Co­muns são mais jo­vens e com en­si­no fun­da­men­tal.

Folha De S.Paulo - - Cotidiano Inclui -

vá­ri­as casas na vi­zi­nhan­ça.”

Se­gun­do o le­van­ta­men­to da re­por­ta­gem, os la­tro­cí­ni­os acon­te­cem prin­ci­pal­men­te na rua (60%), mas também em re­si­dên­ci­as (15%) e res­tau­ran­tes e ba­res (10%).

O la­tro­cí­nio é con­si­de­ra­do por al­guns es­pe­ci­a­lis­tas co­mo al­go im­pre­vi­sí­vel, por ser, de cer­ta ma­nei­ra, “um rou­bo que deu er­ra­do”. Por es­se ra­ci­o­cí­nio, qu­an­to mais as­sal­tos, mais chan­ce de que al­gum ter­mi­ne com mor­te.

Di­fe­ren­te­men­te dos ho­mi­cí­di­os co­muns, com gran­de in­ci­dên­cia em áre­as mui­to po­bres, a mai­o­ria dos pon­tos de as­sal­tos se­gui­dos de mor­te vi­si­ta­dos pe­la re­por­ta­gem são re­giões de clas­se mé­dia bai­xa na zo­na les­te.

Ape­nas 15% dos la­tro­cí­ni­os acon­te­ce­ram no cen­tro ex­pan­di­do. Bair­ros no­bres co­mo Pi­nhei­ros, Al­to de Pi­nhei­ros e Mo­rum­bi, na zo­na oes­te, e Mo­e­ma e Cam­po Be­lo, na sul, não apa­re­ce­ram nos da­dos com­pi­la­dos pe­la re­por­ta­gem.

Se­gun­do o ca­pi­tão Ro­dri­go Ca­bral, da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al da PM, um dos fa­to­res que po­de in­flu­en­ci­ar nes­se ti­po de cri­me é a de­si­gual­da­de so­ci­al que ocor­re em lu­ga­res on­de há tan­to clas­se mé­dia qu­an­to po­bre­za ex­tre­ma.

O per­fil pre­do­mi­nan­te en­tre as ví­ti­mas é de ho­mens aci­ma de 40 anos, ca­sa­dos e com mai­or grau de ins­tru­ção, en­quan­to os mor­tos em ho­mi­cí­di­os PO­LI­CI­AIS MI­LI­TA­RES Os po­li­ci­ais mi­li­ta­res são as prin­ci­pais ví­ti­mas des­te ti­po de cri­me. A ca­da dez mor­tos em as­sal­tos, um per­ten­ce à cor­po­ra­ção. Uma das ví­ti­mas foi o te­nen­te Mil­ton de Oliveira Fra­ga, 48, que foi abor­da­do por ban­di­dos quan­do es­pe­ra­va a fi­lha sair de casa, em uma re­gião de clas­se mé­dia de São Miguel de Pau­lis­ta.

“Da ja­ne­la, vi os ca­ras che­ga­rem em vol­ta do car­ro. Eles fa­la­ram pa­ra mim: en­tra ago­ra, se­não eu ati­ro. Fe­chei a ja­ne­la, não pas­sa­ram nem dois se­gun­dos, e ou­vi o pri­mei­ro ti­ro”, diz a es­tu­dan­te Cín­tia Fra­ga, 23, fi­lha do po­li­ci­al.

O te­nen­te es­ta­va ar­ma­do, mas ela du­vi­da que ele te­nha ten­ta­do re­a­gir. Fra­ga es­ta­va fo­ra das ru­as ha­via vá­ri­os anos —se apo­sen­ta­ra cin­co me­ses an­tes da PM, on­de da­va au­las de edu­ca­ção fí­si­ca.

De­pois do epi­só­dio, Cín­tia pas­sou a pa­gar pa­ra um vi­gi­lan­te le­vá-la de mo­to do pon­to de ôni­bus até sua casa na vol­ta da fa­cul­da­de. Ela te­me fa­zer o mes­mo tra­je­to a pé.

Há uma ava­li­a­ção ge­ral en­tre os po­li­ci­ais de que, se fo­rem des­co­ber­tos pe­los cri­mi­no­sos, se­rão as­sas­si­na­dos. Por isso, pre­fe­rem re­a­gir aos as­sal­tos ime­di­a­ta­men­te.

O co­ro­nel José Vicente da Silva, con­sul­tor em se­gu­ran­ça, afir­ma que, mes­mo sen­do me­lhor ati­ra­dor que o ban­di­do, o po­li­ci­al se en­con­tra em posição des­van­ta­jo­sa quan­do é a ví­ti­ma de um as­sal­to.

“Nor­mal­men­te, quan­do há um con­fron­to do po­li­ci­al de ser­vi­ço, ele es­tá com com­pa­nhei­ro, e ra­ra­men­te é sur­pre­en­di­do”, diz. “Em um as­sal­to, além de es­tar so­zi­nho, ele ge­ral­men­te es­tá mui­to pró­xi­mo do cri­mi­no­so”. Mes­mo as­sim, diz o co­ro­nel, quan­do o po­li­ci­al ve­ri­fi­ca um gran­de po­ten­ci­al de ser mor­to du­ran­te o as­sal­to, ele po­de se ver obri­ga­do a “lu­tar pe­la vi­da”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.