Na TV, de­pu­ta­do cho­ra e pe­tis­ta diz que cam­pa­nha não é de um par­ti­do

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Lu­ci­a­na Co­e­lho

Co­mo em th­ril­lers de fil­mes de sus­pen­se, om edoéa men­sa­gem cen­tral na re­es­treia dos pro­gra­mas de Jair Bol­so­na­ro (PSL)e Fer­nand oH add ad( PT ), que o evo­cam pe­lo ins­tin­to.

Pas­sa­da a pre­mis­sa, há con­tras­te de te­or e lin­gua­gem.

A equi­pe do PSL, com 37,5 ve­zes o tem­po que ti­nha no ho­rá­rio elei­to­ral do pri­mei­ro tur­no, es­co­lheu um tom ins­ti­tu­ci­o­nal que lem­bra os fil­mes go­ver­na­men­tais do ci­ne­as­ta Hum­ber­to Mau­ro (1897-1983) pa­ra pro­mo­ver va­lo­res na­ci­o­nais nas dé­ca­das de 1940 a 1960. A nar­ra­ção e a mú­si­ca alar­mis­ta que mar­cam a pe­ça ema­nam os anos 1980.

A pri­mei­ra ima­gem na­tel aé aque­da­do Mu ro­de Ber­lim, em 1989, se­gui­da de Cu­ba—er­ro­ne­a­men­te cha­ma­da de país mais atra­sa­do da re­gião— e da Ve­ne­zu­e­la, mer­gu­lha­da em cri­se de­vas­ta­do­ra.

(A ilha so­ci­a­lis­ta é o sex­to país la­ti­no-ame­ri­ca­no no ran­king de Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no, à fren­te do Bra­sil mais 16 na­ções, des­con­ta­das pe­que­nas ilhas ca­ri­be­nhas).

A ideia é di­zer que o pro­je­to pe­tis­ta, com o Fo­ro de São Pau­lo (1990), é dis­se­mi­nar o so­ci­a­lis­mo à cu­ba­na e ve­ne­zu­e­la­na, as­so­ci­an­do a is­so dis­cur­sos do ex-pre­si­den­te Lu­la e ima­gens de­le com Had­dad e Dil­ma Rous­seff. O fan­tas­ma co­mu­nis­ta, afi­nal, tem si­do pro­ta­go­nis­ta da cam­pa­nha.

A es­co­lha dos elei­to­res que apa­re­cem no pro­gra­ma re­for­ça es­se su­pos­to te­mor e re­ve­la ain­da o es­for­ço pa­ra que­brar a ideia de que Bol­so­na­ro é aves­so a mu­lhe­res e ne­gros, ape­sar de seus dis­cur­sos pas­sa­dos: su­ce­dem-se em de­poi­men­tos uma mu­lher bran­ca, um ho­mem ne­gro, uma mu­lher ne­gra, um ho­mem bran­co.

Pas­sa­do o im­pac­to, pa­la­vras po­si­ti­vas se so­bre­põem à men­sa­gem ne­ga­ti­va, co­brin­do a te­la: “gra­ti­dão”, “Deus”, “de­ter­mi­na­ção”, “ver­da­de”. É no­tá­vel a pre­o­cu­pa­ção de mos­trar Bol­so­na­ro for­te, al­go pro­vi­den­ci­al di­an­te de ques­ti­o­na­men­tos de que seu vi­ce, um ge­ne­ral, po­de­ria se so­bre­por à sua pa­ten­te in­fe­ri­or, ca­pi­tão.

A fa­ca­da que o can­di­da­to le­vou é apre­sen­ta­da, des­ta for­ma, sob a luz da re­si­li­ên­cia.

Em vez de pro­je­tos de seus 27 anos co­mo de­pu­ta­do pe­lo Rio, são evo­ca­das as pa­la­vras “ho­nes­to”, “fir­me”, “voz for­te”, fo­ra de “con­cha­vos”. Sen­ti­men­to so­bre­põe-se a fa­tos.

Nes­se pon­to, o pro­gra­ma vi­ra a cha­ve pa­ra hu­ma­ni­zar Bol­so­na­ro. Ele é ca­sa­do, pai de qua­tro ho­mens e uma me­ni­na que diz ter mu­da­do sua vi­da.

Al­guns se­gun­dos são de­di­ca­dos a pai e fi­lha e ao de­poi­men­to emo­ti­vo do can­di­da­to. No fil­me, o ho­mem ca­paz de der­ro­tar a su­pos­ta ame­a­ça so­ci­a­lis­ta tem, afi­nal, co­ra­ção.

