So­men­te com uma gran­de sim­pli­fi­ca­ção tri­bu­tá­ria se­rá possível aca­bar de vez com o re­fi­nan­ci­a­men­to em sé­rie

Folha De S.Paulo - - Mercado - CO­LU­NIS­TAS DA SE­MA­NA segunda: Mar­cia Des­sen; ter­ça: Ni­zan Gu­a­na­es; quar­ta: Ale­xan­dre Schwartsman; quinta: Laura Car­va­lho; @nel­so­nh­bar­bo­sa sexta: Nel­son Bar­bo­sa; sábado: Mar­cos Sawaya Jank; domingo:

O CON­GRES­SO Na­ci­o­nal am­pli­ou e apro­vou mais um par­ce­la­men­to de dí­vi­das tri­bu­tá­ri­as na se­ma­na pas­sa­da. Cha­ma­do ge­ne­ri­ca­men­te de Re­fis, es­se ti­po de me­di­da já vi­rou al­go tão re­cor­ren­te que o ter­mo de­ve­ria vi­rar ver­be­te de dicionário.

O pri­mei­ro Re­fis foi em 2000, ain­da no go­ver­no FHC. Des­de en­tão já fo­ram cer­ca de 30 ini­ci­a­ti­vas si­mi­la­res. Es­se ti­po de me­di­da é vá­li­do, sobretudo em mo­men­tos de cri­se, quan­do vá­ri­as em­pre­sas en­fren­tam di­fi­cul­da­des de cai­xa, e o go­ver­no, qu­e­da de ar­re­ca­da­ção.

Ape­sar dos pre­ce­den­tes, 2017 mar­ca um re­cor­de de par­ce­la­men­to de dí­vi­das com o go­ver­no. Já fo­ram edi­ta­das nada me­nos que cin­co me­di­das pro­vi­só­ri­as (MP) nes­se sen­ti­do até agos­to.

Hou­ve Re­fis de dé­bi­tos pre­vi­den­ciá­ri­os de Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os (MP 778) e de dí­vi­das não tri­bu­tá­ri­as com agên­ci­as e au­tar­qui­as (MP 780). Também hou­ve re­fi­nan­ci­a­men­to de pas­si­vos tri­bu­tá­ri­os de pro­du­to­res de óleo e gás (MP 795).

A me­di­da da se­ma­na pas­sa­da destina-se a dé­bi­tos ge­rais de pes­so­as fí­si­cas e ju­rí­di­cas (MP 783). A pre­vi­são ini­ci­al do go­ver­no era ar­re­ca­dar R$ 13 bi­lhões com tal ini­ci­a­ti­va. Com ba­se no texto fi­nal, o va­lor efe­ti­vo de­ve ser 50% dis­so.

A am­pli­a­ção dos be­ne­fí­ci­os con­ce­di­dos aos de­ve­do­res da União de­ve fa­zer a equi­pe econô­mi­ca re­co­men­dar ve­tos ao úl­ti­mo Re­fis. Es­sa re­co­men­da­ção é cor­re­ta, mas cor­re o ris­co de não ser ado­ta­da de­vi­do à fra­gi­li­da­de po­lí­ti­ca do go­ver­no.

O go­ver­no de Mi­chel Te­mer en­fren­ta mais uma gra­ve de­nún­cia e tu­do in­di­ca que a san­ção do Re­fis se­rá mais uma mo­e­da de tro­ca pa­ra ten­tar se man­ter no po­der.

Do pon­to de vis­ta or­ça­men­tá­rio, a ado­ção de Re­fis é uma an­te­ci­pa­ção de re­cei­ta, me­lho­ran­do as con­tas fis­cais do ano cor­ren­te e pi­o­ran­do as dos anos se­guin­tes. Isso de­ve­ria ser al­go ex­cep­ci­o­nal e tem­po­rá­rio, pois a re­pe­ti­ção ano a ano ten­de a fa­zer com que os con­tri­buin­tes pos­ter­guem o pa­ga­men­to de im­pos­tos à es­pe­ra de um no­vo par­ce­la­men­to em con­di­ções mais van­ta­jo­sas.

Te­nho en­fa­ti­za­do que a nor­ma­li­za­ção da ar­re­ca­da­ção tri­bu­tá­ria é fis­cal. Além de me­di­das de au­men­to de re­cei­ta (que já co­me­ça­ram), também se­rá ne­ces­sá­rio aca­bar com a prá­ti­ca de Re­fis em sé­rie nos pró­xi­mos anos.

Há pelo me­nos du­as me­di­das es­tru­tu­rais pa­ra co­me­çar a en­fren­tar o pro­ble­ma.

Pri­mei­ro, ca­so o go­ver­no fe­de­ral ti­ves­se uma me­ta de gas­to, e não uma me­ta de re­sul­ta­do pri­má­rio, não se­ria ne­ces­sá­ria a cor­ri­da ma­lu­ca por re­cei­tas tem­po­rá­ri­as que te­mos as­sis­ti­do es­te ano. A eli­mi­na­ção de Re­fis em sé­rie pas­sa, por­tan­to, pe­la ado­ção de re­gras fis­cais mais ra­ci­o­nais a partir de 2019, fo­ca­das em me­tas de gas­to, em vez de re­sul­ta­do pri­má­rio. eli­mi­nar de vez a ne­ces­si­da­de de Re­fis em sé­rie pa­ra com­pen­sar a ine­fi­ci­ên­cia e a ar­bi­tra­ri­e­da­de de nos­so sis­te­ma tri­bu­tá­rio.

A re­for­ma tri­bu­tá­ria é mais uma das me­di­das es­sen­ci­ais pa­ra a re­to­ma­da do de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co. Ha­via ini­ci­a­ti­vas nes­se sen­ti­do no iní­cio do ano pas­sa­do, mas que fo­ram abor­ta­das pelo gol­pe de 2016. De­vi­do ao ca­len­dá­rio elei­to­ral, es­sa ques­tão só de­ve vol­tar à pau­ta em 2019. NEL­SON BAR­BO­SA,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.