In­for­ma­li­da­de al­ta em­per­ra re­to­ma­da do cré­di­to no país

Ho­je 37,8 mi­lhões não têm car­tei­ra as­si­na­da, o que tor­na mais di­fí­cil com­pro­var ren­da e apre­sen­tar ga­ran­ti­as pa­ra em­prés­ti­mo

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Anaïs Fer­nan­des, La­ris­sa Quin­ti­no e Fla­via Li­ma

A al­ta in­for­ma­li­da­de no mer­ca­do de tra­ba­lho po­de em­per­rar uma re­a­ção mais vi­go­ro­sa do cré­di­to no país.

O ce­ná­rio é pre­o­cu­pan­te por­que o cré­di­to ser­ve de es­tí­mu­lo ao con­su­mo, que é o gran­de mo­tor da eco­no­mia.

Sem car­tei­ra de tra­ba­lho, ten­de a fi­car mais di­fí­cil pa­ra o con­su­mi­dor com­pro­var ren­da e apre­sen­tar ga­ran­ti­as pa­ra to­mar em­prés­ti­mo.

Dos 92 mi­lhões de ocu­pa­dos, 37,8 mi­lhões (41%) es­tão no mer­ca­do in­for­mal, se­gun­do o IBGE —no se­tor pri­va­do, no tra­ba­lho do­més­ti­co ou atu­an­do por con­ta pró­pria.

O per­cen­tu­al de con­su­mi­do­res que não usa ne­nhu­ma mo­da­li­da­de de cré­di­to é al­to, 55,6%, de acor­do com pes­qui­sa da Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal de Di­ri­gen­tes Lo­jis­tas.

Oi­to em ca­da dez con­su­mi­do­res de­cla­ram es­tar no li­mi­te do or­ça­men­to, e a di­fi­cul­da­de pa­ra ob­ter cré­di­to é mai­or nas clas­ses C, D e E.

Se­to­res co­mo cons­tru­ção e veí­cu­los afir­mam que com a cri­se os ban­cos fi­ca­ram mais res­tri­ti­vos à con­ces­são de fi­nan­ci­a­men­tos, o que va­lo­ri­za mais a car­tei­ra de tra­ba­lho.

“A pos­si­bi­li­da­de que o ban­co tem de ava­li­ar o ris­co é ba­se­a­da na in­for­ma­ção do to­ma­dor. Quem é for­ma­li­za­do po­de ter aces­so a cré­di­to mais fá­cil e ba­ra­to”, diz Ana Car­la Abrão, da con­sul­to­ria Oli­ver Wy­man.

A al­ta in­for­ma­li­da­de no mer­ca­do de tra­ba­lho po­de em­per­rar uma re­a­ção mais vi­go­ro­sa do cré­di­to.

A si­tu­a­ção pre­o­cu­pa por­que, no país, o cré­di­to ser­ve de es­tí­mu­lo fun­da­men­tal ao con­su­mo que, por sua vez, é o gran­de mo­tor da eco­no­mia.

Sem car­tei­ra de tra­ba­lho, po­rém, ten­de a fi­car mais di­fí­cil pa­ra o con­su­mi­dor —em es­pe­ci­al o de bai­xa ren­da— apre­sen­tar ga­ran­ti­as pa­ra to­mar em­prés­ti­mo, mes­mo que ha­ja pre­dis­po­si­ção pa­ra ne­gó­cio de am­bas as par­tes.

Dos 92 mi­lhões de ocu­pa­dos, ao me­nos 41% (ou 37,8 mi­lhões) es­tão no mer­ca­do in­for­mal, se­gun­do o IBGE (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca).

São tra­ba­lha­do­res do se­tor pri­va­do ou do­més­ti­cos sem car­tei­ra, além dos cha­ma­dos tra­ba­lha­do­res “por con­ta pró­pria” sem car­tei­ra —pe­que­nos em­pre­en­de­do­res de ren­da mais bai­xa, co­mo ven­de­do­res am­bu­lan­tes.

