Li­vro de Fer­nan­do Sa­bi­no ‘O Encontro Mar­ca­do’ che­ga à cen­té­si­ma edi­ção

‘O Encontro Mar­ca­do’, de Fer­nan­do Sa­bi­no, atra­ves­sa ge­ra­ções e che­ga à 100ª edi­ção quan­do au­tor fa­ria 95 anos

Folha de S.Paulo - - Primeira Página -

Al­va­ro Cos­ta e Sil­va

Des­de sua pu­bli­ca­ção, em 1956, “O Encontro Mar­ca­do” não pa­rou mais de cir­cu­lar e con­quis­tar lei­to­res. Uma ti­ra­gem es­ti­mu­lan­te pa­ra um úni­co li­vro de au­tor na­ci­o­nal —mais de 500 mil exem­pla­res—, che­gan­do a ter du­as reim­pres­sões por ano em épo­ca de mai­or di­fu­são no cur­rí­cu­lo bá­si­co de en­si­no.

Pois ago­ra a obra es­tá ba­ten­do uma mar­ca his­tó­ri­ca: a cen­té­si­ma edi­ção, que a Re­cord man­dou pa­ra as li­vra­ri­as no dia 12 de ou­tu­bro, quan­do Fer­nan­do Sa­bi­no com­ple­ta­ria 95 anos.

“É o pri­mei­ro gran­de exem­plo de au­to­fic­ção ur­ba­na. Sa­bi­no tem pre­o­cu­pa­ção, es­cri­ta e te­má­ti­ca de jo­vem. Tem las­tro ar­tís­ti­co e dei­xa o clás­si­co ‘Me­ni­no de En­ge­nho’, de Jo­sé Lins do Re­go, no chi­ne­lo”, afir­ma o es­cri­tor e crí­ti­co li­te­rá­rio Sil­vi­a­no San­ti­a­go.

“Em su­ma, ele co­me­ça a es­cre­ver pa­ra o fu­tu­ro e po­de­ro­sís­si­mo gru­po de lei­to­res clas­si­fi­ca­dos co­mo ‘young adults’ an­tes que a si­gla de su­ces­so co­mer­ci­al ti­ves­se si­do in­ven­ta­da”, com­ple­ta o crí­ti­co.

No li­vro de me­mó­ri­as “Ta­bu­lei­ro de Da­mas”, pu­bli­ca­do em 1988, Fer­nan­do Sa­bi­no con­fes­sa que o su­ces­so ime­di­a­to o im­pres­si­o­nou, e con­ti­nu­a­ria a sur­pre­en­der ao lon­go do tem­po: “A mi­nha vi­da ha­via che­ga­do a um im­pas­se. Foi uma es­pé­cie de ‘apu­ra­ção de ha­ve­res’ —es­te se­ria a prin­cí­pio o tí­tu­lo do li­vro”.

“Não te­ria con­di­ções de so­bre­vi­vên­cia se não es­cre­ves­se so­bre o que ti­nha vi­vi­do até aque­le mo­men­to. Ti­nha um encontro mar­ca­do co­mi­go mes­mo”, re­ve­lou o es­cri­tor, que es­ta­va com 30 anos quan­do ini­ci­ou a obra.

Ele ha­via se se­pa­ra­do da pri­mei­ra mu­lher, He­le­na, de­vol­vi­do o car­tó­rio que ga­nha­ra co­mo pre­sen­te de ca­sa­men­to do so­gro —o go­ver­na­dor Be­ne­di­to Va­la­da­res, ve­lha ra­po­sa da po­lí­ti­ca de Mi­nas Ge­rais— e vi­a­ja­do em 1946 pa­ra uma lon­ga tem­po­ra­da nos Es­ta­dos Uni­dos.

“A fór­mu­la do su­ces­so de ‘O Encontro Mar­ca­do’ se en­con­tra nas crô­ni­cas que Sa­bi­no es­cre­ve lo­go de­pois da guer­ra, em No­va York, reu­ni­das no li­vro ‘Ci­da­de Va­zia’. Nu­ma li­te­ra­tu­ra do­mi­na­da pe­la te­má­ti­ca re­gi­o­na­lis­ta, que cul­mi­na com a pu­bli­ca­ção de ‘Gran­des Ser­tão: Ve­re­das’, o es­cri­tor se apre­sen­ta co­mo voz vi­to­ri­o­sa e li­vre de preconceitos, voz jo­vem e ur­ba­na, evi­den­te­men­te nor­te-ame­ri­ca­ni­za­da”, apon­ta San­ti­a­go, lem­bran­do a se­me­lhan­ça do li­vro com “Es­te La­do do Pa­raí­so”, o ro­man­ce de es­treia de F. Scott Fitz­ge­rald.

