EN­TRE­VIS­TA USP­só­te­rá­no­vas fon­tes de re­cur­sos no lon­go pra­zo

NO­ME­A­DO NO­VO REI­TOR DA USP, VAHAN AGOPYAN DIZ QUE CRI­SE FI­NAN­CEI­RA DA UNI­VER­SI­DA­DE FOI SU­PE­RA­DA, MAS RES­TRI­ÇÕES DE­VEM CON­TI­NU­AR

Folha De S.Paulo - - Cotidiano Inclui -

Fo­lha - A cri­se fi­nan­cei­ra na USP es­tá su­pe­ra­da? O se­nhor pre­ten­de to­mar al­gu­ma ação es­pe­cí­fi­ca nes­se sen­ti­do?

Vahan Agopyan - O ris­co já pas­sou, mas as res­tri­ções con­ti­nu­am, e vão con­ti­nu­ar por al­guns anos. En­tão a uni­ver­si­da­de tem de sa­ber as pri­o­ri­da­des dos seus gos­tos e ter bom con­tro­le. Pa­ra não dei­xar de apli­car no que é im­por­tan­te, fa­zer re­po­si­ção dos qua­dros pou­co a pou­co, ga­ran­tir a ma­nu­ten­ção dos seus la­bo­ra­tó­ri­os. É im­por­tan­te dei­xar cla­ro que a par­te de pes­qui­sa sem­pre foi fei­ta por re­cur­sos ex­tra or­ça­men­tá­ri­os, e va­mos con­ti­nu­ar bus­can­do. O se­nhor já de­fen­deu a bus­ca por re­cur­sos al­ter­na­ti­vos de fi­nan­ci­a­men­to, o que é o de­se­jo de vá­ri­os rei­to­res de uni­ver­si­da­des pú­bli­cas. Co­mo is­so po­de ocor­rer na USP?

A cri­se nos en­si­nou que, pri­mei­ro, pre­ci­sa­mos ser mas efi­ci­en­tes, e a Con­tro­la­do­ria e os Pa­râ­me­tros [de Sus­ten­ta­bi­li­da­de Fi­nan­cei­ra, do­cu­men­to apro­va­do nes­te ano que impôs um te­to de gas­to com sa­lá­ri­os] fo­ram ações ro­bus­tas re­a­li­za­das. Fi­ca cla­ro que não te­re­mos ris­cos de ter gas­tos que não pos­sam ser hon­ra­dos. Se­gun­do pon­to é que te­mos, sim, que ter al­ter­na­ti­vas fi­nan­cei­ras. Já te­mos in­di­ca­ções, mas mui­to tí­mi­das, e que pre­ci­sam ser ace­le­ra­das. Is­so não é uma ques­tão pa­ra re­sol­ver em me­ses, mas em anos.

O en­dow­ment [fun­do pa­tri­mo­ni­al ren­tá­vel cons­ti­tuí­do, por exem­plo, por do­a­ções] fun­ci­o­na em 10 ou 20 anos. Fa­la-se em convênios com em­pre­sas, se­ria óti­mo e já fa­ze­mos is­so. Nós tam­bém não nos ha­bi­tu­a­mos a ofe­re­cer ser­vi­ços e idei­as pa­ra ní­veis de go­ver­nos e ser­mos res­sar­ci­dos por is­so, e é uma fon­te fun­da­men­tal em cer­tos paí­ses. Mas não dá pa­ra mo­di­fi­car uma cul­tu­ra da pró­pria uni­ver­si­da­de de um dia pa­ra o ou­tro. É um pro­ces­so a lon­go pra­zo.

A par­tir de fe­ve­rei­ro va­mos tra­ba­lhar bas­tan­te pa­ra is­so, mas sem­pre ao lon­go pra­zo. A uni­ver­si­da­de sem­pre to­ma de­ci­sões de­pois de mui­to de­ba­te. E is­so ga­ran­te que ela se man­te­nha. De­mo­ra­mos anos dis­cu­tin­do a re­ser­va de va­gas [até 2021, a USP te­rá 50% dos alu­nos vin­dos da re­de pú­bli­ca], mas quan­do apli­ca­do, foi re­ce­bi­do­por­to­do­sos­se­to­res. Uma mu­dan­ça de cul­tu­ra de bus­car re­cur­sos or­ça­men­tá­ri­os de for­ma agres­si­va e mais in­ci­si­va im­pli­ca mu­dan­ça de men­ta­li­da­de dos do­cen­tes. E a rei­to­ria se­ria pro­ta­go­nis­ta des­ses pro­ces­sos ou se­ri­am des­cen­tra­li­za­dos, co­mo o fun­do que já exis­te na Po­li?

A rei­to­ria é que tem que in­cen­ti­var, de­fi­nir cri­té­ri­os e re­qui­si­tos. Pa­ra ter­mos trans­pa­rên­cia, sem dú­vi­das e ris­cos. Alu­nos da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na es­tão em gre­ve con­tra a si­tu­a­ção do Hos­pi­tal Uni­ver­si­tá­rio, que tem ti­do fal­ta de pro­fis­si­o­nais e que­da no aten­di­men­to. Co­mo o se­nhor pre­ten­de en­ca­mi­nhar a ques­tão do HU?

