Ti­ra-dú­vi­das de gra­má­ti­ca aten­de de gra­ça por te­le­fo­ne e re­des so­ci­ais

Pro­fes­so­res e alu­nos tra­ba­lham há 22 anos em ini­ci­a­ti­va da uni­ver­si­da­de de Lon­dri­na

Folha De S.Paulo - - Cotidiano - WILHAN SANTIN CO­LA­BO­RA­ÇÃO PA­RA A EM LON­DRI­NA (PR)

Um pin­tor de le­trei­ros quer sa­ber a or­to­gra­fia cor­re­ta de uma pa­la­vra que vai es­cre­ver em uma pa­re­de. Já a fun­ci­o­ná­ria do TRT (Tri­bu­nal Re­gi­o­nal do Tra­ba­lho) tem uma dú­vi­da de con­cor­dân­cia no­mi­nal. A mo­ça que es­tu­da pa­ra con­cur­sos viu a pa­la­vra emeio, re­fe­rin­do-se a correio eletrônico, em um texto jor­na­lís­ti­co, e fi­cou in­tri­ga­da.

Todos es­sas pes­so­as en­tra­ram em con­ta­to com o Dis­que-Gra­má­ti­ca, um pro­je­to de ex­ten­são man­ti­do há 22 anos pe­la UEL (Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Lon­dri­na).

Du­as pro­fes­so­ras e cin­co es­tu­dan­tes de le­tras fa­zem plan­tão to­das as tar­des, de segunda a sexta, pa­ra aten­der a te­le­fo­ne­mas e res­pon­der a e-mails e men­sa­gens que che­gam por re­des so­ci­ais de pes­so­as que têm dú­vi­das gra­ma­ti­cais. São apro­xi­ma­da­men­te cem aten­di­men­tos por mês.

“Mui­tas ve­zes, as pes­so­as pro­cu­ram na in­ter­net e não en­con­tram res­pos­tas. Nós também não sa­be­mos tu­do, mas sa­be­mos on­de pro­cu­rar”, afir­mou a pro­fes­so­ra Cris­ti­na Va­lé­ria Bu­lhões Simon, co­or­de­na­do­ra do pro­je­to, cer­ca­da de di­ci­o­ná­ri­os e gra­má­ti­cas.

Uma das alu­nas que aten­dem no Dis­que-Gra­má­ti­ca, Na­tá­lia Mar­ques de Je­sus, 22, dis­se que os ami­gos cos­tu­mam es­tra­nhar seu tra­ba­lho.

“O pes­so­al uti­li­za bas­tan­te as re­des so­ci­ais e mui­tos não acham im­por­tan­te es­cre­ver cor­re­ta­men­te. Ou­tros pas- sam a achar que sou um dicionário am­bu­lan­te e co­me­çam a fa­zer vá­ri­as per­gun­tas. Meu pai, que é ven­de­dor, não es­cre­ve mais nada sem me con­sul­tar”, afir­mou a es­tu­dan­te.

Se­gun­do a pro­fes­so­ra, o cam­peão de dú­vi­das é o hí­fen, sobretudo de­pois da re­for­ma or­to­grá­fi­ca que co­me­çou a vi­go­rar em 2009. Con­cor­dân­cia fi­ca em se­gun­do lu­gar, se­gui­da por pon­tu­a­ção —com des­ta­que pa­ra a vír­gu­la— e acen­tu­a­ção, que tem a cra­se co­mo a vi­lã prin­ci­pal.

Mui­tos dos usuá­ri­os nem se iden­ti­fi­cam. Ou­tros pro­lon­gam o pa­po por te­le­fo­ne.

“São pro­fes­so­res, es­tu­dan­tes que es­tão es­cre­ven­do ar­ti­gos, jor­na­lis­tas, pu­bli­ci­tá­ri­os, ad­vo­ga­dos e pro­fis­si­o­nais que tra­ba­lham es­cre­ven­do, co­mo os que fa­zem con­vi­tes de ca­sa­men­to, fai­xas, le­trei­ros. Uns têm ver­go­nha e des­li­gam ra­pi­di­nho. Ou­tros agra­de­cem bas­tan­te”, dis­se a es­tu­dan­te Ana Cla­ra Anun­ci­a­ção, 18.

O ser­vi­ço é gra­tui­to, e as con­sul­tas po­dem ser fei­tas por pes­so­as de qual­quer lu­gar, do Bra­sil ou do ex­te­ri­or. Por te­le­fo­ne, as dú­vi­das são res­pon­di­das ime­di­a­ta­men­te. Se a res- pos­ta não es­ti­ver na pon­ta da lín­gua dos plan­to­nis­tas, eles re­tor­nam em até meia ho­ra pa­ra quem li­gou, des­de que o te­le­fo­ne se­ja fi­xo e de Lon­dri­na. Não po­dem li­gar pa­ra ce­lu­la­res ou fa­zer in­te­rur­ba­nos por nor­ma da uni­ver­si­da­de.

Por e-mail ou pe­las re­des so­ci­ais as res­pos­tas cos­tu­mam che­gar em dois dias, com ex­pli­ca­ções téc­ni­cas e re­fe­rên­ci­as bi­bli­o­grá­fi­cas. “O ser­vi­ço é gra­tui­to, mas nós ga­nha­mos mui­to, pois fi­ca­mos sa­ben­do quais são as dú­vi­das re­ais da po­pu­la­ção e as es­tu­da­mos. As­sim, tor­na­mo-nos me­lho­res”, dis­se a pro­fes­so­ra.

Pa­ra quem pre­za por es­cre­ver ou pro­nun­ci­ar as pa­la­vras cor­re­ta­men­te, ter um es­pe­ci­a­lis­ta de plan­tão é mui­to útil. “Mui­tas ve­zes bus­co em li­vros, di­ci­o­ná­ri­os, in­ter­net e não con­si­go che­gar a uma con­clu­são so­bre co­mo mon­tar cor­re­ta­men­te uma fra­se. Daí, só pe­din­do so­cor­ro pa­ra eles”, afir­mou Neu­sa Ma­ria Ca­bre­ra, ser­vi­do­ra do TRT.

O Dis­que-Gra­má­ti­ca co­me­çou com o pro­fes­sor Jo­a­quim Car­va­lho da Silva, que era cons­tan­te­men­te re­qui­si­ta­do pa­ra ti­rar dú­vi­das e re­sol­veu mon­tar o plan­tão gra­ma­ti­cal.

Pa­ra en­trar em con­ta­to, o te­le­fo­ne é (43) 3371-4619. O aten­di­men­to é das 14h às 18h. Dú­vi­das também po­dem ser en­vi­a­das pa­ra o e-mail dis­que-gra­ma­ti­ca@uel.br.

A pro­pó­si­to, emeio não es­ta­rá er­ra­do. O Volp (Vo­ca­bu­lá­rio Or­to­grá­fi­co da Lín­gua Por­tu­gue­sa), da ABL (Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Le­tras), re­gis­tra a pa­la­vra as­sim, co­mo a fa­la­mos em por­tu­guês.

Wilhan Santin/Folhapress

A pro­fes­so­ra Cris­ti­na Va­lé­ria Bu­lhões Simon (à dir.) e a alu­na Na­tá­lia Mar­ques de Je­sus aten­dem no plan­tão de dú­vi­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.