De­pois dos con­tos de “Os Gri­los Não Can­tam Mais” (1941) e das no­ve­las de “A Vi­da Re­al” (1952), o au­tor tra­ba­lhou em du­as obras de mai­or fô­le­go: o ina­ca­ba­do “O Pon­to de Par­ti­da”, sa­ga de uma fa­mí­lia mi­nei­ra, “ro­man fleu­ve” na li­nha de “Os Bud­den­bro­ok”, de Tho­mas Mann; e, mais ou me­nos de brin­ca­dei­ra, o es­bo­ço do que se­ria “O Gran­de Men­te­cap­to”, mis­tu­ra de “Dom Qui­xo­te” com “Gar­gân­tua e Pan­ta­gru­el”, só con­cluí­do pa­ra va­ler em 1979.

“Sa­bi­no ado­ta co­mo mo­de­lo o ro­man­ce de for­ma­ção que vem de Go­ethe, pas­sa por Flau­bert e de­sem­bo­ca no Joy­ce de ‘Re­tra­to do Ar­tis­ta Quan­do Jo­vem’”, re­su­me Sil­vi­a­no San­ti­a­go.

“O Encontro Mar­ca­do” te­ve três ver­sões e “1001 des­ca­mi­nhos”, se­gun­do o au­tor, que gas­tou no ori­gi­nal mais de 1.400 pá­gi­nas pa­ra apro­vei­tar 300 e pou­cas. A pri­mei­ra edi­ção saiu pe­la Ci­vi­li­za­ção Bra­si­lei­ra —3.000 exem­pla­res que se es­go­ta­ram em dois me­ses.

Mes­mo com o li­vro pu­bli­ca­do, Sa­bi­no con­ti­nu­ou tra­ba­lhan­do ne­le. Au­tran Dou­ra­do, em seu en­saio “Uma Poé­ti­ca de Ro­man­ce”, su­ge­re que a se­gun­da edi­ção re­ce­beu “um ver­da­dei­ro ba­nho de so­da cáus­ti­ca no es­ti­lo”.

En­tre os crí­ti­cos e os co­le­gas de ofí­cio, a apro­va­ção foi qua­se unâ­ni­me. “O li­vro to­do pa­re­ce fil­ma­do em luz de rua, sem ‘ma­quil­la­ge’. Por is­so dá às ve­zes a im­pres­são de fal­ta ab­so­lu­ta de ‘li­te­ra­tu­ra’ —e en­tão se sen­te que es­te é o mo­do so­fis­ti­ca­do da li­te­ra­tu­ra”, re­gis­trou Cla­ri­ce Lis­pec­tor.

“A sua fra­se, Fer­nan­do, é uma fra­se clás­si­ca, no sen­ti­do de que nin­guém a di­ria me­lhor. Vo­cê é ca­paz de qual­quer mi­sé­ria com o tú­mu­lo do pen­sa­men­to hu­ma­no”, ana­li­sou Dal­ton Tre­vi­san nu­ma car­ta.

Ao acer­tar a mão no li­vro mais fa­mo­so, Fer­nan­do Sa­bi­no não es­con­deu as tin­tas au­to­bi­o­grá­fi­cas (o vá­cuo po­lí­ti­co, o ma­so­quis­mo cris­tão, a far­ra co­mo fu­ga). Mas usou um ar­ti­fí­cio que evi­ta a con­fu­são en­tre au­tor e per­so­na­gem. O ro­man­ce é es­cri­to nu­ma fal­sa ter­cei­ra pes­soa, to­do o en­fo­que é fei­to atra­vés do per­so­na­gem prin­ci­pal. O lei­tor só sa­be o que ele sa­be.

Uma eti­que­ta fi­cou in­dis­so­ciá­vel de “O Encontro Mar­ca­do”: o ro­man­ce de uma ge­ra­ção. Na ver­da­de, são ge­ra­ções que se iden­ti­fi­ca­ram com a obra. Quan­do ti­nha no­ve anos, o es­cri­tor João Pau­lo Cu­en­ca —ho­je com 40— fi­cou fas­ci­na­do com a his­tó­ria de Edu­ar­do Mar­ci­a­no.

“Foi o ar­qui­te­to de mi­nha in­fân­cia e ado­les­cên­cia, o li­vro que mais re­li na vi­da, im­por­tan­te de­mais pa­ra mi­nha for­ma­ção de es­cri­tor. O seu se­gre­do é a trans­pa­rên­cia da pro­sa fi­na e di­re­ta que nos abre um mun­do”, diz Cu­en­ca.