Es­tá ha­ven­do um pro­ble­ma de in­for­ma­ção. O HU é im­por­tan­te pa­ra ati­vi­da­des ro­ti­nei­ras de nos­sos alu­nos. Nós te­mos o in­te­res­se de ter­mos um HU, e se não ti­vés­se­mos, te­ría­mos que ter convênios. Mas não po­de­mos ter res­pon­sa­bi­li­da­de pe­lo cus­teio da saú­de da zo­na oes­te da ci­da­de [área aten­di­da pe­lo hos­pi­tal]. Es­se é o ar­gu­men­to. No Hos­pi­tal das Clí­ni­cas de São Pau­lo e no de Ri­bei­rão Pre­to, cui­da­mos de to­da pa­te aca­dê­mi­ca, te­mos la­bo­ra­tó­rio den­tro do hos­pi­tal, mas a Se­cre­ta­ria de Saú­de faz o cus­teio. E co­mo re­sol­ver o im­pas­se? O Es­ta­do não se mos­trou in­te­res­sa­do em as­su­mir o HU.

O go­ver­no fi­cou as­sus­ta­do com a ma­ni­fes­ta­ção [a rei­to­ria ten­tou em 2014 apro­var no Con­se­lho Uni­ver­si­tá­rio a des­vin­cu­la­ção do HU, mas o pro­ces­so foi in­ter­rom­pi­do após for­te opo­si­ção]. Qual­quer coi­sa que qu­e­re­mos or­ga­ni­zar com ór­gãos, há re­bel­dia. Mas o me­lhor ne­gó­cio é ex­pli­car e co­mu­ni­car pa­ra to­do mun­do o que es­tá acon­te­cen­do.

O que os alu­nos pre­ci­sam é que o hos­pi­tal fun­ci­o­ne ade­qua­da­men­te. Qu­e­re­mos ofe­re­cer is­so pa­ra eles, mas que a USP não ar­que com os cus­tos. O pró­prio go­ver­no fe­de­ral cri­ou uma em­pre­sa se­pa­ra­da pa­ra ge­rir os hos­pi­tais uni­ver­si­tá­ri­os. Pe­lo SUS [Sis­te­ma Úni­co de Saú­de], te­mos ho­je me­nos de 10% das des­pe­sas. Nos­so esforço tem que ser com os go­ver­nos es­ta­du­al e mu­ni­ci­pal, pa­ra que ha­ja con­tra­ta­ção de mé­di­cos por par­te de­les. Os fun­ci­o­ná­ri­os não se­rão de­mi­ti­dos e é bom até pa­ra que os mé­di­cos da USP pos­sam ter mais tem­po pa­ra ati­vi­da­des aca­dê­mi­cas. Cha­pas de opo­si­ção nes­ta elei­ção apon­ta­ram pa­ra um pro­ble­ma de diá­lo­go nes­ta ges­tão. Co­mo o se­nhor pre­ten­de agir nes­se pon­to?

Es­sa foi a ges­tão que te­ve mais reu­niões com o sin­di­ca­to dos fun­ci­o­ná­ri­os [Sin­tusp], com reu­niões quin­ze­nais. Con­se­gui­mos apa­rar mui­tas ares­tas, mes­mo com an­ta­go­nis­mos gra­ves.

Hou­ve diá­lo­go bom com al­guns gru­pos de alu­nos. Fui pro­cu­ra­do pe­lo DCE [Di­re­tó­rio Cen­tral dos Es­tu­dan­tes], o que foi mui­to ba­ca­na. Pre­ten­do ter uma no­va reu­nião com eles quan­do as­su­mir. O ide­al é cri­ar ca­nais de co­mu­ni­ca­ção, mas diá­lo­go só ocor­re quan­do os dois la­dos que­rem.

Já com o sin­di­ca­to dos do­cen­tes [Adusp] o diá­lo­go foi mais tê­nue, não ti­ve­mos um diá­lo­go fá­cil. Acho na­tu­ral que ha­ja po­si­ções con­trá­ri­as, mas pre­ci­sa­mos ter es­ses ca­nais fun­ci­o­nan­do dos dois la­dos. IN­CLU­SÃO 2013 2014 2015 2016 2017 Va­gas 10.982 11.057 11.057 11.057 11.072 Alu­nos de es­co­la pú­bli­ca

28% 1.070 Si­su (alu­nos de es­co­la pú­bli­ca) 555 Si­su (am­pla con­cor­rên­cia) 543 Si­su (pre­tos, par­dos e in­dí­ge­nas de es­co­la pú­bli­ca) Co­tas Sis­te­ma apro­va­do em 2017 es­ti­pu­la que 50% dos novos alu­nos se­jam de es­co­la pú­bli­ca, res­pei­tan­do a pro­por­ção de pre­tos, par­dos e in­dí­ge­nas no Es­ta­do de SP. Mo­de­lo co­me­ça no ano que vem, e me­ta se­rá al­can­ça­da de for­ma es­ca­lo­na­da, até 2021

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.