Es­pe­re o pi­or ao acor­dar do so­nho au­to­ri­tá­rio

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - An­dré Sin­ger

O que acon­te­ceu nos úl­ti­mos di­as no Bra­sil pre­ci­sa ser bem ex­pli­ca­do. O pos­tu­lan­te pre­si­den­ci­al Jair Bol­so­na­ro (PSL) ga­nhou seis pon­tos per­cen­tu­ais no pró­prio mo­men­to da elei­ção. Va­le di­zer que cer­ca de 6,5 mi­lhões de elei­to­res to­ma­ram po­si­ção na úl­ti­ma hora, qua­se le­van­do o ex­tre­mis­ta de di­rei­ta ao Pla­nal­to já no pri­mei­ro tur­no.

O tsu­na­mi ra­di­cal se re­fle­tiu de ma­nei­ra ex­pres­si­va nos plei­tos pa­ra a Câ­ma­ra e Exe­cu­ti­vos de es­ta­dos. O par­ti­do de Bol­so­na­ro saiu de 8 pa­ra 52 de­pu­ta­dos fe­de­rais, a se­gun­da mai­or ban­ca­da da Ca­sa. Can­di­da­tos a go­ver­na­dor qua­se des­co­nhe­ci­dos, co­mo Wil­son Wit­zel (RJ) e Ro­meu Ze­ma (No­vo), dis­pa­ra­ram, ob­ten­do mais de 40% dos su­frá­gi­os vá­li­dos.

Pa­ra com­ple­tar, a pri­mei­ra pes­qui­sa Da­ta­fo­lha, pu­bli­ca­da na quin­ta pas­sa­da (11) in­di­cou que o ca­pi­tão re­for­ma­do te­ria 58% das in­ten­ções de vo­to no se­gun­do tur­no, mar­ca­do pa­ra 28/10. A so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra, em ge­ral pou­co afei­ta a po­si­ções de con­fli­to, in­cli­nou-se de re­pen­te pa­ra um dos po­los. O que acon­te­ceu?

Des­con­fio que uma res­pos­ta abran­gen­te, a qual sem dú­vi­da en­vol­ve múl­ti­plos as­pec­tos, tar­de a apa­re­cer. Mas, pa­ra efei­to de ra­ci­o­cí­nio, dei­xo aqui uma per­cep­ção.

Tra­tou-se, a meu ver, da mis­tu­ra ex­plo­si­va, que tem pre­ce­den­tes na his­tó­ria na­ci­o­nal, en­tre a per­sis­tên­cia das di­fi­cul­da­des econô­mi­cas e as de­nún­ci­as de cor­rup­ção.

Sem a ra­pi­dez es­ton­te­an­te das men­sa­gens tro­ca­das por What­sApp, Jâ­nio Qua­dros e Fer­nan­do Col­lor de Mel­lo re­pre­sen­ta­ram fenô­me­nos si­mi­la­res.

A in­fla­ção dos pe­río­dos Jus­ce­li­no e Sar­ney, que os an­te­ce­de­ram, bem co­mo es­tron­do­sas de­nún­ci­as de mal­ver­sa­ção do di­nhei­ro pú­bli­co pe­los po­lí­ti­cos fluí­ram pa­ra o co­que­tel ex­plo­si­vo que co­lo­cou no Pa­lá­cio do Al­vo­ra­da dois pre­si­den­tes elei­tos ins­tá­veis, os quais não lo­gra­ram ter­mi­nar o man­da­to.

Tra­ta-se de uma es­pé­cie de pro­tes­to an­tis­sis­te­ma, mas à di­rei­ta, que de­no­ta a es­pe­ran­ça pos­ta em uma au­to­ri­da­de fir­me, que “bo­te or­dem na ca­sa”.

O pro­gra­ma econô­mi­co de Bol­so­na­ro re­gis­tra­do no TSE tem o “ob­je­ti­vo de equi­li­brar as con­tas pú­bli­cas no me­nor pra­zo pos­sí­vel”. Pa­ra tan­to, a sua pro­pos­ta mais ori­gi­nal é re­du­zir 20% da dí­vi­da pú­bli­ca por meio de pri­va­ti­za­ções.

Em su­ma, ha­ve­rá me­nos gas­to pú­bli­co, com a pro­vá­vel es­tag­na­ção do PIB e a de­te­ri­o­ra­ção de ser­vi­ços es­sen­ci­ais à po­pu­la­ção de bai­xa ren­da.

Po­de-se pre­ver, em consequência, uma que­da na apro­va­ção do even­tu­al pre­si­den­te. Um go­ver­no sem com­pro­mis­so ins­ti­tu­ci­o­nal re­a­gi­rá à re­jei­ção po­pu­lar com re­pres­são e for­ça.

Se par­te dos que fo­ram car­re­ga­dos pe­la fron­da bol­so­na­ris­ta do úl­ti­mo do­min­go (7) não acor­da­rem do so­nho au­to­ri­tá­rio nas pró­xi­mas du­as se­ma­nas, po­de-se es­pe­rar pe­lo pi­or.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.