O ro­man­cis­ta Ig­ná­cio de Loyo­la Bran­dão, que tem 82 anos, lem­bra que leu o ro­man­ce lo­go em se­gui­da ao lan­ça- Fer­nan­do Sa­bi­no

Nas­ci­do em 12 de ou­tu­bro de 1923, em Be­lo Ho­ri­zon­te, es­cre­ve seu pri­mei­ro tra­ba­lho li­te­rá­rio aos 13 anos. Não pa­ra­ria mais. Es­cre­ve con­tos e crô­ni­cas pa­ra di­ver­sos jor­nais e re­vis­tas bra­si­lei­ras, além de pu­bli­car mais de 40 li­vros, en­tre eles ‘O Gran­de Men­te­cap­to’ e ‘O Me­ni­no no Es­pe­lho’. Em 1999, ga­nha da Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Le­tras o prê­mio Ma­cha­do de As­sis pe­lo con­jun­to de sua obra. Mor­re em 2004.

Diz seu epi­tá­fio: ‘Aqui jaz Fer­nan­do Sa­bi­no. Nas­ceu ho­mem, mor­reu me­ni­no’

“O li­vro to­do pa­re­ce fil­ma­do em luz de rua, sem ‘ma­quil­la­ge’. Por is­so dá às ve­zes a im­pres­são de fal­ta ab­so­lu­ta de ‘li­te­ra­tu­ra’ —e en­tão se sen­te que es­te é o mo­do so­fis­ti­ca­do da li­te­ra­tu­ra

Cla­ri­ce Lis­pec­tor

men­to: “Tí­nha­mos um gru­po de ami­gos em Ara­ra­qua­ra, éra­mos ra­tos de li­vra­ria e bi­bli­o­te­ca. Com­pra­mos um exem­plar, que foi pas­san­do de mão em mão. E fi­ca­mos pa­ra­li­sa­dos. So­mos nós, qua­se gri­ta­mos”.

“Ha­via gen­te que pen­sa­va co­mo nós e vi­via co­mo nós. Gen­te que ama­va sem ser ama­do, que na­mo­ra­va e de­pois ia pa­ra a zo­na, por­que não po­día­mos comer nossas na­mo­ra­das. Éra­mos an­gus­ti­a­dos e sen­tía­mos a náu­sea an­tes de ter­mos li­do Sar­tre. Sa­bi­no ha­via es­cri­to ‘A Náu­sea’ bra­si­lei­ra”, acre­di­ta Loyo­la.

Um se­gun­do ro­man­ce só vi­ria 23 anos de­pois, com “O Gran­de Men­te­cap­to”. Nes­se tem­po Sa­bi­no se ocu­pou em se trans­for­mar em um dos mai­o­res cro­nis­tas da li­te­ra­tu­ra bra­si­lei­ra. Mas uma ques­tão fi­cou pen­den­te: te­ria o enor­me su­ces­so de “O Encontro Mar­ca­do” blo­que­a­do o ro­man­cis­ta?

“Te­nho na mi­nha es­tan­te 29 li­vros de­le. Fer­nan­do Sa­bi­no era co­bra­do pa­ra que es­cre­ves­se mais e me­lho­res ro­man­ces, e so­fria com es­sa co­bran­ça”, afir­ma o es­cri­tor Luís Hen­ri­que Pel­lan­da.

“Bas­ta lem­brar do te­le­fo­ne­ma de Gui­ma­rães Ro­sa. Fer­nan­do aten­de e diz que es­ta­va es­cre­ven­do uma crô­ni­ca ou pe­ça de te­a­tro. Ro­sa la­men­ta, e o acon­se­lha a cons­truir pi­râ­mi­des e pa­rar de fa­zer bis­coi­tos. É um con­se­lho ane­dó­ti­co, di­ver­ti­do e, no fun­do, des­ne­ces­sá­rio. Fer­nan­do es­cre­veu o que ti­nha de es­cre­ver”, afir­ma Pel­lan­da.

Pau­lo Men­des Cam­pos no­tou que “O Encontro Mar­ca­do” é um ro­man­ce que “cor­re”. E co­mo! Cem edições.

O Encontro Mar­ca­do

Au­tor: Fer­nan­do Sa­bi­no. Editora Re­cord. R$ 52,90 (336 págs.)

M. Da­vi de Bar­ros - 22.nov.83/Fo­lha­press

Fer­nan­do Sa­bi­no du­ran­te en­tre­vis­ta pa­ra a Fo­lha em no­vem­bro de 1983

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.