Sim Da on­da à or­ga­ni­za­ção po­lí­ti­ca

Triun­fo vis­to na elei­ção não se ex­pli­ca por re­a­ção mo­men­tâ­nea

Folha de S.Paulo - - Opinião -

Lucas Ro­dri­gues Azam­bu­ja Dou­tor em so­ci­o­lo­gia pe­la USP, pro­fes­sor-ti­tu­lar no Ib­mec-MG e co­or­de­na­dor do La­bo­ra­tó­rio de Aná­li­se de Am­bi­en­te de Ne­gó­ci­os na mes­ma ins­ti­tui­ção

Quan­do se fa­la em “on­da de di­rei­ta” ou “on­da con­ser­va­do­ra”, es­tá se co­lo­can­do em um mes­mo ró­tu­lo uma di­ver­si­da­de de gru­pos que não são ide­o­lo­gi­ca­men­te idên­ti­cos. Po­rém, é es­sa di­ver­si­da­de a ra­zão prin­ci­pal pa­ra afir­mar que es­ta “on­da” não é pas­sa­gei­ra, mas ex­pres­são de seg­men­tos da po­pu­la­ção que até en­tão não es­ta­vam sen­do re­pre­sen­ta­dos po­li­ti­ca­men­te.

É ver­da­de que uma par­te da di­rei­ta é ex­pres­são de um sen­ti­men­to con­jun­tu­ral: o an­ti­pe­tis­mo, cu­jo avan­ço se deu em ra­zão do en­vol­vi­men­to do Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res nos es­cân­da­los de cor­rup­ção des­co­ber­tos pe­la La­va Ja­to e tam­bém pe­la re­ces­são econô­mi­ca pro­du­zi­da no go­ver­no Dil­ma.

Por­tan­to, tal­vez es­sa se­ja a par­te da on­da de di­rei­ta que é pas­sa­gei­ra. Po­rém, es­sa con­jun­tu­ra le­vou à ex­pres­são e à or­ga­ni­za­ção po­lí­ti­ca de ou­tros gru­pos.

O pri­mei­ro des­ses gru­pos é o mo­vi­men­to li­be­ral, que co­me­ça a cres­cer du­ran­te as ma­ni­fes­ta­ções fa­vo­rá­veis ao im­pe­a­ch­ment de Dil­ma Rous­seff por meio de li­de­ran­ças co­mo o MBL e se or­ga­ni­zam es­pe­ci­al­men­te no par­ti­do No­vo.

O se­gun­do gru­po são os con­ser­va­do­res, um con­jun­to di­fu­so de pes­so­as que co­me­ça a ser for­ma­do pe­la in­fluên­cia e po­pu­la­ri­da­de do fi­ló­so­fo Ola­vo de Car­va­lho e tem se ex­pres­sa­do po­li­ti­ca­men­te na can­di­da­tu­ra de Jair Bol­so­na­ro e tam­bém em mo­vi­men­tos pró-mo­nar­quis­tas.

O ter­cei­ro e quar­to gru­po pos­suíam ban­ca­das par­la­men­ta­res an­tes da “on­da con­ser­va­do­ra”, mas re­cen­te­men­te es­tão se po­si­ci­o­nan­do mais à di­rei­ta: o agro­ne­gó­cio e os evan­gé­li­cos, jun­to com ca­tó­li­cos con­ser­va­do­res.

A ban­ca­da do agro­ne­gó­cio tem co­mo prin­ci­pal ban­dei­ra a opo­si­ção ao MST e ao ati­vis­mo am­bi­en­ta­lis­ta. Os evan­gé­li­cos e ca­tó­li­cos con­ser­va­do­res se opõem às ban­dei­ras da ban­ca­da LGBT e di­rei­tos hu­ma­nos, es­pe­ci­al­men­te na ques­tão da le­ga­li­za­ção do abor­to e das dro­gas, as­sim co­mo em te­mas li­ga­dos à edu­ca­ção, ca­ben­do des­ta­que ao mo­vi­men­to Es­co­la sem Par­ti­do.

Por úl­ti­mo, um gru­po li­ga­do às For­ças Ar­ma­das e às Po­lí­ci­as Mi­li­ta­res que se uniu com mo­vi­men­tos so­ci­ais em tor­no do fim do de­sar­ma­men­to ci­vil e em fa­vor de po­lí­ti­cas de se­gu­ran­ça pú­bli­ca mais du­ras. Es­se gru­po é tão nu­me­ro­so quan­to aque­le das ban­dei­ras de “di­rei­tos hu­ma­nos”, que tra­di­ci­o­nal­men­te se iden­ti­fi­ca com a es­quer­da.

Nes­tas elei­ções, es­ses gru­pos ele­ge­ram uma quan­ti­da­de ex­pres­si­va de se­na­do­res —por exem­plo, o Ma­jor Olim­pio (PSL), que ti­rou a va­ga de Edu­ar­do Su­plicy (PT)— e de­pu­ta­dos es­ta­du­ais e fe­de­rais; in­clu­si­ve, as du­as mai­o­res vo­ta­ções da his­tó­ria des­ses dois car­gos fo­ram de dois can­di­da­tos que in­te­gram a on­da de di­rei­ta: Ja­nai­na Pas­cho­al e Edu­ar­do Bol­so­na­ro.

Es­ses gru­pos não ex­pres­sam ape­nas um sen­ti­men­to di­fu­so de in­sa­tis­fa­ção com os par­ti­dos de es­quer­da no con­tex­to do an­ti­pe­tis­mo; eles ex­pres­sam va­lo­res, in­te­res­ses e ide­o­lo­gi­as exis­ten­tes den­tro da so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra que não es­ta­vam sen­do re­pre­sen­ta­das po­li­ti­ca­men­te.

Não é, por­tan­to, mo­ti­va­do por uma re­a­ção mo­men­tâ­nea. Por is­so, é pos­sí­vel pre­ver que es­ses gru­pos, ao ele­ge­rem par­la­men­ta­res em to­dos os ní­veis da Re­pú­bli­ca e com a chan­ce re­al de vi­tó­ria de Bol­so­na­ro, irão cres­cer em or­ga­ni­za­ção po­lí­ti­ca e se tor­na­rem par­te per­ma­nen­te do es­pec­tro po­lí­ti­co bra­si­lei­ro, que até en­tão tem si­do for­ma­do ape­nas por par­ti­dos e can­di­da­tos en­tre o cen­tro até a ex­tre­ma es­quer­da.

Tam­bém por pos­suir or­ga­ni­za­ções e ori­gens em mo­vi­men­tos da so­ci­e­da­de ci­vil, a on­da de di­rei­ta não é so­men­te um fenô­me­no elei­to­ral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.