‘Pa­quis­tão é um Es­ta­do mi­li­tar’, diz jornalista

Per­se­gui­do por de­nun­ci­ar in­fluên­cia das For­ças Armadas do país na po­lí­ti­ca, re­pór­ter ga­nhou ação con­tra go­ver­no

Folha De S.Paulo - - Mundo - CA­RO­LI­NA VI­LA-NO­VA O jornalista pa­quis­ta­nês Taha Sid­di­qui, que pro­ces­sou o go­ver­no de seu país por as­sé­dio e re­ce­beu sen­ten­ça fa­vo­rá­vel

Taha Sid­di­qui foi con­vo­ca­do pa­ra in­ter­ro­ga­tó­rio, mas, te­men­do ser pre­so ou mor­to, não com­pa­re­ceu

O jor­na­lis­mo en­trou por aca­so na vi­da do pa­quis­ta­nês Taha Sid­di­qui, 33. For­ma­do em ad­mi­nis­tra­ção de em­pre­sas em Ka­ra­chi, o “jornalista aci­den­tal”, co­mo se des­cre­ve, co­me­çou co­mo ana­lis­ta de fi­nan­ças, pas­sou a pro­du­tor de TV e en­tão, se­guin­do con­se­lho de ami­gos, aven­tu­rou-se na re­por­ta­gem.

Em al­guns anos, es­pe­ci­a­li­zou-se na co­ber­tu­ra de te­mas mi­li­ta­res e de se­gu­ran­ça em zo­nas de gu­er­ra. E en­tão os pro­ble­mas co­me­ça­ram.

“Sem­pre fui crí­ti­co das pe­ga­das dei­xa­das pelo Exér­ci­to do Pa­quis­tão pa­ra além de seu pa­pel de de­fe­sa. O Pa­quis­tão é um Es­ta­do mi­li­tar, e mui­tas das mi­nhas his­tó­ri­as eram so­bre o en­vol­vi­men­to mi­li­tar na po­lí­ti­ca, nos ne­gó­ci­os, nos as­sun­tos so­ci­ais”, con­ta Sid­di­qui.

Em 2014, ele le­vou o pres­ti­gi­o­so prê­mio fran­cês Al­bert Lon­dres pelo do­cu­men­tá­rio “A Gu­er­ra da Pó­lio”, so­bre a cam­pa­nha con­tra a va­ci­na­ção em­pre­en­di­da pelo Taleban. Che­fe de Re­da­ção do in­di­a­no WION e cor­res­pon­den­te do ame­ri­ca­no “Ch­ris­ti­an Sci­en­ce Mo­ni­tor”, do ale­mão “Die Welt” e do fran­cês Fran­ce24, Sid­di­qui também co­la­bo­ra pa­ra o “New York Ti­mes”.

“Pos­so pa­re­cer pa­ra­noi­co, mas [de­pois da pro­je­ção da­da pelo prê­mio] sen­ti que es­ta­vam vi­gi­an­do a mim e a quem me vi­si­ta­va. Uma ami­ga foi avi­sa­da de que não de­ve­ria

TAHA SID­DI­QUI

jornalista pa­quis­ta­nês nos ver [a mu­lher de­le também é jornalista] pois éra­mos ‘más com­pa­nhi­as’”, lem­bra.

“Aler­tas” che­ga­vam de todos os la­dos. “Co­me­cei a re­ce­ber li­ga­ções de ami­gos jor­na­lis­tas, de ami­gos que tra­ba­lha­vam pa­ra o go­ver­no e às ve­zes di­re­ta­men­te de pes­so­as do Exér­ci­to pe­din­do que pa­ras­se de cri­ti­car os mi­li­ta­res. Eram ami­gá­veis e às ve­zes brin­ca­vam so­bre co­mo eu po­de­ria de­sa­pa­re­cer.”

O tom li­gei­ro de­sa­pa­re­ceu em maio pas­sa­do, quan­do a Agência Fe­de­ral da In­ves­ti­ga­ção [FIA, na si­gla em in­glês], sob co­man­do dos mi­li­ta­res, foi atrás de­le com acu­sa­ções for­mais de ter­ro­ris­mo e cri­mes ci­ber­né­ti­cos. IN­TER­RO­GA­TÓ­RIO Na oca­sião, uma pes­soa que se iden­ti­fi­cou ao te­le­fo­ne co­mo No­man Bo­dla, vi­ce­di­re­tor do De­par­ta­men­to de Con­tra­ter­ro­ris­mo da FIA, con­vo­cou-o pa­ra um in­ter­ro­ga­tó­rio na se­de da agência.

