De­pu­ta­dos e se­na­do­res pró-re­for­ma tra­ba­lhis­ta não se re­e­le­gem

Folha de S.Paulo - - Mercado - Laís Ale­gret­ti e Ra­ni­er Bra­gon

Eles con­du­zi­ram a apro­va­ção em 2017 da re­for­ma tra­ba­lhis­ta sob o dis­cur­so de que ela iria im­pul­si­o­nar o em­pre­go no país.

Mais de um ano de­pois, po­rém, e em meio à le­tar­gia do mer­ca­do de tra­ba­lho, per­de­ram su­as va­gas no Con­gres­so.

De­pu­ta­dos e se­na­do­res que ocu­pa­ram pos­tos-cha­ve na con­du­ção da re­for­ma não con­se­gui­ram se re­e­le­ger, à ex­ce­ção do pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), e do lí­der do go­ver­no na Câ­ma­ra, Agui­nal­do Ri­bei­ro (PP-PB).

Mi­nis­tro do Tra­ba­lho à épo­ca da apre­sen­ta­ção e apro­va­ção da re­for­ma, o de­pu­ta­do Ro­nal­do No­guei­ra (PTB-RS) diz acre­di­tar que a atu­a­ção pe­la no­va lei tra­ba­lhis­ta é o prin­ci­pal mo­ti­vo que o im­pe­diu de se re­e­le­ger.

Ele afir­mou que fo­ram cri­a­das men­ti­ras em tor­no da no­va pro­pos­ta.

“Cri­a­ram-se mi­tos em tor­no da lei. Fo­ram mui­tas men­ti­ras que se pro­pa­ga­ram e não hou­ve o tem­po pa­ra a ver­da­de che­gar às pes­so­as”, diz.

No­guei­ra dis­se que a ex­tin- ção do 13º sa­lá­rio e do FGTS fo­ram al­gu­mas des­sas men­ti­ras. Mas afir­ma que não se ar­re­pen­deu de apoi­ar o tex­to.

“Eu com­pre­en­di que eu es­ta­ria co­lo­can­do em ris­co a mi­nha re­e­lei­ção, mas o com­pro­mis­so com o Bra­sil foi mais for­te”, diz o ex-mi­nis­tro

Ele re­ce­beu R$ 100 mil de do­a­ção elei­to­ral do pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Co­san, Ru­bens Omet­to Sil­vei­ra Mel­lo.

Mes­mo com vá­ri­as do­a­ções de em­pre­sá­ri­os à sua cam­pa­nha, o re­la­tor da pro­pos­ta na Câ­ma­ra, Ro­gé­rio Ma­ri­nho (PSDB-RN), tam­bém não con­se­guiu man­ter o man­da­to.

O re­la­tó­rio de Ma­ri­nho, apro­va­do pe­los de­pu­ta­dos em abril de 2017, al­te­rou cer­ca de cem pon­tos da CLT (Con­so­li­da­ção das Leis do Tra­ba­lho), aten­den­do a plei­tos his­tó­ri­cos do em­pre­sa­ri­a­do.

Ma­ri­nho re­ce­beu do­a­ções de cam­pa­nha de di­ri­gen­tes da Ri­a­chu­e­lo (R$ 180 mil) e da Lo­ca­li­za (R$ 50 mil), por exem­plo.

“Hou­ve um pro­ces­so de des­cons­tru­ção e de de­sin­for­ma­ção de­li­be­ra­do pa­tro­ci­na­do pe­las en­ti­da­des sin­di­cais e pe­lo PT con­tra a re­for­ma e con­tra o re­la­tor da re­for­ma”, afir­mou.

“Par­la­men­ta­res de to­do o país que vo­ta­ram fa­vo­rá­veis à re­for­ma so­fre­ram es­sa agres­são e ti­ve­ram a di­fi­cul­da­de de fa­zer a de­fe­sa pe­la exi­gui­da­de de tem­po [da cam­pa­nha]”, dis­se Ma­ri­nho, afir­man­do ter mui­to or­gu­lho de seu tra­ba­lho.

Ele ci­tou co­mo um dos prin­ci­pais ga­nhos a re­du­ção do nú­me­ro de pro­ces­sos tra­ba­lhis­tas, uma vez que o em­pre­ga­do cor­re o ris­co de pa­gar ho­no­rá­ri­os ad­vo­ca­tí­ci­os e cus­tas de pe­rí­cia e da ação, em ca­so de der­ro­ta.

