Pa­ra an­gli­ca­nos, cri­an­ças de­vem ex­plo­rar iden­ti­da­de de gê­ne­ro

Folha De S.Paulo - - Mundo - ESTELITA HASS CARAZZAI NEL­SON DE SÁ

“O ódio não tem mo­ra­da aqui”, as­se­gu­ra o car­taz fi­xa­do em fren­te à ca­sa de ti­jo­li­nhos à vis­ta, na ci­da­de de Ale­xan­dria, no Es­ta­do da Vir­gí­nia.

A men­sa­gem é uma en­tre cen­te­nas de ou­tras pe­las ru­as da ci­da­de his­tó­ri­ca —vi­zi­nha à ca­pi­tal ame­ri­ca­na Washing­ton, aon­de se che­ga de me­trô em meia ho­ra.

“Nós so­mos uma vi­zi­nhan­ça aco­lhe­do­ra. Abra­ça­mos to­do mun­do”, afir­ma o professor Ro­nald Rigby, 82, que co­lo­cou dois car­ta­zes em seu jar­dim.

Fo­ram su­búr­bi­os co­mo Ale­xan­dria, de clas­se mé­dia al­ta e si­tu­a­dos às mar­gens de gran­des me­tró­po­les ame­ri­ca­nas, que cri­a­ram uma “on­da de­mo­cra­ta” na se­ma­na pas­sa­da, na pri­mei­ra elei­ção des­de a vi­tó­ria de Do­nald Trump.

Eles fo­ram es­sen­ci­ais pa­ra ele­ger can­di­da­tos de múl­ti­pla re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de, co­mo uma de­pu­ta­da trans­gê­ne­ro na Vir­gí­nia, um pre­fei­to sikh em No­va Jer­sey e um re­fu­gi­a­do da Li­bé­ria em Mon­ta­na.

“Es­sa elei­ção de­mons­trou, em es­ca­la na­ci­o­nal, que a dis­cri­mi­na­ção de­ve ser des­qua­li­fi­ca­da”, de­cla­rou Da­ni­ca Ro­em, 33, a de­pu­ta­da trans elei­ta, em um pro­nun­ci­a­men­to após a vi­tó­ria.

A cam­pa­nha de­la foi es­pe­ci­al­men­te em­ble­má­ti­ca, já que a dis­pu­ta pe­la va­ga a opu­nha a um de­pu­ta­do re­pu­bli­ca­no em seu 14º man­da­to, que propôs uma lei pa­ra bar­rar o uso de ba­nhei­ros em es­co­las pú­bli­cas por alu­nos trans­gê­ne­ros.

“Aju­de-me a pro­te­ger os va­lo­res con­ser­va­do­res na Vir­gí­nia”, con­cla­ma­va, em pan­fle­tos, o can­di­da­to Bob Marshall, 73.

“É um mo­men­to de or­gu­lho in­dis­cu­tí­vel, um mar­co no per­cur­so ru­mo à igual­da­de”, diz Aisha Mo­o­die-Mills, pre­si­den­te da or­ga­ni­za­ção Vic­tory Fund, que pro­mo­ve e ar­re­ca­da re­cur­sos pa­ra can­di­da­tu­ras LGBT. “São can­di­da­tos que apre­sen­ta­ram bo- as pro­pos­tas e fa­la­ram so­bre o que in­te­res­sa ao ci­da­dão, mas que tam­bém trans­mi­tem uma men­sa­gem im­por­tan­te pa­ra o país.”

“A ques­tão não é a ra­ça, não é a na­ci­o­na­li­da­de. O que os ame­ri­ca­nos que­rem são bons can­di­da­tos”, dis­se após a vo­ta­ção Wil­mot Col­lins, 54, pre­fei­to elei­to de He­le­na, que é na­tu­ral da Li­bé­ria e re­fu­gi­a­do nos Es­ta­dos Uni­dos há 23 anos. ANTITRUMPISMO Em­bo­ra con­si­de­rem que fa­to­res lo­cais fo­ram de­ter­mi­nan­tes pa­ra sua elei­ção, os can­di­da­tos ad­mi­tem que o sen­ti­men­to an­ti-Trump aju­dou a im­pul­si­o­nar o vo­to nas mi­no­ri­as.