No mer­ca­do de cré­di­to, o per­cen­tu­al de con­su­mi­do­res que não usa ne­nhu­ma mo­da­li­da­de de cré­di­to ain­da é al­ta, em 55,6%, se­gun­do da­dos mais re­cen­tes de pes­qui­sa da CNDL (Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal de Di­ri­gen­tes Lo­jis­tas).

Oi­to em ca­da dez con­su­mi­do­res afir­mam es­tar no li­mi­te do or­ça­men­to.

A di­fi­cul­da­de pa­ra con­tra­ta­ção de em­prés­ti­mos e fi­nan­ci­a­men­tos é mai­or nas clas­sesC,DeE.

Nes­sas fai­xas so­ci­ais, mais da me­ta­de dos con­su­mi­do­res (55,3%) con­si­de­ra ser di­fí­cil ou mui­to di­fí­cil a con­tra­ta­ção de qual­quer mo­da­li­da­de de fi­nan­ci­a­men­to.

Por ou­tro la­do, o cré­di­to é fun­da­men­tal pa­ra boa par­te dos con­su­mi­do­res: em ju­lho, se­gun­do a CNDL, 67% dos que usa­ram o car­tão de cré­di­to o fi­ze­ram pa­ra com­pras em su­per­mer­ca­dos.

Pa­ra Mar­ce­lo Gaz­za­no, eco­no­mis­ta da con­sul­to­ria ACPas­to­re, o efei­to ne­ga­ti­vo da al­ta in­for­ma­li­da­de so­bre o cré­di­to po­de ser ob­ser­va­do, por exem­plo, na tra­je­tó­ria do cré­di­to con­sig­na­do ofe­re­ci­do ao tra­ba­lha­dor do se­tor pri­va­do, por­tan­to aque­le de­pen­den­te do em­pre­go com car­tei­ra as­si­na­da.

En­quan­to o cré­di­to com des­con­to em fo­lha co­mo um to­do ga­nhou cor­po nos úl­ti­mos anos, o con­sig­na­do pri­va­do che­gou a 9% do to­tal de cré­di­to con­sig­na­do em 2012 e, de lá pa­ra cá, caiu abai­xo de 6%.

A que­da acom­pa­nha a tra­je­tó­ria de re­tra­ção do mer­ca­do de tra­ba­lho.

Ana Car­la Abrão, só­cia da con­sul­to­ria Oli­ver Wy­man, lem­bra que a for­ma­li­za­ção do mer­ca­do de tra­ba­lho bra­si­lei­ro na dé­ca­da de 2000 te­ve pa­pel im­por­tan­te no pro­ces­so de ex­pan­são do cré­di­to.

“Cré­di­to vi­ve de in­for­ma­ção. A pos­si­bi­li­da­de que o ban­co tem de ava­li­ar o ris­co de cré­di­to é ba­se­a­da na in­for­ma­ção que ele tem do to­ma­dor. Quem é for­ma­li­za­do tem fa­ci­li­da­de pa­ra com­pro­var ren­da e po­de ter aces­so a cré­di­to mais fá­cil e ba­ra­to”, diz.

Re­pre­sen­tan­tes de se­to­res que mo­vi­men­tam em pe­so o mer­ca­do de cré­di­to, co­mo cons­tru­ção e veí­cu­los, di­zem que os ban­cos se tor­na­ram mais res­tri­ti­vos à con­ces­são de fi­nan­ci­a­men­to com a cri­se.

Es­se pro­ces­so tor­nou a car­tei­ra de tra­ba­lho ain­da mais va­li­o­sa pa­ra aque­les em bus­ca de em­prés­ti­mo.

“É re­al­men­te um pro­ble­ma pa­ra o fu­tu­ro”, diz Jo­sé Car­los Mar­tins, pre­si­den­te da CBIC (Câ­ma­ra Bra­si­lei­ra da In­dús­tria da Cons­tru­ção), so­bre o im­pac­to da in­for­ma­li­da­de no mer­ca­do de cré­di­to.