Pa­ra o ter­cei­ro vér­ti­ce da cam­pa­nha (me­do do ou­tro/ fa­mí­lia e fé/pa­tri­o­tis­mo), sur­ge o hi­no na­ci­o­nal e a men­sa­gem “Deus aci­ma de to­dos”.

É um pro­gra­ma efi­ci­en­te pa­ra o elei­tor bol­so­na­ris­ta, que es­pe­lha a cam­pa­nha que o con­sa­grou no pri­mei­ro tur­no em sua exa­ta or­dem de pri­o­ri­da­des: com­ba­ter o PT, lou­var a fa­mí­lia, en­gran­de­cer a Pá­tria.

Por sua vez, o pro­gra­ma de Had­dad co­me­ça na mes­ma li­nha, ape­sar de be­ber no mar­ke­ting po­lí­ti­co da úl­ti­ma dé­ca­da. An­tes de mos­trar o pe­tis­ta, uma atriz (mu­lher ne­gra, co­mo a mai­o­ria dos elei­to­res mos­tra­dos no pro­gra­ma) lis­ta agres­sões fí­si­cas a mi­no­ri­as e mi­li­tan­tes nos úl­ti­mos di­as, in­cluin­do um as­sas­si­na­to.

É lem­bra­da a des­trui­ção da pla­ca com o no­me da ve­re­a­do­ra as­sas­si­na­da Ma­ri­el­le Fran­co, no Rio, por apoi­a­do­res de Bol­so­na­ro. Evo­ca-se a fal­ta de res­pei­to e a su­pres­são de di­rei­tos, e em se­gui­da mul­ti­pli­cam-se ima­gens do can­di­da­to ri­val si­mu­lan­do ati­rar.

A men­sa­gem de me­do não é me­nos pri­mal do que aque­la lan­ça­da no pro­gra­ma ad­ver­sá­rio: “Se a vi­o­lên­cia es­tá as­sim ago­ra, ima­gi­ne quan­do ele [Bol­so­na­ro] for elei­to” —nar­ra­ti­va à qual o PT se afer­rou.

Só aí en­tra Had­dad em ce­na, pro­pon­do-se co­mo al­ter­na­ti­va e pro­me­ten­do paz e ga­ran­tia de di­rei­tos pa­ra to­dos.

Lu­la é lem­bran­ça dis­cre­ta — me­ros cin­co se­gun­dos, em dis­cur­so no qual elogia Had­dad.

As­sim co­mo com Bol­so­na­ro, a tra­je­tó­ria do ex-pre­fei­to de São Pau­lo é vis­ta do pon­to de vis­ta fa­mi­li­ar: ca­sa­do há 30 anos com a mes­ma mu­lher, pro­fes­sor, for­ma­do em di­rei­to e eco­no­mia —bus­ca as­sim se di­fe­ren­ci­ar do ter­cei­ro ca­sa­men­to e da es­co­la­ri­da­de mais curta do ad­ver­sá­rio.

Es­se Had­dad “sim­pá­ti­co” ain­da ten­ta se des­pe­ti­zar, fri­san­do que sua cam­pa­nha (que tro­cou o ver­me­lho pe­las co­res da ban­dei­ra na­ci­o­nal, li­mi­tan­do-o ao nú­me­ro 13) “não é de um par­ti­do, mas de to­dos que de­fen­dem a de­mo­cra­cia”.

O en­re­do da pe­ça tem for­ça en­tre o elei­to­ra­do de Had­dad, mas não en­con­trou eco ain­da en­tre par­ti­dos e po­lí­ti­cos que o pe­tis­ta gos­ta­ria de tra­zer pa­ra o seu la­do.

As­sim co­mo no pro­gra­ma de Bol­so­na­ro, o alar­mis­mo ini­ci­al é subs­ti­tuí­do aos pou­cos por uma mú­si­ca mais ale­gre (um sam­ba) que pre­ga a união.

Em con­tras­te com o ad­ver­sá­rio, po­rém, o pro­gra­ma de Had­dad mos­tra bre­ve­men­te pro­pos­tas do can­di­da­to pa­ra edu­ca­ção e em­pre­gos, nu­ma apa­ren­te ten­ta­ti­va de ir além das re­a­ções ins­tin­ti­vas.

É o úni­co mo­men­to, das du­as pe­ças, em que a in­for­ma­ção pre­va­le­ce so­bre a emo­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.