A apro­va­ção ao pre­si­den­te é me­nor en­tre mu­lhe­res, ne­gros e jo­vens: não pas­sa de 31% no pú­bli­co fe­mi­ni­no e em­pa­ca nos 8% en­tre ne­gros. A mé­dia na­ci­o­nal é de 38%, se­gun­do le­van­ta­men­to do ins­ti­tu­to Gal­lup.

En­tre as re­giões do país, é no Sul que o pre­si­den­te go­za de sua mai­or apro­va­ção (43%). Mas a on­da de­mo­cra­ta foi sen­ti­da mes­mo em Es­ta­dos tra­di­ci­o­nal­men­te ali­nha­dos aos re­pu­bli­ca­nos, co­mo o Kan­sas, que ele­geu uma mãe sol­tei­ra, de­mo­cra­ta e his­pâ­ni­ca pa­ra a li­de­ran­ça de sua ca­pi­tal, To­pe­ka.

“Yes, you can” (sim, vo­cê po­de), afir­mou em pro­nun­ci­a­men­to a vi­to­ri­o­sa Mi­chel­le de La Is­la, 41, pa­ra­fra­se­an­do o fa­mo­so bor­dão de cam­pa­nha de Ba­rack Oba­ma —“sim, nós po­de­mos”.

São de mu­lhe­res al­gu­mas das vi­tó­ri­as mais re­pre­sen­ta­ti­vas do úl­ti­mo plei­to: a ci­da­de de Char­lot­te, na Ca­ro­li­na do Nor­te, ele­geu sua pri- mei­ra pre­fei­ta ne­gra; e em Se­at­tle, foi elei­ta uma go­ver­nan­te lés­bi­ca.

O que não quer di­zer que os re­sul­ta­dos pos­sam ser li­dos co­mo si­nais de uma de­sa­pro­va­ção ma­ci­ça a Trump.

“Boa par­te do país apoia o pre­si­den­te, es­pe­ci­al­men­te em áre­as ru­rais, de mai­o­ria bran­ca e de ope­rá­ri­os”, es­cre­ve­ram em um ar­ti­go os pes­qui­sa­do­res Ky­le Kon­dik e Ge­of­frey Skel­ley, da Uni­ver­si­da­de da Vir­gí­nia.

Pa­ra eles, o re­sul­ta­do de­ve ser en­ten­di­do co­mo cí­cli­co: his­to­ri­ca­men­te, nos anos sub­se­quen­tes à elei­ção pre­si­den­ci­al, o par­ti­do no po­der so­fre um re­vés nas elei­ções lo­cais. O mes­mo acon­te­ceu com Oba­ma e Ge­or­ge W. Bush, por exem­plo.

“O par­ti­do pa­ga um pre­ço por es­tar na Ca­sa Bran­ca”, di­zem. “O que es­ses re­sul­ta­dos si­na­li­zam é uma re­pri­men­da ao pre­si­den­te e ao trum­pis­mo em ge­ral.” SAU­DA­DES DE HIL­LARY Em Ale­xan­dria, es­se sen­ti­men­to é pal­pá­vel: car­ta­zes nos jar­dins saú­dam imi­gran­tes e fa­zem crí­ti­cas ao pre­si­den­te. Al­guns ain­da man­têm pôs­te­res da de­mo­cra­ta Hil­lary Clin­ton nas ja­ne­las.

“Não dur­mo di­rei­to des­de 8 de no­vem­bro do ano pas­sa­do”, brin­ca o pas­tor ba­tis­ta Howard-John Wes­ley, re­fe­rin­do-se à noi­te em que Trump foi elei­to.

Dias an­tes da vo­ta­ção de ago­ra, a igre­ja que ele co­man­da re­ce­beu o go­ver­na­dor de­mo­cra­ta, Ter­ry McAu­lif­fe, num dos cul­tos. O po­lí­ti­co foi aplau­di­do de pé pe­los fi­eis, a mai­o­ria ne­gros, que res­pon­dem por 20% da po­pu­la­ção.

