Ex-edi­tor des­cre­ve as­cen­são e tro­pe­ços com The Gu­ar­di­an

Jor­na­lis­ta abor­da fu­ros do sé­cu­lo e pro­ble­mas fi­nan­cei­ros que o der­ru­ba­ram

Folha de S.Paulo - - Mercado - Nel­son de Sá Jo­nathan Player - 22.set.2005/The New York Ti­mes

O tí­tu­lo do no­vo li­vro de Alan Rus­brid­ger, “Bre­a­king News”, é um tro­ca­di­lho. Ser­ve pa­ra no­tí­cia de úl­ti­ma hora, que es­tá ir­rom­pen­do, mas tam­bém pa­ra o mo­de­lo de ne­gó­ci­os da no­tí­cia, que es­tá em dis­rup­ção.

So­bre­tu­do, ser­ve pa­ra a pró­pria no­tí­cia, o fa­to, que es­tá “que­bran­do” nes­ta cha­ma­da era da pós-ver­da­de, de “fa­ke news”, no­tí­cia fal­sa.

O li­vro é em par­te um re­la­to dos bas­ti­do­res de fu­ros que fi­ze­ram de Rus­brid­ger o mais bem-su­ce­di­do edi­tor con­tem­po­râ­neo, no bri­tâ­ni­co The Gu­ar­di­an, co­mo o es­cân­da­lo dos gram­pos ile­gais dos ta­bloi­des, cu­ja re­ve­la­ção le­vou ao fe­cha­men­to do mai­or de­les, o News of the World.

Em âm­bi­to ain­da mais am­plo, de­ta­lha a co­ber­tu­ra dos gram­pos ele­trô­ni­cos da NSA (Agên­cia Na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça), que trou­xe à luz os ser­vi­ços pres­ta­dos por al­gu­mas das mai­o­res em­pre­sas de tec­no­lo­gia dos Es­ta­dos Uni­dos pa­ra a es­pi­o­na­gem po­lí­ti­ca e co­mer­ci­al do país —e dos seus ali­a­dos mais pró­xi­mos.

São du­as das no­tí­ci­as con­tem­po­râ­ne­as mais im­por­tan­tes no Oci­den­te, mas há mui­tas ou­tras nos 20 anos em que Rus­brid­ger pas­sou à fren­te do jor­nal —e o trans­for­mou, de um diá­rio im­pres­so de cen­tro-es­quer­da de Lon­dres, num dos veí­cu­los jor­na­lís­ti­cos de re­fe­rên­cia no mun­do.

Pas­sa­gens de ca­rá­ter qua­se pes­so­al es­tão en­tre as mais ins­ti­gan­tes, co­mo os re­la­tos do tra­ba­lho com Ju­li­an As­san­ge, do Wi­kiLe­aks, tal­vez o úni­co a dis­pu­tar com ele o pos­to de edi­tor mais sig­ni­fi­ca­ti­vo nes­te sé­cu­lo.

As­san­ge, es­cre­ve ele, des­pre­za tan­to The Gu­ar­di­an co­mo The New York Ti­mes.

Nou­tro mo­men­to, Rus­brid­ger é cha­ma­do ao Par­la­men­to pa­ra ex­pli­car a pu­bli­ca­ção de do­cu­men­tos não só da NSA, mas do equi­va­len­te bri­tâ­ni­co, GCHG, e ou­ve de um MP a per­gun­ta que o dei­xa sem fa­la: “Vo­cê ama es­te país?”.

Na ou­tra fren­te, das no­tí­ci­as que es­tão se que­bran­do, até mes­mo co­mo mo­de­lo in­dus­tri­al sus­ten­tá­vel, o li­vro abor­da o im­pac­to das pla­ta­for­mas, no sen­ti­do de fa­ci­li­tar a pro­li­fe­ra­ção de in­for­ma­ção fal­sa —e atrair a pu­bli­ci­da­de di­gi­tal que aca­bou fal­tan­do ao pro­je­to pa­ra o jor­nal The Gu­ar­di­an.

En­quan­to tra­ta de su­as gló­ri­as jor­na­lís­ti­cas, “Bre­a­king News” é uma lei­tu­ra pra­ze­ro­sa, até fascinante, em par­te por se tra­tar de um re­la­to de vi­tó­ria so­bre obs­tá­cu­los imen­sos, de tra­mas qua­se he­roi­cas.

