Mi­nis­tro do STF re­jei­ta de­la­ção e ques­ti­o­na PGR

Pa­ra Ri­car­do Lewan­dows­ki, acor­do de Re­na­to Pe­rei­ra é be­né­fi­co de­mais a ele

Folha De S.Paulo - - Poder - LE­TÍ­CIA CA­SA­DO

Mi­nis­tro tam­bém acu­sou o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de in­va­dir as com­pe­tên­ci­as da Jus­ti­ça ao su­ge­rir as pe­nas

O mi­nis­tro Ri­car­do Lewan­dows­ki, do STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral), de­vol­veu a de­la­ção pre­mi­a­da do mar­que­tei­ro Re­na­to Pe­rei­ra, que tra­ba­lhou pa­ra o PMDB, pa­ra que a PGR (Pro­cu­ra­do­ri­aGe­ral da Re­pú­bli­ca) fa­ça ajus­tes nos be­ne­fí­ci­os con­ce­di­dos ao co­la­bo­ra­dor.

Pa­ra o ma­gis­tra­do, os ter­mos fe­cha­dos pe­la Pro­cu­ra­do­ria fo­ram de­ma­si­a­da­men­te be­né­fi­cos ao de­la­tor.

Na ava­li­a­ção de Lewan­dows­ki, al­gu­mas cláu­su­las do acor­do che­gam a ser in­cons­ti­tu­ci­o­nais.

Ele des­ta­ca que o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co não po­de agir co­mo o Po­der Ju­di­ciá­rio e que ca­be ape­nas a um juiz es­ta­be­le­cer pe­na ao réu.

O mi­nis­tro foi um dos crí­ti­cos dos be­ne­fí­ci­os con­ce­di­dos pe­lo co­le­ga Ed­son Fa­chin aos de­la­to­res da JBS, acor­do al­vo de po­lê­mi­ca. Du­ran­te jul­ga­men­to so­bre ques­tões re­la­ti­vas à co­la­bo­ra­ção, em ju­nho, Lewan­dows­ki de­fen­deu que a le­ga­li­da­de dos acor­dos de­ve­ria ser ana­li­sa- da em um sen­ti­do “am­plo”.

A de­la­ção de Pe­rei­ra foi fe­cha­da pe­lo ex-vi­ce-pro­cu­ra­dor-ge­ral Jo­sé Bonifácio, que tra­ba­lha­va jun­to com Ro­dri­go Ja­not, e que dei­xou a PGR em se­tem­bro des­te ano.

Em sua de­la­ção, Pe­rei­ra re­la­tou oi­to ca­sos que se­ri­am de cor­rup­ção. A Pro­cu­ra­do­ria con­ce­deu per­dão em to­dos, “à ex­ce­ção da­que­les pra­ti­ca­dos por oca­sião da cam­pa­nha elei­to­ral pa­ra o go­ver­no do Rio no ano de 2014”.

Co­mo pu­ni­ção de­cor­ren­te do es­que­ma de cai­xa dois em 2014, a Pro­cu­ra­do­ria con­cor­dou que Pe­rei­ra de­ve­ria pa­gar R$ 1,5 mi­lhão co­mo mul­ta em até 18 me­ses.

O va­lor foi con­si­de­ra­do bai­xo por Lewan­dows­ki. Pa­ra ele, ca­be ape­nas ao Ju­di­ciá­rio “apre­ci­ar se o mon­tan­te es­ti­ma­do é o su­fi­ci­en­te pa­ra a in­de­ni­za­ção dos da­nos cau­sa­dos pe­la in­fra­ção, con­si­de­ra­dos os pre­juí­zos so­fri­dos pe­lo ofen­di­do [erá­rio e po­vo bra­si­lei­ro]”. PE­NAS A ges­tão Ja­not propôs pe­na uni­fi­ca­da de qu­a­tro anos de re­clu­são, sen­do que o pri­mei­ro ano se­ria de re­co­lhi­men­to do­mi­ci­li­ar no­tur­no por um ano, das 20h às 6h. Nos ou­tros três anos, Pe­rei­ra de­ve­ria pres­tar 20 ho­ras se­ma­nais de ser­vi­ço co­mu­ni­tá­rio.

Du­ran­te o pe­río­do ele po­de­ria vi­a­jar pa­ra o Bra­sil e pa- ra o ex­te­ri­or, a tra­ba­lho ou pa­ra vi­si­tar pa­ren­tes.