McAu­lif­fe fo­ra ao tem­plo fa­zer cam­pa­nha pa­ra o can­di­da­to de­mo­cra­ta ao co­man­do da Vir­gí­nia, Ralph Northam —elei­to com 75% dos vo­tos em Ale­xan­dria.

Na noi­te da vi­tó­ria de­le, um elei­tor abra­ça­do a uma ban­dei­ra LGBT foi pres­ti­gi­ar a fes­ta or­ga­ni­za­da pe­lo co­mi­tê de­mo­cra­ta. “Fi­quei ex­ta­si­a­do”, diz o de­sig­ner Glenn Klaus, 47. “Es­ta­mos dan­do nos­so re­ca­do.”

DO “NEW YORK TI­MES”, EM LON­DRES

A Igre­ja An­gli­ca­na anun­ci­ou nes­ta se­ma­na no­vas re­gras pa­ra con­ter o bullying nas 4.700 es­co­las que di­ri­ge, en­tre as quais es­tá a ideia de que as cri­an­ças de­vem po­der “brin­car com as múl­ti­plas rou­pa­gens da iden­ti­da­de”.

O de­ba­te so­bre co­mo li­dar com ques­tões de gê­ne­ro na in­fân­cia expôs pro­fun­das di­vi­sões en­tre an­gli­ca­nos con­ser­va­do­res e li­be­rais.

Em uma di­re­triz in­ti­tu­la­da “Va­lo­ri­zan­do To­dos os Fi­lhos de Deus”, a igre­ja diz que os alu­nos “de­vem ter li­ber­da­de pa­ra ex­plo­rar as pos­si­bi­li­da­des de qu­em po­de­ri­am ser, sem jul­ga­men­to ou der­ri­são”.

“Uma cri­an­ça po­de es­co­lher usar saia de bai­la­ri­na, ti­a­ra de prin­ce­sa e sal­tos e/ou um ca­pa­ce­te de bom­bei­ro, cin­to de fer­ra­men­tas e capa de herói, sem ex­pec­ta­ti­vas ou co­men­tá­ri­os”, se­gue o tex­to.

Lí­der da igre­ja que con­gre­ga 80 mi­lhões de fi­eis, o re­ve­ren­do Jus­tin Welby, ar­ce­bis­po de Can­ter­bury, en­dos­sou a di­re­triz: “É pre­ci­so evi­tar re­du­zir a dig­ni­da­de de qual­quer in­di­ví­duo a um es­te­reó­ti­po ou pro­ble­ma”, es­cre­veu.

A igre­ja pro­mul­gou di­re­tri­zes so­bre o bullying ho­mo­fó­bi­co em es­co­las em 2014, mas as no­vas nor­mas am­pli­am seu es­co­po. “To­da for­ma de bullying, o que in­clui o ho­mo­fó­bi­co e o trans­fó­bi­co, cau­sa da­nos pro­fun­dos, pro­vo­can­do ní­veis ele­va­dos de dis­túr­bi­os de saú­de men­tal, le­sões au­toin­du­zi­das, de­pres­são e sui­cí­dio”, diz Welby.

As re­gras fo­ram re­ce­bi­das po­si­ti­va­men­te por de­fen­so­res dos di­rei­tos dos LGBT e por ou­tras en­ti­da­des de di­rei­tos ci­vis, mas com opo­si­ção pe­los tra­di­ci­o­na­lis­tas.

As es­co­las an­gli­ca­nas cos­tu­mam ser pro­cu­ra­das pe­los pais bri­tâ­ni­cos por seu al­to pa­drão de edu­ca­ção, ape­sar da am­pla ofer­ta no país.

Estelita Hass Carazzai/Fo­lha­press

Pla­ca com a fra­se ‘o ódio não tem mo­ra­da aqui’ em Ale­xan­dria

Ales­san­dro Bi­an­chi-26.fev.17/Reuters

Sa­cer­do­tes an­gli­ca­nos re­ce­bem o pa­pa Fran­cis­co, em Ro­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.