Já es­se se­gun­do e mai­or fo­co do li­vro, que abran­ge a bus­ca de ino­va­ção nos ne­gó­ci­os, é uma crô­ni­ca trun­ca­da do fra­cas­so de Rus­brid­ger.

O edi­tor per­deu a apos­ta que fez con­tra o ca­mi­nho to­ma­do por Fi­nan­ci­al Ti­mes, NYT e pra­ti­ca­men­te to­dos os jor­nais do mun­do no am­bi­en­te di­gi­tal —ou se­ja, bus­car a saí­da pa­ra a per­da de re­cei­ta pu­bli­ci­tá­ria nos pró­pri­os lei­to­res, nas as­si­na­tu­ras con­quis­ta­das com a ma­nu­ten­ção da qua­li­da­de jor­na­lís­ti­ca.

Rus­brid­ger tam­bém lu­tou pa­ra man­ter e am­pli­ar a qua­li­da­de, mas sua es­tra­té­gia se com­bi­na­va com a bus­ca de au­di­ên­cia on­li­ne ca­da vez mai­or, na su­po­si­ção de que as­sim atrai­ria anun­ci­an­tes di­gi­tais.

In­ves­tiu na mon­ta­gem de uma es­tru­tu­ra glo­bal, em par­ti­cu­lar nos paí­ses de lín­gua in­gle­sa, in­cluin­do uma se­gun­da re­da­ção de gran­de por­te pa­ra co­brir ape­nas os EUA.

A pu­bli­ci­da­de não veio, até por­que Go­o­gle e Fa­ce­bo­ok já es­ta­vam cres­cen­do e en­go­lin- do o am­bi­en­te da in­for­ma­ção gra­tui­ta, ape­lan­do às no­tí­ci­as le­van­ta­das por jor­nais co­mo The Gu­ar­di­an —e de­pois tam­bém as ou­tras, as fal­sas, que são mais sen­sa­ci­o­nais e en­tre­gam até mais trá­fe­go à pro­pa­gan­da di­ta pro­gra­má­ti­ca.

Rus­brid­ger não per­ce­beu o avan­ço do du­o­pó­lio di­gi­tal, não con­se­guiu re­a­gir quan­do ele se tor­nou evi­den­te e no fi­nal pa­gou por is­so.

Os ba­lan­ços ca­da vez mais ne­ga­ti­vos man­cha­ram o que de­ve­ria ter si­do a saí­da con­sa­gra­do­ra do jor­na­lis­mo em 2015.

Aque­la que apoi­ou co­mo su­ces­so­ra per­deu a dis­pu­ta e ele pró­prio foi no­me­a­do e em se­gui­da re­cu­sa­do co­mo pre­si­den­te da or­ga­ni­za­ção que man­tém o jor­nal.

Sob no­va di­re­ção, The Gu­ar­di­an bus­cou ca­mi­nhos pa­ra con­se­guir re­cei­ta jun­to aos lei­to­res e pri­o­ri­zou re­du­ção de cus­tos, ca­so das ope­ra­ções in­ter­na­ci­o­nais.

Os gran­des fu­ros de­sa­pa­re­ce­ram e a au­di­ên­cia on­li­ne min­guou. E o jor­nal dei­xou de ser o con­tra­pon­to crí­ti­co ao es­ta­blish­ment.

Alan Rus­brid­ger foi re­co­nhe­ci­do ins­ti­tu­ci­o­nal­men­te nou­tras par­tes. É ago­ra o di­re­tor de uma das fa­cul­da­des de Ox­ford e tam­bém do Ins­ti­tu­to Reu­ters pa­ra o Es­tu­do do Jor­na­lis­mo, na mes­ma uni­ver­si­da­de. E es­tá es­cre­ven­do uma pe­ça de te­a­tro.

O en­tão edi­tor do The Gu­ar­di­an, Alan Rus­brid­ger, au­tor do li­vro “Bre­a­king News”

Bre­a­king News **** * Alan Rus­brid­ger. Ed. Ca­non­ga­te. R$ 70 (ebo­ok), 464 págs.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.