As­sé­di­os em sé­rie

Folha De S.Paulo - - Opinião -

SÃO PAU­LO - De­pois do ca­so Weins­tein, de­nún­ci­as con­tra pro­du­to­res, ato­res, po­lí­ti­cos, jor­na­lis­tas, trei­na­do­res e co­zi­nhei­ros por as­sé­dio se­xu­al ga­nha­ram pro­por­ções epi­dê­mi­cas nos EUA. Não há se­ma­na sem que novos no­mes en­trem pa­ra a lis­ta, que já in­clui pe­sos-pe­sa­dos co­mo Dus­tin Hoff­man, Ben Af­fleck, Oli­ver Sto­ne e Ge­or­ge Bush pai.

O que es­tá acon­te­cen­do? Vá­ri­as coi­sas ao mes­mo tem­po. Pa­ra co­me­çar, ví­ti­mas es­tão se sen­tin­do seguras pa­ra fa­lar, o que é po­si­ti­vo. E o sim­ples fa­to de uma vir a pú­bli­co e fa­zer acu­sa­ções já es­ti­mu­la ou­tras a imi­ta­rem-na, o que aju­da a ex­pli­car o vo­lu­me e a con­cen­tra­ção tem­po­ral das de­nún­ci­as. Ou­tro pon­to im­por­tan­te é que es­ta­mos co­lo­can­do coi­sas de­mais sob a ru­bri­ca “as­sé­dio”. As acu­sa­ções, afi­nal, in­clu­em des­de es­tu­pro de me­nor, um cri­me gra­ve em qual­quer lu­gar do mun­do, até can­ta­das in­sis­ten­tes, que po­dem ser clas­si­fi­ca­das co­mo comportamento ina­pro­pri­a­do, mas não co­mo de­li­to.

Pa­ra pi­o­rar o qua­dro, os acu­sa- dos aqui são sem­pre pes­so­as em po­si­ção de po­der, o que afe­ta sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te a in­ter­pre­ta­ção das si­tu­a­ções. O que, na vi­são do per­pe­tra­dor, po­de­ria ser ape­nas um con­vi­te de boa fé po­de ser per­ce­bi­do pe­la ví­ti­ma co­mo uma de­ci­são en­tre ce­der e con­ser­var o em­pre­go ou re­sis­tir e per­dê-lo.

Há du­as for­mas de re­sol­ver is­so. Uma, que es­tá se tor­nan­do po­pu­lar nos EUA, é sim­ples­men­te proi­bir pes­so­as em po­si­ção de po­der de en­vol­ver-se se­xu­al e ro­man­ti­ca­men­te com qu­em se en­con­tre mais abai­xo na hi­e­rar­quia. Vá­ri­as uni­ver­si­da­des e em­pre­sas fa­zem is­so. O pro­ble­ma des­sa so­lu­ção é que ela é for­te de­mais e ve­da re­la­ci­o­na­men­tos mes­mo quan­do de­se­ja­dos pe­las du­as par­tes.

A ou­tra, que me pa­re­ce pre­fe­rí­vel, é apostar no po­der da lin­gua­gem e da au­to­no­mia in­di­vi­du­al, que ra­ra­men­te é ze­ro. Avan­ços são per­mi­ti­dos até o pon­to em que uma das par­tes diz “não”. É a par­tir des­sa li­nha que a in­sis­tên­cia se con­ver­te em fal­ta. É o bom e ve­lho “não é não”. he­lio@uol.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.