Fler­te de Te­mer com re­e­lei­ção atra­pa­lha pla­nos de Mei­rel­les

Pre­si­den­te pas­sou a co­gi­tar no­va can­di­da­tu­ra pa­ra de­fen­der seu go­ver­no

Folha De S.Paulo - - Opinião - MARINA DI­AS

Mo­vi­men­to po­de­rá fe­char as por­tas do MDB a mi­nis­tro, que não tem apoio de sua si­gla, o PSD, pa­ra a dis­pu­ta

A dis­po­si­ção de Mi­chel Te­mer em dis­cu­tir sua re­e­lei­ção as­fi­xi­ou os pla­nos do mi­nis­tro Hen­ri­que Mei­rel­les (Fa­zen­da) pa­ra dis­pu­tar a su­ces­são pre­si­den­ci­al em ou­tu­bro.

O che­fe da equi­pe econô­mi­ca de Te­mer abriu ne­go­ci­a­ções pa­ra se lan­çar ao Pa­lá­cio do Pla­nal­to pelo MDB co­mo no­me do go­ver­no, mas a som­bra de uma pos­sí­vel can­di­da­tu­ra do pre­si­den­te ame­a­ça in­ter­di­tar es­se ca­mi­nho.

Sem apoio de seu par­ti­do, o PSD, Mei­rel­les po­de­ria se fi­li­ar à si­gla de Te­mer, mas viu seus pra­zos se es­trei­ta­rem — ele pre­ci­sa dei­xar o car­go até abril se qui­ser con­cor­rer às eleições— quan­do o pre­si­den­te se con­ven­ceu de que não tem na­da a per­der ca­so se­ja ele pró­prio o can­di­da­to que de­fen­de­rá o le­ga­do de seu go­ver­no até ou­tu­bro.

Se há dois meses o mi­nis­tro dis­cu­tia men­ci­o­nar ou não Te­mer no programa de sua le­gen­da na TV —e aca­bou por não fa­zê-lo, por me­do de ser ain­da mais con­ta­mi­na­do pe­la im­po­pu­la­ri­da­de do pre­si­den­te—, hoje Mei­rel­les tem no apoio do Pla­nal­to a úni­ca al­ter­na­ti­va pa­ra ten­tar fa­zer des­lan­char sua can­di­da­tu­ra.

O mi­nis­tro e o pre­si­den­te pa­ti­nam nas pes­qui­sas, am­bos com en­tre 1% e 2% das in­ten­ções de vo­to se­gun­do o Da­ta­fo­lha, e vi­ram nau­fra­gar o dis­cur­so de que a me­lho­ra dos ín­di­ces econô­mi­cos se­ria sen­ti­da pe­la po­pu­la­ção a par­tir do iní­cio des­te ano.

Em um pri­mei­ro momento, Te­mer acre­di­ta­va que es­ses nú­me­ros po­de­ri­am im­pul­si­o­nar sua po­pu­la­ri­da­de a pelo me­nos dois dí­gi­tos, en­quan­to Mei­rel­les apos­ta­va ne­les pa­ra me­lho­rar seu de­sem­pe­nho nas pes­qui­sas pa­ra a su­ces­são pre­si­den­ci­al.

Mes­mo sem os re­sul­ta­dos —o mi­nis­tro já fa­la em per­cep­ção da me­lho­ra na eco­no­mia so­men­te no fim do ano— , Te­mer e seus prin­ci­pais au­xi­li­a­res en­to­a­ram o dis­cur­so de que o pra­zo pa­ra de­ci­dir o ru­mo do Pla­nal­to nas eleições é maio, o que in­vi­a­bi­li­za­ria o cro­no­gra­ma de Mei­rel­les.

Ali­a­dos do pre­si­den­te, po­rém, afir­mam que seu de­se­jo é ape­nas “se re­di­mir” de um go­ver­no tão im­po­pu­lar —70% das pes­so­as con­si­de­ram sua ges­tão ruim ou pés­si­ma, se­gun­do o Da­ta­fo­lha—, mas que seus an­sei­os elei­to­rais não de­vem che­gar até maio.

Ain­da de acor­do com es­ses as­ses­so­res, o pre­si­den­te bus­ca uma saí­da di­an­te do me­do de fi­car iso­la­do no pro­ces­so, vis­to que o pré-can­di­da­to do PSDB, Ge­ral­do Alck­min (SP), man­tém dis­tân­cia se­gu­ra de Te­mer des­de que os tu­ca­nos en­tre­ga­ram os car­gos no pri­mei­ro es­ca­lão do go­ver­no.

A Fo­lha apu­rou que o pró­prio Mei­rel­les con­ver­sou com o pre­si­den­te so­bre os pra­zos e in­di­cou que co­lo­car o mês de maio co­mo li­mi­te pa­ra a de­ci­são po­de ser tar­dio “pa­ra quem quer que se­ja o can­di­da­to do go­ver­no”.

O mi­nis­tro te­me que, em três meses, as ar­ti­cu­la­ções pa­ra as ali­an­ças es­ta­du­ais no MDB já es­te­jam mui­to avan­ça­das e pos­sam pre­ju­di­car no­vos acor­dos que mi­rem a cha­pa pre­si­den­ci­al.

À Fo­lha, o pre­si­den­te do MDB, Ro­me­ro Ju­cá (RR), dis­se que Mei­rel­les é “mui­to bem vin­do” no par­ti­do e que ele se­ria um “gran­de qua­dro” lan­ça­do ao Pla­nal­to. FA­TOR MAIA Pres­si­o­na­do pelo ca­len­dá­rio e por Te­mer, o mi­nis­tro da Fa­zen­da pre­ten­de atra­ves­sar fe­ve­rei­ro com a mes­ma es­tra­té­gia ado­ta­da até ago­ra: en­tre­vis­tas de ca­rá­ter mais po­lí­ti­co e apro­xi­ma­ção com o elei­to­ra­do evan­gé­li­co.

Mei­rel­les vai ain­da re­for­çar a ideia de que Alck­min e o tam­bém pre­si­den­ciá­vel e che­fe da Câ­ma­ra, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não de­fen­de­rão o go­ver­no co­mo ele.

A am­bos, no en­tan­to, não in­te­res­sa ser ca­rim­ba­do co­mo o can­di­da­to de Te­mer, cu­jo apoio nas eleições é re­jei­ta­do por 87% das pes­so­as.

Maia che­gou a con­ver­sar com Mei­rel­les so­bre uma pos­sí­vel mi­gra­ção do mi­nis­tro pa­ra o DEM, mas há cer­ca de três meses tem ar­ti­cu­la­do voo so­lo mi­ran­do o Pla­nal­to.

Nas úl­ti­mas se­ma­nas, além de PP e So­li­da­ri­e­da­de, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra dis­cu­tiu apoio a sua pos­sí­vel can­di­da­tu­ra com in­te­gran­tes de PR, PRB e PHS, mas ain­da apre­sen­ta pa­ta­mar bem tí­mi­do nas pes­qui­sas —1%.

Pa­ra ten­tar me­lho­rar seu de­sem­pe­nho e po­der con­tar com o apoio efe­ti­vo de par­te da ba­se de Te­mer, Maia vai in­ves­tir na mudança de agenda e fo­car em me­di­das de se­gu­ran­ça, saú­de e edu­ca­ção.

Ali­a­dos di­zem que, pa­ra se apre­sen­tar co­mo al­ter­na­ti­va a Alck­min no es­pec­tro de cen­tro-di­rei­ta, o de­pu­ta­do pre­ci­sa ir além do dis­cur­so de que tem o apoio do mercado.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.