‹ De­si­gual­da­de pu­xa la­tro­cí­nio, diz go­ver­no

Folha De S.Paulo - - Cotidiano -

OUTRO LA­DO

De janeiro e agos­to de 2017, na ca­pi­tal de SP, nú­me­ro de ví­ti­mas avan­ça 34% e pas­sa de 68 pa­ra 91 ca­sos

O go­ver­no Ge­ral­do Alck­min (PSDB) afir­ma que a po­lí­cia pau­lis­ta tem atu­a­do pa­ra com­ba­ter cri­mes con­tra o pa­trimô­nio, que dão ori­gem aos ca­sos de la­tro­cí­nio. A Po­lí­cia Mi­li­tar, su­bor­di­na­da ao go­ver­no, diz que a le­gis­la­ção e a de­si­gual­da­de so­ci­al in­flu­en­ci­am nes­ses ca­sos.

Uma ação ci­ta­da pe­la ges­tão tu­ca­na co­mo bem su­ce­di­da é a lei dos des­man­ches, que tem co­mo ob­je­ti­vo coi­bir a ven­da de pe­ças rou­ba­das.

A Se­cre­ta­ria de Es­ta­do da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca diz que o nú­me­ro de la­tro­cí­ni­os caiu 12,5% em agos­to. No acu­mu­la­do en­tre janeiro e agos­to, po­rém, o nú­me­ro de ví­ti­mas des­te cri­me au­men­tou 34% na ci­da­de —de 68 no ano pas­sa­do pa­ra 91 no mes­mo pe­río­do des­te ano, se­gun­do es­ta­tís­ti­ca da se­cre­ta­ria. Já o nú­me­ro de ví­ti­mas de ho­mi­cí­di­os te­ve cur­va con­trá­ria nes­se in­ter­va­lo e che­gou a 497 —an­te 591 nos oi­to pri­mei­ros me­ses do

RO­DRI­GO CA­BRAL

Ca­pi­tão da Po­lí­cia Mi­li­tar ano pas­sa­do (la­tro­cí­ni­os não en­tram nes­sa con­ta da se­cre­ta­ria). A pas­ta afir­ma que os rou­bos se­gui­dos de mor­te caí­ram nos dis­tri­tos da zo­na les­te ci­ta­dos pe­la Fo­lha. O ca­pi­tão Ro­dri­go Ca­bral, da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al da PM, diz que os la­tro­cí­ni­os acom­pa­nham o ín­di­ce de rou­bos. “A zo­na les­te tem 34% da po­pu­la­ção, vai con­cen­trar 31% dos rou­bos e 41% dos la­tro­cí­ni­os”. DE­SI­GUAL­DA­DE Pa­ra ele, a de­si­gual­da­de so­ci­al na bor­da les­te da ci­da­de im­pul­si­o­na os cri­mes.

“Re­al­men­te, são ex­tre­mos so­ci­ais mui­to gran­des. Pes­so­as nu­ma con­di­ção des­fa­vo­rá­vel que con­vi­vem com pes­so­as abas­ta­das mui­to pró­xi­mas”, afir­ma o po­li­ci­al.

Ele também cul­pa a le­gis­la­ção atu­al do país: “Em 2016, 45 mil pes­so­as fo­ram de­ti­das pe­la Po­lí­cia Mi­li­tar. Por que elas não su­per­lo­tam as pri­sões? Por­que mui­tos des­ses 45 mil de­ti­dos fo­ram presos mais de uma vez”.

O ca­pi­tão afir­ma que es­ses cri­mi­no­sos rein­ci­den­tes po­dem aca­bar ma­tan­do al­guém em um rou­bo. “Vo­cê pe­ga um ca­ra rou­ban­do um dia, é pre­so. Ele é sol­to. Uma ho­ra po­de ser que acon­te­ça que es­se ca­ra ma­te num as­sal­to”.

Ca­bral afir­mou que a cor­po­ra­ção es­tá “mui­to pre­o­cu­pa­da” com o ín­di­ce de PMs mor­tos nes­te ti­po de cri­me, cau­sa­do pelo “re­cru­des­ci­men­to da cri­mi­na­li­da­de”. Se­gun­do ele, a mai­o­ria dos PMs também mo­ra na zo­na les­te.

A se­cre­ta­ria afir­ma que as de­le­ga­ci­as so­lu­ci­o­na­ram 27% dos cri­mes, sem ci­tar o pe­río­do. A pas­ta afir­ma que o DEIC (De­par­ta­men­to Es­ta­du­al de In­ves­ti­ga­ções Cri­mi­nais) es­tá in­ves­ti­gan­do as mor­tes do po­li­ci­al Mil­ton de Oliveira Fra­ga e do do­no de bar, José Re­gi­nal­do Bar­bo­sa.

rou­ban­do. Ele é sol­to. Uma ho­ra po­de ser ele ma­te num as­sal­to

A es­tu­dan­te Cín­tia Fra­ga, 23, fi­lha de po­li­ci­al mi­li­tar mor­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.