“É evi­den­te que quem vai con­ce­der em­prés­ti­mo vê com mais bons olhos quem tem ren­da for­mal, mas os ban­cos tam­bém con­se­guem fa­zer uma aná­li­se em ci­ma da mo­vi­men­ta­ção ban­cá­ria do cli­en­te, is­so con­ti­nua sen­do fei­to por vi­as in­di­re­tas.”

Pa­ra Vi­tor Ve­lho, eco­no­mis­ta da LCA Con­sul­to­res, o cré­di­to à pes­soa fí­si­ca po­de­ria es­tar cres­cen­do mais se hou­ves­se uma for­ma­li­da­de mai­or no mer­ca­do de tra­ba­lho.

“O mer­ca­do de cré­di­to é fun­da­men­ta­do em ga­ran­ti­as e, no Bra­sil, a car­tei­ra de tra­ba­lho é es­sen­ci­al pa­ra is­so”, diz.

Bru­no Ot­to­ni, pes­qui­sa­dor da FGV (Fun­da­ção Ge­tu­lio Var­gas), lem­bra que os tra­ba­lha­do­res con­tra­ta­dos co­mo pes­so­as ju­rí­di­cas (os “PJs”), mais ex­pres­si­vos nas clas­ses com ren­da mai­or, re­co­lhem tri­bu­tos, lo­go não são con­si­de­ra­dos in­for­mais.

Quan­to aos pe­que­nos em­pre­en­de­do­res na in­for­ma­li­da­de, Ot­to­ni afir­ma que há um es­for­ço do pró­prio go­ver­no de atrai-los pa­ra a for­ma­li­za­ção, o que ocor­re não só pa­ra au­men­tar a ar­re­ca­da­ção, mas tam­bém pa­ra ten­tar me­lho­rar o aces­so ao cré­di­to a es­sa po­pu­la­ção.

Flá­via Chein, pro­fes­so­ra as­so­ci­a­da da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Juiz de Fo­ra, tem es­tu­dos que apon­tam, po­rém, que é jus­ta­men­te a fal­ta de aces­so ao cré­di­to que im­pe­de um tra­ba­lha­dor por con­ta pró­pria in­for­mal de se for­ma­li­zar.

“A de­ci­são de se tor­nar em­pre­ga­dor mui­tas ve­zes de­pen­de de fa­zer in­ves­ti­men­tos, co­mo com­prar equi­pa­men­to, e is­so de­pen­de do cré­di­to.”

Vla­di­mir Te­les, pes­qui­sa­dor da FGV, tam­bém es­tu­da co­mo a fal­ta de cré­di­to afe­ta as em­pre­sas na in­for­ma­li­da­de. Pa­ra ele, a em­pre­sa in­for­mal é pe­que­na e não con­se­gue ga­ran­ti­as pa­ra em­prés­ti­mo, o que a man­tém pe­que­na.

“É a in­for­ma­li­da­de fre­an­do o de­sen­vol­vi­men­to do se­tor fi­nan­cei­ro e pi­o­res con­di­ções fi­nan­cei­ras em­pur­ran­do a eco­no­mia pa­ra a in­for­ma­li­da­de”, diz Te­les.

Pa­ra Abrão, da Oli­ver Wy­man, que­brar es­se ci­clo não é fá­cil. Se a eco­no­mia não gi­ra, diz ela, mais tra­ba­lha­do­res aca­bam in­do pa­ra a in­for­ma­li­da­de, o que di­fi­cul­ta o an­da­men­to econô­mi­co do país.

Es­pe­ci­a­lis­tas afir­mam que uma agen­da de me­lho­ra do am­bi­en­te de ne­gó­ci­os e de mais aces­so a in­for­ma­ções é fun­da­men­tal pa­ra que o cré­di­to con­si­ga se des­co­lar des­se cír­cu­lo vi­ci­o­so.

A agen­da in­clui­ria, por exem­plo, a apro­va­ção do ca­das­tro po­si­ti­vo —um ban­co de da­dos com in­for­ma­ções so­bre em­prés­ti­mos e con­tas de con­su­mi­do­res adim­plen­tes.

O pro­je­to já en­trou e saiu da pau­ta do Con­gres­so al­gu­mas ve­zes e ago­ra aguar­da apro­va­ção na Câ­ma­ra.