O mi­nis­tro Lewan­dows­ki des­ta­ca que a Lei de Exe­cu­ção Penal per­mi­te a saí­da da pri­são pa­ra vi­a­jar ape­nas “em ca­so de fa­le­ci­men­to ou do­en­ça gra­ve”.

“Ini­ci­al­men­te ob­ser­vo que não é li­ci­to às par­tes con­tra­tan­tes fi­xar, em subs­ti­tui­ção ao Po­der Ju­di­ciá­rio e de for­ma an­te­ci­pa­da, a pe­na pri­va­ti­va de li­ber­da­de e o per­dão de cri­mes ao co­la­bo­ra­dor”, es­cre­veu o mi­nis­tro.

“O Po­der Ju­di­ciá­rio de­tém, por for­ça de dis­po­si­ção cons­ti­tu­ci­o­nal, o mo­no­pó­lio da ju­ris­di­ção, sen­do cer­to que, so­men­te por meio da sen­ten­ça penal con­de­na­tó­ria pro­fe­ri­da por ma­gis­tra­do com­pe­ten­te afi­gu­ra-se pos­sí­vel fi­xar ou per­do­ar pe­na pri­va­ti­va de li­ber­da­de”, afir­mou Lewan­dows­ki.

Além dis­so, a Pro­cu­ra­do­ria acer­tou com o de­la­tor que os pra­zos de pres­cri­ção co­me­ça­ri­am a va­ler ape­nas da­qui a dez anos.

A sus­pen­são dos pra­zos pres­cri­ci­o­nais não es­tá pre­vis­ta no Có­di­go de Pro­ces­so Penal.

“Va­li­dar tal as­pec­to do acor­do cor­res­pon­de­ria a per­mi­tir ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co atu­ar co­mo legislador. Em ou­tras palavras, se­ria per­mi­tir que o ór­gão acu­sa­dor pu­des­se es­ta­be­le­cer, an­te­ci­pa­da­men­te ao acu­sa­do, san­ções cri­mi­nais não pre­vis­tas em nos­so or­de­na­men­to ju­rí­di­co”, diz a de­ci­são do mi­nis­tro.

O mar­que­tei­ro ci­tou su­pos­tas ile­ga­li­da­des en­vol­ven­do a se­na­do­ra Mar­ta Su­plicy (PMDB-SP). Por is­so, a de­la­ção fi­cou atre­la­da ao Su­pre­mo, fo­ro de se­na­do­res.

Pe­rei­ra fa­lou ain­da so­bre su­pos­tos es­que­mas nas cam­pa­nhas po­lí­ti­cas do PMDB do Rio de 2010 a 2016, in­cluin­do a do atu­al go­ver­na­dor Luiz Fer­nan­do Pe­zão.

Ele ci­tou su­pos­tas ir­re­gu­la­ri­da­des em li­ci­ta­ções do go­ver­no do Rio e de pre­fei­tu­ras. SI­GI­LO Em no­ta, a atu­al ges­tão da PGR in­for­mou que as cláu­su­las da de­la­ção “se­rão ana­li­sa­das com critério pa­ra sa­ber o que po­de ser fei­to” e que é “al­go nor­mal fa­zer ques­ti­o­na­men­tos co­mo es­ses”.

Lewan­dows­ki tam­bém de­ter­mi­nou a sus­pen­são do si­gi­lo e a apu­ra­ção de va­za­men­to do con­teú­do da de­la­ção.

A PGR in­for­mou que, no seu en­ten­di­men­to, o si­gi­lo só de­ve ser sus­pen­so com o re­ce­bi­men­to da de­nún­cia —con­for­me pre­vê a le­gis­la­ção— ou quan­do não re­pre­sen­tar ris­co à in­ves­ti­ga­ção. “E se­rá sob es­sa óti­ca que a de­ci­são do mi­nis­tro se­rá ana­li­sa­da pe­los pro­cu­ra­do­res”, diz a PGR.

A Fo­lha não con­se­gui con­ta­to com as as­ses­so­ri­as de Mar­ta e Pe­zão.

O mi­nis­tro do STF Ri­car­do Lewan­dows­ki, que nes­ta ter­ça (14) de­vol­veu de­la­ção de mar­que­tei­ro pa­ra a Pro­cu­ra­do­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.