“Eu nem co­nhe­ço o Ro­gé­rio Ma­ri­nho. Acom­pa­nhei ele na Câ­ma­ra, já vi óti­mos pro­nun­ci­a­men­tos de­le, eu que pro­cu­rei ele pa­ra fa­zer a do­a­ção”, diz Jo­sé Sa­lim Mat­tar Jú­ni­or, pre­si­den­te da Lo­ca­li­za.

Ele do­ou pa­ra Ri­car­do Fer­ra­ço (PSDB-ES) —fo­ram R$ 200 mil— e pa­ra Maia (R$ 200 mil).

“O Ro­dri­go Maia co­mo pre­si­den­te da Câ­ma­ra fez um tra­ba­lho es­pe­ta­cu­lar nes­se pe­río­do, ele foi al­go­dão en­tre cris­tais, se mos­trou um jo­vem que tem fu­tu­ro na po­lí­ti­ca. Eu que pro­cu­rei ele, ti­ve um jan­tar e ofe­re­ci aju­da.”

Mas o re­sul­ta­do não foi di­fe­ren­te pa­ra Fer­ra­ço, re­la­tor do tex­to no Se­na­do, que tam­bém dei­xa­rá o Con­gres­so.

“O que pre­va­le­ceu foi men­ti­ra de cen­trais, do PT e ali­a­dos de que a re­for­ma re­ti­rou di­rei­to. Ao pre­va­le­cer, cla­ro que atra­pa­lhou [a re­e­lei­ção]”, dis­se.

Fer­ra­ço re­cla­mou que os em­pre­en­de­do­res não se em­pe­nha­ram pa­ra de­fen­der as mu­dan­ças na lei pu­bli­ca­men­te.

“Hou­ve uma enor­me aco­mo­da­ção e omis­são do em­pre­en­de­dor bra­si­lei­ro que vi­ve is­so na pe­le e de­ve­ria ter par­ti­ci­pa­do mais ati­va­men­te do de­ba­te”, dis­se.

Os lí­de­res do go­ver­no no Con­gres­so, An­dré Mou­ra (PSCSE), e no Se­na­do, Rome­ro Ju­cá (PMDB-RR), não fo­ram re­e­lei­tos. Eles não se ma­ni­fes­ta­ram até a con­clu­são des­ta edi­ção.

Em 2017, quan­do o tex­to foi dis­cu­ti­do no Con­gres­so, o ar­gu­men­to dos de­fen­so­res da re­for­ma da CLT era que a fle­xi­bi­li­za­ção per­mi­ti­ria cres­ci­men­to na con­tra­ta­ção for­mal.

O IBGE (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca) apon­ta que a ta­xa de de­sem­pre­go fi­cou em 12,1% no tri­mes­tre en­cer­ra­do em agos­to.

A po­pu­la­ção de­so­cu­pa­da — pes­so­as que não ti­nham tra­ba­lho, mas es­ta­vam pro­cu­ran­do— so­mou 12,7 mi­lhões.

“Tem uma cri­se mui­to pro­fun­da e um mer­ca­do de tra­ba­lho em per­fei­ta mu­ta­ção. Não foi a re­for­ma tra­ba­lhis­ta que fa­lhou”, dis­se Fer­ra­ço.

RO­NAL­DO NO­GUEI­RA De­pu­ta­do pe­lo PTB-RS• À fren­te da pas­ta à épo­ca da apre­sen­ta­ção e apro­va­ção do tex­to diz que foi ví­ti­ma de mi­tos EX-MI­NIS­TRO DO TRA­BA­LHO

De­pu­ta­do pe­lo PSDB-RNEX-RE­LA­TOR NA C­MA­RA• Fa­la em cam­pa­nha de “de­li­be­ra­da de­sin­for­ma­ção” pa­ra pro­mo­ver a ca­ça de par­la­men­ta­res pró-re­for­ma

Se­na­dor pe­lo PSDB-ES• Ale­ga que a omis­são dos em­pre­sá­ri­os na de­fe­sa da re­for­ma pre­ju­di­cou a sua re­e­lei­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.