João Do­ria vai ao Rio pa­ra en­con­trar Bol­so­na­ro, mas não é re­ce­bi­do por ele

Em pri­mei­ro pro­gra­ma elei­to­ral do 2º tur­no, pre­si­den­ciá­veis ten­tam di­mi­nuir re­jei­ção de elei­to­res

Folha de S.Paulo - - Primeira Página -

Os dois can­di­da­tos à Pre­si­dên­cia ten­ta­ram, em seus pri­mei­ros pro­gra­mas elei­to­rais de se­gun­do tur­no exi­bi­dos em TV e rá­dio nes­ta sex­ta-fei­ra (12), con­ven­cer os elei­to­res de que não há mo­ti­vos pa­ra re­jei­tá-los —e sim aos seus ad­ver­sá­ri­os.

Jair Bol­so­na­ro (PSL), que bus­ca o elei­to­ra­do fe­mi­ni­no, cho­rou ao fa­lar de sua fi­lha ca­çu­la, Lau­ra, a pri­mei­ra após ser pai de qua­tro fi­lhos.

O can­di­da­to reu­ti­li­zou um ví­deo que já ha­via pu­bli­ca­do na in­ter­net so­bre co­mo de­ci­diu que iria ten­tar a pa­ter­ni­da­de no­va­men­te. Diz que de­ci­diu des­fa­zer uma va­sec­to­mia.

“Mu­dou, sim, mui­to a mi­nha vi­da a che­ga­da da Lau­ra”, afir­mou, an­tes de apa­re­cer em ví­deo brin­can­do e pe­din­do o bei­jo da fi­lha.

En­quan­to is­so, Fer­nan­do Had­dad (PT) apos­tou su­as fi­chas em con­quis­tar o apoio do elei­tor an­ti­pe­tis­ta. Fa­lan­do em di­re­ção ao ví­deo, dis­se que sua “cam­pa­nha não é de um par­ti­do, é de to­dos os que que­rem mu­dar o país”. Pe­diu o vo­to de “to­dos que são a fa­vor da de­mo­cra­cia”.

Am­bas as cam­pa­nhas tam­bém ten­ta­ram co­lar no ou­tro uma ima­gem ne­ga­ti­va.

En­quan­to Bol­so­na­ro apon­ta pa­ra o ris­co de “ve­ne­zu­e­li­za­ção”, com a vol­ta do PT ao po­der, Had­dad re­la­ci­o­na o ad­ver­sá­rio à vi­o­lên­cia.

Bol­so­na­ro di­vul­gou uma fa­la de Lu­la que faz re­fe­rên­cia à che­ga­da de par­ti­dos de es­quer­da a go­ver­nos na Amé­ri­ca La­ti­na. “To­dos aque­les que par­ti­ci­pa­ram do Fo­ro de São Pau­lo che­ga­ram ao po­der”, diz Lu­la, em áu­dio exi­bi­do pe­la cam­pa­nha ad­ver­sá­ria.

O ví­deo do can­di­da­to do PSL ain­da diz que o ver­me­lho, cor do PT, é “um si­nal de aler­ta pa­ra o que não qu­e­re­mos no país”. “O ver­me­lho ja­mais foi a cor da es­pe­ran­ça”, diz o lo­cu­tor, em tom alar­mis­ta.

Já na cam­pa­nha pe­tis­ta são exi­bi­das ce­nas em que Bol­so­na­ro faz re­fe­rên­cia a ar­mas com os de­dos e o epi­só­dio em que ele dis­se que ia “fu­zi­lar a pe­tra­lha­da” no Acre.

Li­gou atos de vi­o­lên­cia que acon­te­ce­ram no país, co­mo o ca­so de uma jo­vem do Rio Gran­de do Sul que diz ter ti­do uma suás­ti­ca mar­ca­da com ca­ni­ve­te na bar­ri­ga, à cam­pa­nha do ad­ver­sá­rio.

Pe­la pri­mei­ra vez, Had­dad usou uma apre­sen­ta­do­ra pa­ra fa­zer crí­ti­cas e pro­pos­tas — co­mo acon­te­cia no pro­gra­ma de Ge­ral­do Alck­min (PSDB).

Tam­bém mu­dou o jin­gle an­te­ri­or, que era as­so­ci­a­do a Lu­la e pro­me­tia “o Bra­sil fe­liz de no­vo”.

O no­vo jin­gle pe­de “to­dos pe­lo Bra­sil”. Lu­la apa­re­ce bre­ve­men­te na pro­pa­gan­da, di­zen­do que “nin­guém fez mais pe­la edu­ca­ção do que Had­dad”. O can­di­da­to foi mi­nis­tro da Edu­ca­ção nos go­ver­nos do PT.

