Tu­mor ra­ro no co­ra­ção em hos­pi­tal de SP im­pres­si­o­na mé­di­cos

Folha De S.Paulo - - Ciência+saúde - CHI­CO FELITTI

FO­LHA

Foi co­mo um epi­só­dio da sé­rie “House”, em que um mé­di­co ame­ri­ca­no se de­pa­ra com as do­en­ças mais im­pro­vá­veis, co­men­tam três dou­to­res no cor­re­dor do Hos­pi­tal do Co­ra­ção pau­lis­ta­no.

O pa­ci­en­te che­gou pelo pron­to-so­cor­ro du­as se­ma­nas atrás com do­res ab­do­mi­nais e fal­ta de ar, e fez al­guns exa­mes. Co­me­ça­ram os tes­tes e as hi­pó­te­ses de di­ag­nós­ti­co: apen­di­ci­te, obs­tru­ção in­tes­ti­nal, in­su­fi­ci­ên­cia car­día­ca.

Até que um exa­me de ima­gem ex­pli­ci­tou uma man­cha trans­lú­ci­da den­tro do co­ra­ção. Bin­go. Era um mi­xo­ma, tu­mor be­nig­no que nas­ce em uma das câ­ma­ras car­día­cas su­pe­ri­o­res.

“Eu fi­quei até de­pois do meu ho­rá­rio de plan­tão pa­ra acom­pa­nhar a vi­si­ta”, diz um re­si­den­te do HCor que pe­de pa­ra não ser iden­ti­fi­ca­do, por­que o hos­pi­tal não co­men­ta ca­sos es­pe­cí­fi­cos. “Nun­ca ti­nha vis­to es­sa do­en­ça fo­ra dos li­vros da fa­cul­da­de, e ela es­ta­va ali, na mi­nha fren­te.”

Es­se tu­mor de co­ra­ção é ra­ro. “Nem pas­sa pe­la ca­be­ça da gen­te que um pro­ble­ma car­día­co se­ja um tu­mor. Não é o pri­mei­ro di­ag­nós­ti­co”, diz o ci­rur­gião car­día­co Enio Buf­fo­lo, do HCor, que em cin­co dé­ca­das de clí­ni­ca se de­pa­rou com de­ze­nas de ca­sos da do­en­ça, que ge­ral­men­te é tra­ta­da com uma ope­ra­ção.

“Uma das pri­mei­ras ci­rur­gi­as de co­ra­ção que fiz foi em 1969, quan­do re­ti­rei o mi­xo­ma do co­ra­ção de uma vi­zi­nha. Ela ain­da es­tá vi­va.”

O mi­xo­ma cor­res­pon­de a 80% das cé­lu­las anor­mais que apa­re­cem no co­ra­ção, que por sua vez são 0,04% das ne­o­pla­si­as ,apon­ta um es­tu­do da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da USP. Pes­qui­sas não apon­tam fa­to­res de ris­co (en­tre os mais co­muns es­tão o fu­mo e ali­men­ta­ção in­cor­re­ta) pa­ra a do­en­ça, que é con­si­de­ra­da de fun­do ge­né­ti­co.

“É di­fí­cil ar­re­gi­men­tar um gru­po gran­de o su­fi­ci­en­te pa­ra pes­qui­sar se há um fa­tor em co­mum en­tre eles”, diz Jef­fer­son Luiz Gross, di­re­tor de Pul­mão e Tó­rax do hos­pi­tal A.C. Ca­mar­go, que te­ve con­ta­to com um ou dois ca­sos nos úl­ti­mos 20 anos de clí­ni­ca.

Se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas, 80% des­ses tu­mo­res que nas­cem no co­ra­ção são be­nig­nos.

“Es­ses tu­mo­res são ra­ros, e a mai­o­ria de­les é as­sin­to­má­ti­ca. Às ve­zes vo­cê des­co­bre por aca­so, em um exa­me”, diz Ro­ber­to Ka­lil, pre­si­den­te do In­cor (Ins­ti­tu­to do Co­ra­ção do Hos­pi­tal das Clí­ni­cas da USP).

Em um es­tu­do con­du­zi­do com as ba­ses de da­dos da Uni­fesp, de 42 mil do­en­tes do co­ra­ção, fo­ram en­con­tra­dos tu­mo­res den­tro dos ór­gãos de 136 pes­so­as.

Mais ra­ros ain­da são tu­mo­res ma­lig­nos, co­mo fi­bro­mas e rab­do­mi­o­mas. “Na mi­nha vi­da eu de­vo ter vis­to oi­to, dez ca­sos, com o prog­nós­ti­co mui­to ruim”, diz o car­di­o­lo­gis­ta Buf­fo­lo.

Ou­tra pos­si­bi­li­da­de é que o cân­cer te­nha nas­ci­do em outro ór­gão, co­mo ma­ma ou pul­mão, e se dis­se­mi­na­do pa­ra o co­ra­ção.

As me­tás­ta­ses que che­gam ao ór­gão acon­te­cem até 30 ve­zes mais do que os tu­mo­res pri­má­ri­os, que nas­cem no co­ra­ção, e exi­gem um tra­ta­men­to mais com­ple­xo.

Não foi o que acon­te­ceu no HCor. O ca­so que cau­sou co­mo­ção no hos­pi­tal es­te mês se re­sol­veu com uma ope­ra­ção.

Reprodução/”Cir­cu­la­ti­on”

Exa­mes de ima­gem mos­tram ca­so re­la­ta­do na li­te­ra­tu­ra mé­di­ca de um mi­xo­ma; à dir. e ao cen­tro, an­tes de a ci­rur­gia acon­te­cer; à es­quer­da, em con­di­ção nor­mal após o pro­ce­di­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.