Po­lí­ti­cos ig­no­ram ci­en­tis­tas, diz es­tu­do

Ar­gu­men­tos de es­pe­ci­a­lis­tas e pes­qui­sas não são uti­li­za­dos pelo Con­gres­so bra­si­lei­ro nas to­ma­das de de­ci­são

Folha De S.Paulo - - Ciência+saúde - DANIEL BU­AR­QUE CO­LA­BO­RA­ÇÃO PA­RA A FO­LHA, EM LON­DRES

Au­to­ra do tra­ba­lho ci­ta a dis­cus­são re­cen­te so­bre a ex­tin­ção da Ren­ca, ‘que não te­ve nada de ci­ên­cia’

Ape­sar da mo­bi­li­za­ção de pes­qui­sa­do­res e es­tu­dan­tes bra­si­lei­ros con­tra os cor­tes no or­ça­men­to da ci­ên­cia do país, co­mo na mar­cha re­a­li­za­da no domingo (8) em São Paulo, a pres­são po­de não in­flu­en­ci­ar mui­to as de­ci­sões po­lí­ti­cas do go­ver­no de Mi­chel Te­mer.

Se­gun­do uma pes­qui­sa re­a­li­za­da na Lon­don Scho­ol of Eco­no­mics (LSE), no Rei­no Uni­do, ci­en­tis­tas cos­tu­mam ter pou­ca voz no pro­ces­so de for­mu­la­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas no país.

“O uso dos ar­gu­men­tos ci­en­tí­fi­cos é mui­to su­per­fi­ci­al na po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra”, ex­pli­cou à Fo­lha a pro­fes­so­ra de ci­ên­cia po­lí­ti­ca da LSE Fla­via Do­na­del­li, bra­si­lei­ra que se mu­dou pa­ra Lon­dres em 2011. Ela é au­to­ra da pes­qui­sa que apon­ta, en­tre ou­tros acha­dos, a bai­xa re­le­vân­cia de es­tu­dos aca­dê­mi­cos e ci­en­tí­fi­cos pa­ra a po­lí­ti­ca no Bra­sil.

Em­bo­ra ci­en­tis­tas com frequên­cia pro­du­zam es­tu­dos, pu­bli­quem ar­gu­men­tos e par­ti­ci­pem de de­ba­tes pú­bli­cos so­bre po­lí­ti­cas, seus ar­gu­men­tos não são usa­dos em Brasília.

“A de­ci­são po­lí­ti­ca não pre­ci­sa ser ba­se­a­da em ci­ên­cia no Bra­sil. Nin­guém pe­de ci­ên­cia. Não é uma fon­te de cre­di­bi­li­da­de e le­gi­ti­mi­da­de de de­ci­sões po­lí­ti­cas. A so­ci­e­da­de não exi­ge isso”, dis­se.

A pes­qui­sa de dou­to­ra­do de Do­na­del­li, de­fen­di­da na LSE, ava­li­ou dez anos de dis­cus­sões e to­ma­das de de­ci­sões de po­lí­ti­cas am­bi­en­tais no Bra­sil. O le­van­ta­men­to in­di­cou que há pou­co acor­do ne­go­ci­a­do e apren­di­za­do no pro­ces­so de to­ma­da de de­ci­sões no Con­gres­so, e que a ci­ên­cia é dei­xa­da de fo­ra da po­lí­ti­ca.

“Uma das mi­nhas per­gun­tas era se as ci­ên­ci­as bi­o­ló­gi­cas e exa­tas con­tri­bu­em pa­ra o pro­ces­so de for­ma­ção de Uma

FLA­VIA DO­NA­DEL­LI

Pes­qui­sa­do­ra bra­si­lei­ra da Lon­don Scho­ol of Eco­no­mics po­lí­ti­cas. Pro­cu­rei en­ten­der o im­pac­to da ci­ên­cia”, ex­pli­cou a pes­qui­sa­do­ra.

“Fo­ra do Bra­sil exis­te mui­ta in­ter­lo­cu­ção en­tre ci­ên­cia e po­lí­ti­ca na for­mu­la­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas. Quis sa­ber co­mo era isso no Bra­sil.”

O tra­ba­lho de Do­na­del­li ava­li­ou mu­dan­ças nas po­lí­ti­cas am­bi­en­tais bra­si­lei­ras em três áre­as: o có­di­go flo­res­tal, a lei de aces­so a re­cur­sos ge­né­ti­cos e as mu­dan­ças nas re­gras de im­por­ta­ção de pes­ti­ci­das e agro­tó­xi­cos.

Se­gun­do ela, as áre­as ana­li­sa­das em sua pes­qui­sa têm gran­de in­te­ra­ção com ci­ên­cia e te­o­ri­ca­men­te bió­lo­gos, ecó­lo­gos, mé­di­cos, fí­si­cos e quí­mi­cos te­ri­am mui­to a di­zer so­bre os te­mas. Eles até pro­du­zi­ram es­tu­dos so­bre as re­gu­la­ções, mas não fo­ram ou­vi­dos.

“Pe­la aná­li­se dos de­ba­tes no Con­gres­so, ava­li­a­ção de 343 do­cu­men­tos e de acor­do com as 58 en­tre­vis­tas que fiz, não achei pra­ti­ca­men­te ne­nhu­ma re­fe­rên­cia a ar­gu­men­tos ci­en­tí­fi­cos no pro­ces­so de for­mu­la­ção e de­fi­ni­ção das po­lí­ti­cas”, ex­pli­cou.

