A car­ta que Fer­nan­do Had­dad não es­cre­ve­rá

O que o can­di­da­to do PT à Pre­si­dên­cia de­ve­ria di­zer na atu­al cam­pa­nha elei­to­ral

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - De­mé­trio Mag­no­li

O Da­ta­fo­lha mos­trou que a de­mo­cra­cia é um va­lor fun­da­men­tal pa­ra 69% dos bra­si­lei­ros. Di­ri­jo-me a es­sa am­pla mai­o­ria pa­ra pe­dir um vo­to con­tra o au­to­ri­ta­ris­mo. O Bra­sil ex­pe­ri­men­tou uma di­ta­du­ra mi­li­tar de 21 anos. Ele­ger meu ad­ver­sá­rio se­ria co­lo­car no go­ver­no um gru­po de sau­do­sis­tas da di­ta­du­ra que tes­ta­rão a re­sis­tên­cia de nos­sa de­mo­cra­cia. Mi­nha can­di­da­tu­ra tor­nou-se a úni­ca al­ter­na­ti­va a is­so. O se­gun­do tur­no não po­de ser um ple­bis­ci­to so­bre Lu­la ou o PT, mas um ple­bis­ci­to so­bre as li­ber­da­des pú­bli­cas e in­di­vi­du­ais.

Ver­de-ama­re­lo no lu­gar do ver­me­lho? O mar­ke­ting não subs­ti­tui a po­lí­ti­ca. Hora de as­su­mir er­ros his­tó­ri­cos, fa­lar a ver­da­de. O PT di­vi­diu o país em “nós” e “eles”. Is­so aca­ba aqui. Não qua­li­fi­ca­rei co­mo “gol­pis­tas” os que de­fen­de­ram o im­pe­a­ch­ment, a quem tam­bém pe­ço o vo­to. Nun­ca mais usa­re­mos o ró­tu­lo “fas­cis­tas” pa­ra mar­car os que di­ver­gem de nós. Não mais usa­re­mos o ró­tu­lo “ra­cis­tas” pa­ra mar­car os que dis­cor­dam de po­lí­ti­cas de co­tas ra­ci­ais. Ado­ta­re­mos, pe­ran­te a so­ci­e­da­de, o “pro­to­co­lo éti­co” que meu ad­ver­sá­rio re­jei­tou. A plu­ra­li­da­de de opi­niões é a subs­tân­cia da de­mo­cra­cia. De ago­ra em di­an­te, nós a res­pei­ta­re­mos.

De­mo­cra­cia exi­ge co­e­rên­cia. Lu­la res­pei­tou a re­gra do jo­go de­mo­crá­ti­co ao não bus­car um ter­cei­ro man­da­to su­ces­si­vo. Mas, rei­te­ra­da­men­te, o PT ofe­re­ceu apoio ao re­gi­me di­ta­to­ri­al em Cu­ba, à di­ta­du­ra ins­ta­la­da por Ma­du­ro na Ve­ne­zu­e­la, à es­ca­la­da re­pres­si­va de Or­te­ga na Ni­ca­rá­gua. Ja­mais con­cor­dei com is­so, que aca­ba ago­ra. Não cul­ti­va­re­mos di­ta­do­res de es­ti­ma­ção. O Bra­sil de­fen­de a de­mo­cra­cia aqui e lá fo­ra. Na Chi­na e na Ará­bia Sau­di­ta, na Rús­sia e na Tur­quia, em Cu­ba e na Ve­ne­zu­e­la.

Nas de­mo­cra­ci­as, uma fron­tei­ra se­pa­ra as es­fe­ras da po­lí­ti­ca e da Jus­ti­ça. To­dos, in­clu­si­ve eu, têm o di­rei­to de con­cor­dar ou não com de­ci­sões ju­di­ci­ais —mas os par­ti­dos e, so­bre­tu­do, o go­ver­no, não têm o di­rei­to de mis­tu­rar as du­as es­fe­ras. Lu­la es­tá re­cor­ren­do aos tri­bu­nais su­pe­ri­o­res con­tra sua con­de­na­ção. Meu go­ver­no não se en­vol­ve­rá nes­se as­sun­to e não o po­li­ti­za­rá. Sem in­de­pen­dên­cia do Ju­di­ciá­rio, não exis­te de­mo­cra­cia.

A im­pren­sa li­vre é um pi­lar im­pres­cin­dí­vel da de­mo­cra­cia. Trump, lá, e meu ad­ver­sá­rio, aqui, cla­mam con­tra o jor­na­lis­mo pro­fis­si­o­nal, en­quan­to seus se­gui­do­res di­fun­dem fal­si­fi­ca­ções por meio de em­pre­sas oli­go­po­lis­tas da in­ter­net. Mas é pre­ci­so olhar nos­sa ima­gem no es­pe­lho. Du­ran­te anos, o PT pre­gou o “con­tro­le so­ci­al da mí­dia”, co­mo se a crí­ti­ca, jus­ta ou in­jus­ta, pre­ci­sas­se ser res­trin­gi­da. Che­ga des­sa la­dai­nha ran­co­ro­sa. Di­fa­ma­ção, in­jú­ria, ca­lú­nia são as­sun­to pa­ra os tri­bu­nais. Fo­ra dis­so, o “con­tro­le da mí­dia” de­ve ser exer­ci­do ex­clu­si­va­men­te pe­los lei­to­res, es­pec­ta­do­res e ou­vin­tes, ao se­le­ci­o­na­rem os veí­cu­los de sua pre­fe­rên­cia.

To­dos têm di­rei­to à am­pla de­fe­sa. A ca­ça às bru­xas sem­pre foi fer­ra­men­ta de ti­ra­nos ou pre­ten­den­tes a ti­ra­nos. Mas não exis­te uma “cor­rup­ção do bem”. A “nos­sa” cor­rup­ção é in­to­le­rá­vel, tan­to quan­to a dos ou­tros. Os go­ver­nos do PT têm pe­sa­da par­ce­la de res­pon­sa­bi­li­da­de po­lí­ti­ca pe­los es­cân­da­los do men­sa­lão e do pe­tro­lão. No meu go­ver­no, pro­te­ge­re­mos os re­cur­sos pú­bli­cos da sa­nha de cor­rup­tos de qual­quer par­ti­do, in­clu­si­ve do meu.

A eco­no­mia não é um fim em si mes­ma: ser­ve pa­ra as pes­so­as es­ca­pa­rem ao cír­cu­lo da po­bre­za, vi­ve­rem me­lhor, re­a­li­za­rem seus so­nhos. Mas is­so só ocor­re­rá de for­ma sus­ten­ta­da se re­cu­pe­rar­mos o equi­lí­brio das con­tas pú­bli­cas. A de­pres­são dos úl­ti­mos anos foi se­me­a­da pe­la ir­res­pon­sa­bi­li­da­de fis­cal do go­ver­no Dil­ma. Apren­de­mos a du­ra li­ção. Não re­pe­ti­re­mos o er­ro de­sas­tro­so, fon­te úl­ti­ma da cri­se que re­dun­dou no im­pe­a­ch­ment.

A dis­pu­ta não é en­tre dois ex­tre­mis­tas si­mé­tri­cos. Ho­je, só há um ex­tre­mis­ta: meu ad­ver­sá­rio, que usa a de­mo­cra­cia co­mo pla­ta­for­ma pa­ra ini­ci­ar uma aven­tu­ra au­to­ri­tá­ria. Der­ro­tá-lo não é es­co­lher o PT, mas es­co­lher a de­mo­cra­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.