Mãe de as­sal­tan­te mor­to processa PM por ter usa­do ví­deo em cam­pa­nha

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Ro­gé­rio Gen­ti­le

A co­zi­nhei­ra Re­gi­a­ne Ne­ves da Sil­va Fer­ra­ri per­deu o fi­lho Eli­vel­ton no dia 12 de maio, mo­men­tos de­pois de o ra­paz de 20 anos anun­ci­ar um as­sal­to em fren­te ao co­lé­gio Fer­rei­ra Mas­ter, em Su­za­no (Gran­de São Pau­lo).

Uma po­li­ci­al mi­li­tar de fol­ga, que acom­pa­nha­va a fi­lha de se­te anos na es­co­la, re­a­giu ao cri­me e ma­tou o as­sal­tan­te com três dis­pa­ros.

O ca­so trou­xe sú­bi­ta no­to­ri­e­da­de à po­li­ci­al Ka­tia da Sil­va Sas­tre —que, ex­plo­ran­do o epi­só­dio na cam­pa­nha, ele­geu-se de­pu­ta­da fe­de­ral pe­lo PR com 264.013 vo­tos. Foi a sé­ti­ma mais vo­ta­da no es­ta­do de São Pau­lo.

“Ela es­ta­va fa­zen­do o ser­vi­ço de­la, não ques­ti­o­nei e não ques­ti­o­no”, afir­ma a co­zi­nhei­ra de 48 anos, que tem ou­tros 4 fi­lhos e 7 ne­tos.

“Co­mo po­li­ci­al, ela po­dia ma­tar, eu tam­bém ia ten­tar pro­te­ger os pe­que­nos nu­ma si­tu­a­ção co­mo aque­la”, afir­ma, em­bo­ra di­ga ter cer­te­za de que o fi­lho não pre­ten­dia ata­car os es­tu­dan­tes. “Ele sem­pre foi mui­to ca­ri­nho­so com cri­an­ças”, diz.

Ain­da que não a cul­pe pe­la mor­te do fi­lho, Re­gi­na en­trou nas vés­pe­ras da elei­ção com um pe­di­do de in­de­ni­za­ção na Jus­ti­ça por da­nos mo­rais con­tra a po­li­ci­al e o seu par­ti­do.

“Ao exi­bir a ce­na na pro­pa­gan­da elei­to­ral, dia após dia, ela me tor­tu­rou e à mi­nha fa­mí­lia de um mo­do ter­rí­vel”, afir­ma a co­zi­nhei­ra, que co­bra R$ 477 mil na ação.

Na pro­pa­gan­da, após di­vul­gar as ima­gens gra­va­das por uma câ­me­ra de vi­gi­lân­cia ins­ta­la­da na es­co­la, a en­tão can­di­da­ta di­zia que ati­rou e que ati­ra­ria de no­vo. “Te­nho co­ra­gem”, afir­ma­va.

“Quan­do di­zia que ma­tou e que ma­ta­ria de no­vo, eu pen­sa­va que era a mim que ela es­ta­va que­ren­do ma­tar”, diz a co­zi­nhei­ra. “Afi­nal, meu fi­lho já es­tá mor­to, eu que es­ta­va so­fren­do na fren­te da TV.”

Re­gi­na diz que foi di­ag­nos­ti­ca­da com de­pres­são e que vi­ve à ba­se de re­mé­di­os. “O que ela fez foi um ab­sur­do”, de­cla­ra. “To­da vez que a ce­na apa­re­cia na TV, meus ne­tos gri­ta­vam: ‘vó, es­tão ma­tan­do o Zo­ca de no­vo, ve­nha ver’.”

No pro­ces­so, a ad­vo­ga­da Vic­tó­ria Ei­ras Mon­tei­ro, do es­cri­tó­rio J. Be­ral­do, diz que a hon­ra e a ima­gem do fi­lho da co­zi­nhei­ra fo­ram de­ne­gri­das e que a si­tu­a­ção cau­sou cons­tran­gi­men­to e so­fri­men­to à fa­mí­lia. “Exi­bi­ram de ma­nei­ra cru­el e es­pú­ria a ima­gem do fa­le­ci­do”, diz, no tex­to.

A co­zi­nhei­ra re­cla­ma tam­bém do go­ver­na­dor Már­cio Fran­ça (PSB), que ho­me­na­ge­ou a PM no dia se­guin­te.

Na oca­sião, Fran­ça en­tre­gou-lhe flo­res e dis­se que o even­to era pa­ra “cum­pri­men­tar a des­tre­za, a téc­ni­ca e a co­ra­gem” da ca­bo e que fa­zia a ce­rimô­nia pe­lo Dia das Mães. “E ela é mãe”, afir­mou.

“Co­mo pô­de o go­ver­na­dor elo­gi­ar aque­le epi­só­dio no Dia das Mães?”, ques­ti­o­na. “O mor­to tam­bém tem mãe, mas é cla­ro que ele pre­ci­sa­va plan­tar pa­ra co­lher os vo­tos na elei­ção, não é?”

A co­zi­nhei­ra, que não re­ve­la em que vo­tou na dis­pu­ta, afir­ma que o fi­lho foi um ado­les­cen­te ma­ra­vi­lho­so, mas que pas­sou a co­me­ter cri­mes em ra­zão das más com­pa­nhi­as.

“Ten­tei de tu­do, fiz tu­do o que uma boa mãe faz pe­lo fi­lho”, afir­ma. “Mas não con­se­gui ti­rá-lo da cri­mi­na­li­da­de.”

Eli­vel­ton era um bom fi­lho, res­pei­ta­dor, diz. “Sei que ele es­ta­va er­ra­do, nun­ca dis­se na­da em con­trá­rio”, afir­ma. “Quem apon­ta uma ar­ma pa­ra al­guém es­tá sem­pre er­ra­do”, re­co­nhe­ce a mãe.

A co­zi­nhei­ra diz, no en­tan­to, que is­so não mu­da o fa­to de que o ama­rá pa­ra sem­pre.

Pro­cu­ra­da pe­la Fo­lha ,ade­pu­ta­da elei­ta Ká­tia Sas­tre afir­mou que não foi no­ti­fi­ca­da da ação e que, por is­so, não po­de­ria fa­zer ne­nhum co­men­tá­rio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.