Êxo­do na Ve­ne­zu­e­la só ces­sa se di­ta­du­ra aca­bar, diz opo­si­tor

As­ses­sor da OEA pa­ra cri­se mi­gra­tó­ria, Da­vid Smo­lansky afir­ma que re­gi­me é vi­ci­a­do em ma­tar

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Di­e­go Zer­ba­to

Opo­si­tor de Ni­co­lás Ma­du­ro, o ex-pre­fei­to Da­vid Smo­lansky afir­ma que o êxo­do na Ve­ne­zu­e­la só ces­sa­rá com o fim da di­ta­du­ra. Re­fu­gi­a­do no Bra­sil e as­ses­sor da OEA (Or­ga­ni­za­ção dos Es­ta­dos Ame­ri­ca­nos), ele diz que o re­gi­me é “vi­ci­a­do em ma­tar”.

Ao co­men­tar à Fo­lha o pro­gra­ma de re­pa­tri­a­ção lan­ça­do pe­lo man­da­tá­rio ve­ne­zu­e­la­no, Ni­co­lás Ma­du­ro, o ex-pre­fei­to opo­si­tor Da­vid Smo­lansky usou da­dos:

“Pa­ra ca­da cem ve­ne­zu­e­la­nos que o re­gi­me man­da de vol­ta, são 5.000 que sa­em to­dos os di­as. Não tem com­pa­ra­ção. En­quan­to con­ti­nue a di­ta­du­ra, o êxo­do vai con­ti­nu­ar.”

Fo­ra de seu país des­de se­tem­bro de 2017, quan­do che­gou ao Bra­sil após ter sua pri­são de­cre­ta­da na Ve­ne­zu­e­la por não im­pe­dir ma­ni­fes­ta­ções em El Ha­til­lo, um dos mu­ni­cí­pi­os de Ca­ra­cas, Smo­lansky foi in­di­ca­do pe­la OEA (Or­ga­ni­za­ção dos Es­ta­dos Ame­ri­ca­nos) pa­ra uma co­mis­são so­bre a cri­se mi­gra­tó­ria en­vol­ven­do seus com­pa­tri­o­tas.

O tra­ba­lho bus­ca ma­pe­ar a si­tu­a­ção dos mi­lha­res de emi­gran­tes que es­tão em paí­ses das Amé­ri­cas, a mai­o­ria dos cer­ca de 1,9 mi­lhão de ve­ne­zu­e­la­nos que dei­xa­ram seu país, se­gun­do a ONU, des­de 2015, quan­do co­me­çou a se apro­fun­dar a es­cas­sez de co­mi­da e de re­mé­di­os.

O lan­ça­men­to do gru­po foi fei­to com vi­a­gens em agos­to a dois pon­tos da fron­tei­ra: a ci­da­de co­lom­bi­a­na de Cú­cu­ta, prin­ci­pal por­ta de saí­da ter­res­tre da Ve­ne­zu­e­la, e o es­ta­do bra­si­lei­ro de Ro­rai­ma.

Ele con­si­de­ra crí­ti­ca a si­tu­a­ção na fron­tei­ra com a Colôm­bia e ci­ta o ca­so dos re­fei­tó­ri­os da Igre­ja Ca­tó­li­ca, em que o nú­me­ro de refeições for­ne­ci­das pas­sou de 2.000 em abril pa­ra 10 mil em agos­to.

A vi­si­ta ao Bra­sil ocor­reu di­as de­pois da ex­pul­são vi­o­len­ta de 1.200 ve­ne­zu­e­la­nos fei­ta pe­la po­pu­la­ção de Pa­ca­rai­ma, que tam­bém des­truiu os es­pa­ços que os abri­ga­vam.

“Ne­nhum ve­ne­zu­e­la­no es­tá in­do em­bo­ra por­que quer. Os mi­lha­res de ve­ne­zu­e­la­nos que ho­je es­tão des­lo­ca­dos são pe­la fal­ta de co­mi­da, pe­la fal­ta de re­mé­di­os, pe­la fal­ta de se- gu­ran­ça, pe­lo co­lap­so da eco­no­mia, e pe­la per­se­gui­ção po­lí­ti­ca”, afir­mou Smo­lansky.

No to­can­te a oc om ba­teàx eno­fo­bia, ele pe­de a aju­da­dos go­ver­nos e da so­ci­e­da­de ci­vil dos paí­ses re­cep­to­res: “Ape­sar de as ma­ni­fes­ta­ções xe­no­fó­bi­cas se­rem mi­no­ri­tá­ri­as e iso­la­das, não po­de­mos dei­xar que es­se fenô­me­no cres­ça.”