Pa­ra ela, se ar­gu­men­tos ci­en­tí­fi­cos ti­ves­sem si­do in­cor­po­ra­dos ao de­ba­te nas três ques­tões que ana­li­sou, o re­sul­ta­do po­lí­ti­co te­ria si­do outro. “As pes­qui­sas pa­ra o có­di­go flo­res­tal eram mui­to cla­ras so­bre pro­te­ção de áre­as de pre­ser­va­ção, o que da­ria uma de­ci­são to­tal­men­te di­fe­ren­te”, dis­se.

Ape­sar de en­fo­car es­pe­ci­fi­ca­men­te ques­tões am­bi­en­tais no pe­río­do de 2005 a 2015, o es­tu­do aju­da a en­ten­der o pro­ces­so por trás de vá­ri­as ou­tras dis­cus­sões po­lí­ti­cas no Bra­sil, se­gun­do a pes­qui­sa­do­ra.

“Isso é um per­fil ge­ne­ra­li­za­do em ou­tras áre­as da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra. Se nas ques­tões que es­tu­dei, que são to­tal­men­te téc­ni­cas, não hou­ve con­tri­bui­ção da ci­ên­cia, em ou­tras áre­as também não exis­te”, dis­se a pro­fes­so­ra.

Ela ci­tou o re­cen­te de­ba­te so­bre a Ren­ca (Re­ser­va Na­ci­o­nal do Co­bre e As­so­ci­a­dos, IDEM que “não te­ve nada de ci­ên­cia na dis­cus­são”.

A fal­ta de for­ça da ci­ên­cia na po­lí­ti­ca po­de ser com­pa­ra­da ain­da ao que acon­te­ce nos Es­ta­dos Uni­dos sob a pre­si­dên­cia de Do­nald Trump, que de­ci­diu re­ti­rar o país do Acor­do de Pa­ris, ex­pli­cou. Mas a si­tu­a­ção bra­si­lei­ra é ain­da pi­or.

“São si­tu­a­ções em que a ci­ên­cia não con­ta. Nos EUA é mais uma ques­tão de ma­ni­pu­la­ção. Até há uma acei­ta­ção da ci­ên­cia, mas al­guns es­tu­dos le­gi­ti­mam ci­en­ti­fi­ca­men­te o ar­gu­men­to con­tra a mu­dan­ça cli­má­ti­ca. No Bra­sil não há nem isso. A ci­ên­cia não é nem se­quer ma­ni­pu­la­da.”

Pa­ra ela, o pro­ble­ma é que não há uma cul­tu­ra de in­te­ra­ção en­tre a for­mu­la­ção de po­lí­ti­cas e pro­je­tos e o uso do co­nhe­ci­men­to aca­dê­mi­co.

“Exis­te pou­ca in­te­ra­ção em com­pa­ra­ção com o que ve­jo no Rei­no Uni­do. No Bra­sil, aca­dê­mi­cos mui­tas ve­zes não são nem cha­ma­dos a par­ti­ci­par do de­ba­te. Exis­te uma se­pa­ra­ção mai­or en­tre aca­de­mia e po­lí­ti­ca, in­fe­liz­men­te.”

Se­gun­do Do­na­del­li, no ca­so es­pe­cí­fi­co das re­gu­la­ções am­bi­en­tais, a ci­ên­cia é dei­xa­da de la­do por con­ta do pre­do­mí­nio do in­te­res­se de gru­pos com for­ça econô­mi­ca.

“Mi­nha aná­li­se mos­trou que quem pe­sa é a for­ça do agro­ne­gó­cio”, ex­pli­cou.

Se­gun­do sua pes­qui­sa, o nú­me­ro de de­pu­ta­dos da ban­ca­da ru­ra­lis­ta au­men­tou de 111 pa­ra 160 nos dez anos ana­li­sa­dos. Gru­pos de in­te­res­se e am­bi­en­ta­lis­tas ten­ta­ram ar­gu­men­tar, se opor às mu­dan­ças, mas não fo­ram ou­vi­dos.

“As de­ci­sões fo­ram em­pur­ra­das por mai­o­ria, no vo­to, sem bus­ca por con­sen­so. Não che­ga a ser an­ti­de­mo­crá­ti­co, mas co­mo a ban­ca­da ru­ra­lis­ta era mai­o­ria, pas­sa­va com a for­ça de vo­to di­re­to e con­se­guia o que que­ria. É o ris­co da de­mo­cra­cia co­mo ditadura da mai­o­ria.”

das mi­nhas per­gun­tas era se a ci­ên­cia con­tri­bui pa­ra a for­mu­la­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas. Fo­ra do Bra­sil exis­te mui­ta in­ter­lo­cu­ção en­tre ci­ên­cia e po­lí­ti­ca. Quis sa­ber co­mo era isso no Bra­sil. “dos de­ba­tes no Con­gres­so, ava­li­a­ção de 343 do­cu­men­tos e as 58 en­tre­vis­tas que fiz, não achei pra­ti­ca­men­te ne­nhu­ma re­fe­rên­cia a ar­gu­men­tos ci­en­tí­fi­cos no pro­ces­so de for­mu­la­ção das po­lí­ti­cas.

La­lo de Almeida/Folhapress

Flo­res­ta Es­ta­du­al do Pa­ru (PA), parte da Ren­ca; ex­tin­ção da re­ser­va pro­vo­cou dis­cus­são en­tre go­ver­no e am­bi­en­ta­lis­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.