Há ain­da a re­vi­são de leis co- mo a de fa­lên­cia e ga­ran­ti­as.

Se­gun­do An­to­nio Me­ga­le, pre­si­den­te da An­fa­vea (as­so­ci­a­ção dos fa­bri­can­tes de veí­cu­los), o se­tor tra­ba­lha com ban­cos e com o go­ver­no no es­tu­do de uma le­gis­la­ção que des­tra­ve a re­cu­pe­ra­ção de veí­cu­los de ina­dim­plen­tes.

“A si­tu­a­ção é mui­to ju­di­ci­a­li­za­da, e es­ta­tís­ti­cas dos ban­cos apon­tam que a re­cu­pe­ra­ção de um veí­cu­lo ina­dim­plen­te le­va até dois anos”, afir­ma.

“Só que, nes­se tem­po, o car­ro po­de já não se en­con­trar em con­di­ções ade­qua­das, en­tão o ban­co co­lo­ca um spre­ad [a di­fe­ren­ça en­tre o cus­to de cap­ta­ção do ban­co e o quan­to ele co­bra do em­prés­ti­mo] mui­to ele­va­do”, diz Me­ga­le.

Pa­ra ele, a re­cu­pe­ra­ção em um pe­río­do me­nor po­de­ria aju­dar a re­du­zir ta­xas de ju­ros e o cus­to do fi­nan­ci­a­men­to.

Ou­tro te­ma que não de­ve ser pas­sa­gei­ro e pre­ci­sa ser mais bem com­pre­en­di­do é a mu­dan­ça nas for­mas de tra­ba­lho da mo­der­ni­da­de, apon­ta Mau­rí­cio Pra­do, da con­sul­to­ria Pla­no CDE.

“Se olhar­mos de uma pers­pec­ti­va his­tó­ri­ca, de 20 anos, a for­ma­li­da­de cres­ceu mui­to no Bra­sil, mas não se per­deu tu­do com a cri­se”, afir­ma.

Pa­ra Pra­do, em­bo­ra a si­tu­a­ção econô­mi­ca se­ja al­go con­jun­tu­ral, o mer­ca­do de tra­ba­lho mais vol­ta­do pa­ra o fun­ci­o­ná­rio con­tra­ta­do por pro­je­to e me­nos pa­ra uma re­la­ção de tra­ba­lho com car­tei­ra as­si­na­da po­de ser uma mu­dan­ça es­tru­tu­ral —ou se­ja, veio pa­ra fi­car.

Em no­ta, o San­tan­der dis­se que não obri­ga o con­su­mi­dor a com­pro­var sua ren­da na con­tra­ta­ção de cré­di­to se ele in­for­mar ren­di­men­to men­sal de até R$ 2.500.

O ban­co afir­ma que o cli­en­te pas­sa­rá por ou­tras eta­pas de aná­li­se pa­ra for­ma­ção do seu per­fil de ris­co, co­mo con­sul­ta à ba­se de da­dos do birôs de cré­di­to.

“Se ele ti­ver ou­tras for­mas de com­pro­var ren­da, elas se­rão mui­to bem-vin­das. Pa­ra abrir con­ta-cor­ren­te tam­bém é o mes­mo ca­so.”

O Ban­co do Bra­sil dis­se que o cli­en­te pes­soa fí­si­ca que não tem com­pro­va­ção de ren­da e de­se­ja abrir uma con­ta, in­cluin­do ope­ra­ções de cré­di­to, po­de lan­çar mão de de­cla­ra­ção pes­so­al até o li­mi­te do va­lor de isen­ção de Im­pos­to de Ren­da.

So­bre mi­cro­em­pre­en­de­do­res, o ban­co dis­se que, con­for­me vão se es­pe­ci­a­li­zan­do na ges­tão de seus ne­gó­ci­os, ten­dem a se for­ma­li­zar.

A Fo­lha pro­cu­rou os de­mais gran­des ban­cos, mas eles não qui­se­ram co­men­tar o as­sun­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.