Em res­pos­ta, o re­gi­me, que ne­ga a exis­tên­cia da cri­se hu­ma­ni­tá­ria e afir­ma que os ve­ne­zu­e­la­nos dei­xam o país por vontade pró­pria, lan­çou seu pro­gra­ma de re­pa­tri­a­ção.

Se­gun­do a Chan­ce­la­ria, 7.907 pes­so­as ha­vi­am vol­ta­doà Ve­ne­zu­e­la co­ma aju­da das au­to­ri­da­des, sen­do mais de 6.000 vin­das do Bra­sil. Is­so re­pre­sen­ta 0,4% do to­tal de pes­so­as que saiu do país.

As­sim co­mo re­la­tó­ri­os da ONU, o ex-pre­fei­to ve­ne­zu­e­la­no se re­fe­re à cri­se mi­gra­tó­ria co­mo uma das mais gra­ves da his­tó­ria da Amé­ri­ca La­ti­na e a mais vo­lu­mo­sa nes­te mo­men­to no He­mis­fé­rio Oci­den­tal.

Por ou­tro la­do, ele dis­cor­da do se­cre­tá­rio-ge­ral da OEA, Luis Al­ma­gro, em re­la­ção à so­lu­ção pa­ra a cri­se em seu país. Smo­lansky es­ta­va mes­ma co­mi­ti­va que foi a Cú­cu­ta quan­do o uru­guaio dis­se ava­li­ar até uma in­ter­ven­ção mi­li­tar pa­ra ti­rar Ma­du­ro do po­der.

“Es­tou con­ven­ci­do de que, se au­men­ta a pres­são da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal con­tra a di­ta­du­ra, po­den­do re­to­mar os pro­tes­tos nas ru­as e, além dis­so, há um com­por­ta­men­to dos di­ri­gen­tes de bai­xa e mé­dia pa­ten­te das For­ças Ar­ma­das que que­rem re­cu­pe­rar a de­mo­cra­cia”, dis­se. “Se se jun­tam es­sas três coi­sas, acho que os di­as de Ma­du­ro no po­der es­ta­ri­am con­ta­dos.”

Ele pa­ra­be­ni­zou os se­te paí­ses que de­nun­ci­a­ram o man­da­tá­rio ao TPI (Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal), mas rei­te­rou seu pe­di­do aos go­ver­nos la­ti­no-ame­ri­ca­nos pa­ra apli­car san­ções con­tra o re­gi­me, além de dar vi­si­bi­li­da­de à cri­se mi­gra­tó­ria na re­gião.

Qu­es­ti­o­na­do so­bre a di­fi­cul­da­de pa­ra que se de­em as con­di­ções in­ter­nas pa­ra a saí­da de Ma­du­ro e as di­vi­sões da opo­si­ção ao re­gi­me, Smo­lansky cul­pa a re­pres­são aos pro­tes­tos e ao dis­sen­so e a es­tra­té­gia cha­vis­ta con­tra os ri­vais.

“Não es­ta­mos uni­dos por­que ho­je não é pos­sí­vel ter al- gum ti­po de diá­lo­go de opo­si­ção com um re­gi­me que não tem pa­la­vra e que sem­pre usou seus cha­ma­dos por diá­lo­go pa­ra di­vi­dir pa­ra des­mo­bi­li­zar pa­ra en­ga­nar e pa­ra ga­nhar tem­po”, de­cla­rou.

“Es­te re­gi­me es­tá vi­ci­a­do em ma­tar, co­mo es­te­ve du­ran­te as ma­ni­fes­ta­ções”, afir­mou o ex­pre­fei­to so­bre a mor­te sus­pei­ta do ve­re­a­dor Fer­nan­do Al­bán, na úl­ti­ma se­gun­da (8) na se­de do Ser­vi­ço Bo­li­va­ri­a­no de In­te­li­gên­cia (Se­bin, a po­lí­cia po­lí­ti­ca do re­gi­me).

“Pe­di­mos à co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, aos go­ver­nos da Amé­ri­ca La­ti­na, à União Eu­ro­peia, que nes­te mo­men­to exi­jam a pro­te­ção dos pre­sos po­lí­ti­cos por­que cor­rem um ris­co, mui­to mais do que já es­ta­vam cor­ren­do.”

Eric Ba­ra­dat - 24.nov.17/AFP

O ex-pre­fei­to opo­si­tor Da­vid Smo­lansky, que ho­je che­fia co­mis­são da OEA so­bre cri­se mi­gra­tó­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.