Sid­di­qui não com­pa­re­ceu. Sa­bia que co­le­gas que o ha­vi­am fei­to ti­nham de­sa­pa­re­ci­do ou si­do de­ti­dos ile­gal­men­te. Após o te­le­fo­ne­ma, no­tou a pre­sen­ça de pes­so­as à pai­sa­na di­an­te de sua casa. Pas­sou a res­trin­gir seus mo­vi­men­tos e a in­for­mar seu pa­ra­dei­ro a ami­gos e fa­mi­li­a­res.

O jornalista deu entrada en­tão na Al­ta Cor­te de Is­la­ma­bad a um pro­ces­so por as­sé­dio con­tra FIA, Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or e No­man Bo­dla.

“Quis ini­ci­ar um de­ba­te so­bre a li­ber­da­de de ex­pres­são. Todos os meus co­le­gas jor­na­lis­tas exer­cem au­to­cen­su­ra. Fui à Jus­ti­ça pa­ra que o go­ver­no res­pon­des­se em pú­bli­co o que po­de­mos ou não di­zer, e por quê”, diz ele. “Também sin­to que, ao tor­nar mi­nha lu­ta pú­bli­ca, ga­nho um pou­co de pro­te­ção.”

Se­gun­do o Co­mi­tê pa­ra a Pro­te­ção de Jor­na­lis­tas (CPJ), o Pa­quis­tão é o oi­ta­vo país mais pe­ri­go­so do mun­do pa­ra o exer­cí­cio da pro­fis­são. Lá, 89 pro­fis­si­o­nais mor­re­ram des­de 1992.

A cor­te pro­fe­riu sen­ten­ça fa­vo­rá­vel a Sid­di­qui, de­ter­mi­nan­do que a FIA pu­ses­se fim à in­ti­mi­da­ção. Dois dias de­pois, o jornalista foi in­ti­ma­do a um no­vo in­ter­ro­ga­tó­rio. O pro­ces­so con­ti­nua, mas com adi­a­men­tos cons­tan­tes.

O Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or sus­ten­ta que não faz nada de ile­gal. Se­gun­do o mi­nis­tro Ali Khan, a Cons­ti­tui­ção im­pe­de que al­guém “hu­mi­lhe” as For­ças Armadas, o Ju­di­ciá­rio ou a re­li­gião na­ci­o­nal, o is­lã. “Es­se va­le-tu­do da mí­dia é ina­cei­tá­vel pa­ra uma de­mo­cra­cia”, afir­mou a mei­os lo­cais. JOR­NA­LIS­MO LIVRE “No Pa­quis­tão, é qua­se im­pos­sí­vel ser um jornalista in­de­pen­den­te. As or­ga­ni­za­ções de mí­dia lo­cais têm in­te­res­ses econô­mi­cos, afi­li­a­ções re­li­gi­o­sas e li­ga­ções com os mi­li­ta­res”, diz Sid­di­qui. “O con­fli­to en­tre mi­li­ta­res e mi­li­tan­tes re­sul­ta em uma ame­a­ça du­pla que afe­ta jor­na­lis­tas.”

Em maio, a FIA pu­bli­cou uma lis­ta com mais de 200 usuá­ri­os de mí­dia so­ci­al que te­ri­am pos­ta­do “con­teú­do an­ti­mi­li­tar”. O Mi­nis­té­rio da In­for­ma­ção, da Ra­di­o­di­fu­são e do Pa­trimô­nio Na­ci­o­nal aler­tou pa­ra a apli­ca­ção de leis de cri­me ci­ber­né­ti­co con­tra quem pos­tas­se con­teú­do con­si­de­ra­do “pro­pa­gan­da ne­ga­ti­va so­bre as ins­ti­tui­ções cons­ti­tu­ci­o­nais”.

“Quis

ini­ci­ar um de­ba­te so­bre a li­ber­da­de de ex­pres­são. Todos os meus co­le­gas se cen­su­ram. Fui à Jus­ti­ça pa­ra que o go­ver­no res­pon­des­se o que po­de­mos ou não di­zer, e por quê

Ar­qui­vo pes­so­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.