Não O que pa­re­ce só­li­do se des­faz

Na­da é eter­no, mas ho­je é im­pe­ri­o­so der­ro­tar o fas­cis­mo

Folha de S.Paulo - - Opinião - Lí­via Ser­ri Fran­coio Ri­car­do An­tu­nes Pro­fes­sor ti­tu­lar de so­ci­o­lo­gia no IFCH/Uni­camp e au­tor de “O Pri­vi­lé­gio da Ser­vi­dão” (Boi­tem­po)

Des­de a di­ta­du­ra mi­li­tar as elei­ções nun­ca fo­ram tão agô­ni­cas. Tal­vez 2018 en­con­tre al­gu­ma si­mi­li­tu­de com 1989, quan­do Col­lor apa­re­ceu co­mo aza­rão ci­vil que em­pol­gou os “de ci­ma” e ar­ras­tou mui­tos “de bai­xo”. Du­rou dois anos e ar­re­ben­tou o país. Em­po­bre­ceu ain­da mais os que pou­co ti­nham. O no­vo aza­rão, ago­ra se­mi­far­da­do, uma es­pé­cie de Trump dos gro­tões, vo­ci­fe­ra “con­tra o sis­te­ma” que só o be­ne­fi­ci­ou.

Se­ria mes­mo um mi­la­gre que, em um mun­do tão con­tur­ba­do, al­go si­mi­lar aqui não ocor­res­se. Trump nos EUA, o “bre­xit” no Rei­no Uni­do, ne­o­na­zis­mo na Ale­ma­nha, Or­bán xe­nó­fo­bo na Hun­gria, e Mat­teo Sal­vi­ni, mi­nis­tro fas­cis­ta de­ci­din­do a po­lí­ti­ca mi­gra­tó­ria na Itá­lia. En­fim, é ex­ten­sa a lis­ta das aber­ra­ções re­a­li­za­das pe­las di­rei­tas no mun­do. Por­tu­gal ofe­re­ce um pe­que­no con­tra­pon­to a es­se ce­ná­rio.

Na Amé­ri­ca La­ti­na, Ma­cri é o exem­plo mai­or. Fez o que a di­rei­ta im­põe e só trou­xe de­vas­ta­ção. Piñe­ra, no Chile, res­sur­ge das cin­zas da de­ser­ti­fi­ca­ção ne­o­li­be­ral. É ce­do pa­ra di­zer que Ló­pez Obra­dor, no México, se­rá al­go di­fe­ren­te de um bom ora­dor.

Es­ta “era das tre­vas” foi a res­pos­ta das cor­po­ra­ções fi­nan­cei­ras glo­bais e seus go­ver­nos (à di­rei­ta e à “es­quer­da”) fren­te à “era das re­be­liões” que sa­cu­di­ram o mun­do pós-cri­se de 2009.

Da Grécia à Es­pa­nha, dos EUA à In­gla­ter­ra, da Tu­ní­sia a qua­se to­do o mun­do ára­be, tu­do o que pa­re­cia só­li­do es­ta­va der­re­ten­do.

Der­ro­ta­das qua­se to­das as re­be­liões, che­gou a vez de o im­pi­e­do­so pên­du­lo elei­to­ral se vol­tar de no­vo pa­ra as di­rei­tas, em ver­sões mais ex­tre­ma­das. Aden­tra­mos num ci­clo de “con­trar­re­vo­lu­ção pre­ven­ti­va” que re­cu­sa qual­quer for­ma de con­ci­li­a­ção, pois al­me­ja mes­mo a de­vas­ta­ção.

No Bra­sil, o apa­ren­te­men­te ines­pe­ra­do tam­bém ocor­reu: a cen­tro-di­rei­ta des­va­ne­ceu e a ex­tre­ma des­tra pro­li­fe­rou. A pri­mei­ra cor­ren­te, di­vi­di­da en­tre Alck­min, Mei­rel­les e o tur­bi­na­do Al­va­ro Di­as, min­guou. No­vi­da­de foi o bem com­por­ta­do ban­quei­ro Amoê­do, o João da Moeda.

Cri­a­do o vá­cuo, a ex­tre­ma di­rei­ta sol­tou seus demô­ni­os tam­bém no Bra­sil. Saiu do ar­má­rio. Seus ex­pe­ri­men­tos na­zi­fas­cis­tas pre­té­ri­tos já bor­ra­ram in­de­le­vel­men­te a his­tó­ria da hu­ma­ni­da­de, exa­cer­ban­do o ódio aos ju­deus e aos co­mu­nis­tas.

Em sua atu­al ver­são, agre­ga­ram no­vos “va­lo­res”: têm hor­ror aos po­bres e aos ne­gros, ado­tam a mi­so­gi­nia co­mo prá­ti­ca co­ti­di­a­na, que­rem ver as mu­lhe­res no fo­gão, en­vai­de­cem-se do fe­mi­ni­cí­dio, odei­am as be­las Ma­ri­el­les, que­rem ex­ter­mi­nar os “anor­mais” LGBTs e ex­tir­par as co­mu­ni­da­des in­dí­ge­nas.

Adi­ci­o­na­ram no­vos tra­ços à sua no­va suás­ti­ca, sem aban­do­nar as an­te­ri­o­res. Com Pi­no­chet, apren­de­ram a ri­mar di­ta­du­ra mi­li­tar com ne­o­li­be­ra­lis­mo.

Pa­ra im­pe­dir a vi­tó­ria des­se hor­ror no se­gun­do tur­no, é im­pres­cin­dí­vel am­pli­ar o le­que de vo­tan­tes. In­cluir os li­be­rais que pre­ser­vam al­gum va­lor de hu­ma­ni­da­de; os de­mo­cra­tas de cen­tro e de es­quer­da; os cris­tãos con­ser­va­do­res e os da te­o­lo­gia que lu­tam pe­los po­bres; os so­ci­al­de­mo­cra­tas, os di­ver­sos so­ci­a­lis­tas, os dis­tin­tos co­mu­nis­mos, os vá­ri­os anar­quis­tas e li­ber­tá­ri­os. To­dos sa­bem co­mo co­me­ça o fas­cis­mo, mas não ima­gi­nam até on­de ele vai. As mu­lhe­res, os jo­vens, a clas­se tra­ba­lha­do­ra e os mo­vi­men­tos so­ci­ais são vi­tais nes­se em­ba­te.

To­dos es­ses vo­tos são im­pres­cin­dí­veis pa­ra que as elei­ções des­de 1989 não se tor­nem “coi­sa do pas­sa­do”. Na his­tó­ria, na­da é eter­no. Mas ho­je é im­pe­ri­o­so der­ro­tar o fas­cis­mo. O que só é pos­sí­vel pe­lo vo­to cla­ro em Had­dad, que, va­le di­zer, sig­ni­fi­ca mui­to mais do que vo­tar no PT.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.