PT er­rou por não re­co­nhe­cer prá­ti­ca de cor­rup­ção, diz se­na­dor der­ro­ta­do

Jor­ge Viana (AC) per­deu re­e­lei­ção e seu gru­po po­lí­ti­co fi­cou fo­ra do go­ver­no es­ta­du­al após 20 anos

Folha de S.Paulo - - Eleições 2018 - -An­ge­la Bol­dri­ni

Der­ro­ta­do em seu es­ta­do, o se­na­dor pe­tis­ta Jor­ge Viana (AC) fa­la da ne­ces­si­da­de de au­to­crí­ti­ca pe­lo par­ti­do, que cor­re o ris­co de per­der tam­bém a dis­pu­ta pre­si­den­ci­al en­tre Fer­nan­do Had­dad e Jair Bol­so­na­ro (PSL).

Pa­ra ele, o PT er­rou “de não re­co­nhe­cer cla­ra­men­te que mem­bros do nos­so par­ti­do ou ali­a­dos pra­ti­ca­ram cor­rup­ção”, dis­se à Fo­lha em seu ga­bi­ne­te, na quar­ta-fei­ra (10).

O se­na­dor, que foi da tro­pa de cho­que de Dil­ma du­ran­te o im­pe­a­ch­ment, cri­ti­cou tam­bém a pri­são do ex-pre­si­den­te Lu­la e dis­se que a si­gla re­ce­beu uma “se­gun­da chan­ce” e de­ve mu­dar o jei­to de fa­zer po­lí­ti­ca se con­se­guir a vi­ra­da con­tra o pre­si­den­ciá­vel do PSL.

Além dis­so, Viana afir­mou que a no­va com­po­si­ção do Con­gres­so, com ban­ca­das con­ser­va­do­ras for­tes, le­va­rá o país “pa­ra te­ses do sé­cu­lo 19”.

O que ex­pli­ca a on­da con­ser­va­do­ra que se viu no pri­mei­ro tur­no?

A gen­te es­tá fler­tan­do no Bra­sil com aqui­lo que acon­te­ceu nos EUA com a elei­ção do Trump. É as­sus­ta­dor, eu acho que nin­guém apa­ga fo­go com ga­so­li­na.

Eu sem­pre ti­ve uma po­si­ção pon­de­ra­da, sou mui­to crí­ti­co do PT, in­clu­si­ve das ali­an­ças que fi­ze­mos. Eu nun­ca dei­xei de ver que nós te­mos uma fa­lha no PT que é de não re­co­nhe­cer cla­ra­men­te que mem­bros do nos­so par­ti­do ou ali­a­dos pra­ti­ca­ram cor­rup­ção.

Mas is­so não jus­ti­fi­ca o que es­tão fa­zen­do nem com o pre­si­den­te Lu­la nem com ou­tros lí­de­res, e tam­bém não di­mi­nui as coi­sas bo­ni­tas que fi­ze­mos: a in­clu­são so­ci­al, cres­ci­men­to econô­mi­co, ple­no em­pre­go.

Co­mo o sr. vê es­sa no­va com­po­si­ção do Con­gres­so?

Sou mui­to crí­ti­co à com­po­si­ção atu­al. Ela que pa­riu o im­pe­a­ch­ment, de­la que veio o Bol­so­na­ro. Nós es­ta­mos em 2018 e não en­tra­mos no sé­cu­lo 21. Mas ago­ra vai fi­car pi­or, os que es­tão vin­do vão que­rer nos le­var pa­ra as te­ses do sé­cu­lo 19.

Ain­da é pos­sí­vel ter uma vi­ra­da no se­gun­do tur­no?

Acho que de um la­do tem o pi­or mo­men­to pa­ra a vi­da na­ci­o­nal, pa­ra es­se tran­se co­le­ti­vo que es­ta­mos vi­ven­do. E do ou­tro la­do vo­cê tem o me­lhor can­di­da­to, não im­por­ta se é do PT, de que par­ti­do é. Ele é o me­lhor pa­ra po­der es­ta­be­le­cer o diá­lo­go e fa­zer es­sa tra­ves­sia.

Di­an­te dis­so eu te­nho que acre­di­tar ain­da que é pos­sí­vel, mas di­go que nu­ma hora des­sas tem que ter uma gran­de união do Had­dad, do Ci­ro Go­mes. As li­de­ran­ças de­mo­crá­ti­cas do país não po­dem fi­car in­di­fe­ren­tes.

O sr. fa­lou em er­ros do PT. Quais?

Nós mu­da­mos as po­lí­ti­cas do Bra­sil, mas não mu­da­mos a po­lí­ti­ca par­ti­dá­ria. Foi ela que nos tra­gou, a his­tó­ria de ga­nhar a elei­ção, fa­zer ali­an­ças. Não fi­ze­mos na­da de di­fe­ren­te do que os ou­tros par­ti­dos já fa­zi­am.

Acho que o PT es­tá ten­do uma se­gun­da chan­ce, e eu es­pe­ro que de­pois da elei­ção a gen­te fa­ça uma mu­dan­ça ra­di­cal no jei­to de fa­zer po­lí­ti­ca.

O que po­de­ria ser fei­to, num pre­si­den­ci­a­lis­mo de co­a­li­zão co­mo o nos­so?

Nós fi­ca­mos re­féns do que se cha­ma de go­ver­na­bi­li­da­de. Foi ela que ge­rou o im­pe­a­ch­ment, foi em bus­ca de­la que a gen­te des­truiu o se­gun­do man­da­to da Dil­ma, é em fun­ção de­la que o Te­mer che­gou ao po­der.

Co­mo mu­dar is­so? Re­pac­tu­an­do. Do pon­to de vis­ta da prá­ti­ca, nós te­mos que ser o exem­plo. Já fo­mos o exem­plo an­tes, mas dei­xa­mos de ser.

A can­di­da­tu­ra do Bol­so­na­ro foi vi­a­bi­li­za­da pe­lo en­jau­la­men­to do pre­si­den­te Lu­la. Ele foi im­pe­di­do de con­cor­rer, im­pe­di­do de dar en­tre­vis­ta.

E os que com­pac­tu­a­ram com is­so vão que­rer com o tem­po apa­gar seus no­mes dos li­vros de his­tó­ria, por ver­go­nha de ter le­va­do o país pa­ra um fas­cis­mo da era do What­sApp.

No Acre, o PT per­deu o go­ver­no de­pois de 20 anos e o sr. não foi re­e­lei­to pa­ra o Se­na­do. Por que es­se de­sem­pe­nho tão ruim?

De­pois que pas­sa é um pou­co mais fá­cil de en­ten­der. Nos­sos go­ver­nos lá, se­ja eu, o Bi­nho [Mar­ques] ou o Tião [Viana], nós de­mos con­tri­bui­ção ex­tra­or­di­ná­ria pa­ra o Acre e is­so é re­co­nhe­ci­do pe­las pes­so­as. Mas, se o PT vi­veu es­se dra­ma to­do no pla­no na­ci­o­nal, es­sa ca­ça­da, cla­ro que o sur­gi­men­to de uma can­di­da­tu­ra co­mo o Bol­so­na­ro, a so­ma dos nos­sos er­ros e es­sa rai­va ao PT afe­ta­ri­am lá.

Wal­de­mir Bar­re­to - 26.abr.18/Agên­cia Se­na­do

Jor­ge Viana (PT-AC)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.