­dro La­dei­ra - 4.out.2017/Folhapress

De­pu­ta­dos dis­cu­tem du­ran­te a ses­são que apro­vou a re­for­ma po­lí­ti­ca, na úl­ti­ma se­ma­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.