O que eu que­ria ter di­to

Folha De S.Paulo - - Cotidiano - TA­TI BERNARDI CO­LU­NIS­TAS DES­TA SE­MA­NA segunda: Leão Ser­va; ter­ça: Ve­ra Ia­co­nel­li; quar­ta: Fran­cis­co Daudt; quinta: Sér­gio Ro­dri­gues; sexta: Ta­ti Bernardi; sábado: Os­car Vi­lhe­na Vi­ei­ra; domingo: An­to­nio Pra­ta

HO­JE, AO de­se­jar su­ces­so pa­ra meu ma­ri­do, o que eu gos­ta­ria mes­mo era de ter di­to “é com­pli­ca­do ter te­são por uma pes­soa que não me aju­da a re­sol­ver o pro­ble­ma com o va­za­men­to na área de ser­vi­ço”. Ao dar bom dia no ele­va­dor pa­ra uma se­nho­ra de­sin­cha­da e, por­tan­to, apa­ren­te­men­te bem re­sol­vi­da de in­tes­ti­no, o que eu que­ria mes­mo era ter di­to: co­mo vo­cê li­da com o fa­to da tâ­ma­ra pa­re­cer uma ba­ra­ta açu­ca­ra­da? Me con­ti­ve, cla­ro. De­pois, ao aten­der mi­nha mãe, o que me atra­sou pa­ra a reu­nião, eu gos­ta­ria de não ter fi­ca­do em si­lên­cio por 17 mi­nu­tos, ou­vin­do a mes­ma his­tó­ria de on­tem, e sim ter imi­ta­do uma bri­ta­dei­ra elé­tri­ca por dez se­gun­dos e des­li­ga­do. Não ti­ve co­ra­gem.

Ao che­gar no tra­ba­lho, cru­zei com Sa­ri­nha. Sa­ri­nha tem 27 anos e eu te­nho uma ta­ra es­pe­cí­fi­ca por seus jo­e­lhos. O jo­e­lho da mu­lher com qua­se 40, meu ca­so, tem a pál­pe­bra caí­da. Eu sei que isso não faz sen­ti­do, mas é o que eu di­ria ao meu jo­e­lho, se ti­ves­se a ca­ra de pau de lhe di­zer a ver­da­de. O jo­e­lho de Sa­ri­nha é aque­le olhar aber­to, qua­se es­bu­ga­lha­do. Sa­ri­nha, pos­so me ajo­e­lhar ago­ra e mor­dis­car su­as pa­te­las? Me em­pres­ta um me­nis­co pa­ra amor­te­cer a dor de ser di­a­ri­a­men­te no­cau­te­a­da pe­la sua ju­ven­tu­de? Fa­la car­ti­la­gem e co­lá­ge­no no meu ou­vi­do? Tra­vei e ape­nas bal­bu­ci­ei “ho­je o dia pro­me­te” e dei aque­le sus­pi­ro cli­chê de “a vi­da não é fá­cil”. Fin­gin­do tensão cer­vi­cal, ela con­cor­dou. Aten­ção, ma­ri­do, mãe, pai, be­bê, a ver­da­de é que nun­ca sei, lá no fun­do, se não gos­to também de mu­lher.

No Facebook, se eu ti­ves­se mes­mo ati­tu­de, fa­ria um da­que­les ban­ners com co­ra­ções cor-de-ro­sa e es­cre­ve­ria “so­bre o mun­do: não me im­por­to tan­to as­sim”. Sa­be, re­des so­ci­ais, even­tos so­ci­ais e bis­coi­tos Club So­ci­al: a re­al é que es­tou cho­ca­da com a cen­su­ra, aba­la­da com a po­lí­ti­ca, ar­ra­sa­da com o ter­ro­ris­mo, mas te­nho “mais uma ten­ta­ti­va de nun­ca mor­rer” agen­da­da às cin­co. Es­sa ob­ses­são pe­la pe­le, pelo fí­ga­do, pe­la bu­la. A mi­nha der­ro­ca­da, a mi­nha fa­lên­cia, é o que na ver­da­de to­ma pro­fun­da e ex­clu­si­va­men­te meus pa­vo­res. O egoís­mo num ban­ner, em cai­xa al­ta, só isso.

Es­se res­tau­ran­te ar­ro­gan­te ca­rís­si­mo me­ti­dís­si­mo é um en­go­do, um li­xo, é o que eu gos­ta­ria de cus­pir, pi­char com a mi­nha bi­le, em vez de per­ten­cer ao clu­bi­nho dos ob­ce­ca­dos em en­go­lir “o no­vo point”. Pra que ca­ce­te ago­ra exis­tem es­sas lo­jas que vo­cê vê a rou­pa, ex­pe­ri­men­ta a rou­pa, mas na ho­ra de com­prar “só ven­de­mos pe­la in­ter­net”? O Ser­gio Ma­lan­dro é o ge­ren­te des­sa por­ra? Por que quan­do eu fa­lo “ai, que dor na lom­bar, que azia” tem sem­pre uma fa­di­nha de Deus que apa­re­ce, de um bu­ei­ro ala­do, e fa­la “ah, mas vo­cê vai sen­tir tan­ta sau­da­de”. As mu­lhe­res con­fun­dem amar o fi­lho com “ve­ne­rar ca­da se­gun­di­nho da úl­ce­ra gás­tri­ca que o cons­tan­te vô­mi­to da gra­vi­dez cau­sa”. Ga­ta, isso não é ser boa mãe, isso é ser trou­xa. Po­de­mos nos unir em no­me da ex­tin­ção do “ii­i­is­so­amm”? Sa­be quan­do vo­cê per­gun­ta al­go pra me­ni­na que fez cur­so pra te ven­der al­go com mui­ta sim­pa­tia e ela res­pon­de “ii­i­i­is­s­so­ammm”? Po­de­mos fa­zer uma pas­se­a­ta nus na Pau­lis­ta pelo fim da po­si­ti­vi­da­de solar de­bil­men­te alon­ga­da por ex­plo­ra­das vo­gais e con­so­an­tes na­sais? Não cur­to Paul Aus­ter, ti­ra­mis­su, Wong Kar-Wai, Rio de Janeiro, “Ga­me of Th­ro­nes” e fes­ta de Ano-No­vo. Eu não es­ta­va mal, eu só não gos­to de vo­cê o su­fi­ci­en­te pra as­su­mir que es­tou bem o su­fi­ci­en­te pra sair de casa.

A Sa­ri­nha, lá do tra­ba­lho, tem 27 anos e jo­e­lhos que me no­cau­tei­am di­a­ri­a­men­te com a sua ju­ven­tu­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.