Tan­to um can­di­da­to co­mo o ou­tro ten­ta­ram se li­gar a va­lo­res fa­mi­li­a­res. O nar­ra­dor do pro­gra­ma de Bol­so­na­ro diz que ele sem­pre, co­mo de­pu­ta­do, foi o de­fen­sor des­ses te­mas.

Já a cam­pa­nha de Had­dad res­sal­ta que Ana Es­te­la, sua mu­lher, é “sua mai­or pai­xão, com quem é ca­sa­do há 30 anos e tem dois fi­lhos”.

Bol­so­na­ro fi­cou com 46% dos vo­tos vá­li­dos no pri­mei­ro tur­no, con­tra 29% de Had­dad.

De acor­do com pes­qui­sa Da­ta­fo­lha di­vul­ga­da na quar­ta-fei­ra (10), o ca­pi­tão re­for­ma­do tem 58% dos vo­tos vá­li­dos pa­ra o se­gun­do tur­no, con­tra 42% do ex-pre­fei­to de São Pau­lo. si­dên­cia da Re­pú­bli­ca.

“Már­cio Fran­ça é es­quer­dis­ta, um ge­né­ri­co do PT”, diz Do­ria. “Não po­de­mos nos dei­xar en­ga­nar por al­guém des­co­nhe­ci­do, que ago­ra, vo­cê vai des­co­brir nes­se se­gun­do tur­no, é um lo­bo em pe­le de cor­dei­ro.”

En­quan­to is­so, Fran­ça faz o ca­mi­nho opos­to e re­gi­o­na­li­za as crí­ti­cas.

Ele vol­tou a ata­ca­ra re­nún­cia de Dor iaàP­re fei­tu­ra de São Paul opa­ra con­cor­re­ra o go­ver­no, ape­sar de o tu­ca­no ter afir­ma­do que não dei­xa­ria a ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal.

“São Pau­lo não acei­ta quem men­te, quem não cum­pre seus com­pro­mis­sos, quem trai os seus ami­gos por con­ve­ni­ên­cia eco­lo­ca su­as am­bi­ções aci­ma de tu­do”, afir­ma Fran­ça. “Meu ad­ver­sá­rio não tem li­mi­te, faz qual­quer coi­sa pe­lo po­der.”

An­tes, em seu pro­gra­ma, Do­ria se an­te­ci­pou à crí­ti­ca e jus­ti­fi­cou a re­nún­cia co­mo uma de­ci­são que to­mou pa­ra não dei­xar o go­ver­no nas mãos de Fran­ça.

“Quan­do sou­be que ele, Már­cio Fran­ça, ia ser can­di­da­to a go­ver­na­dor, me per­gun­tei: e o nos­so es­ta­do, vai fi­car nas mãos de quem? Do Már­cio Fran­ça? Aí eu vi que as coi­sas não po­de­ri­am fi­car as­sim e fui pra bri­ga”, dis­se Do­ria na TV.

A dis­pu­ta de na­ci­o­na­li­za­ção con­tra re­gi­o­na­li­za­ção tam­bém é fei­ta nas citações a ali­a­dos. Do­ria afir­ma mais de uma vez que apoia Bol­so­na­ro, en­quan­to Fran­ça ci­ta o ex­go­ver­na­dor Ge­ral­do Alck­min (PSDB), de quem era vi­ce até a re­nún­cia em abril des­te ano. Alck­min con­cor­reu à Pre­si­dên­cia e foi der­ro­ta­do em pri­mei­ro tur­no.

Uma das car­ta­das do can­di­da­to do PSB pa­ra ob­ter no­vo elei­to­ra­do foi exi­bir fa­la de Pau­lo Skaf, pre­si­den­te da Fi­esp (fe­de­ra­ção das in­dús­tri­as do es­ta­do) em seu apoio.

Skaf foi can­di­da­to pe­lo MDB e ob­te­ve 21,1% dos vo­tos, qua­se a mes­ma por­cen­ta­gem de Fran­ça, que fi­cou com 21,5%. Fi­cou em ter­cei­ro lu­gar.

Fo­tos Re­pro­du­ção

Pro­pa­gan­da de Bol­so­na­ro ci­ta a que­da do Mu­ro de Ber­lim pa­ra fa­lar do PT

No pro­gra­ma de Had­dad, o nar­ra­dor fa­la so­bre a mor­te de Moa do Ka­ten­dê na Bahia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.