Agro Glo­bal 4 – Re­for­ma Re­gu­la­tó­ria

Es­tru­tu­ra re­gu­la­tó­ria não acom­pa­nhou cres­ci­men­to de ex­por­ta­ções

Folha de S.Paulo - - Mercado - Mar­cos Sawaya Jank Es­pe­ci­a­lis­ta em ques­tões glo­bais do agro­ne­gó­cio, tra­ba­lha em Sin­ga­pu­ra. É li­vre-do­cen­te em en­ge­nha­ria agronô­mi­ca pe­la USP mar­cos@jank.com.br

As ex­por­ta­ções bra­si­lei­ras do agro­ne­gó­cio quin­tu­pli­ca­ram des­de 2000, mas a es­tru­tu­ra re­gu­la­tó­ria que as cer­cam não acom­pa­nhou o pro­ces­so em ter­mos ope­ra­ci­o­nais, fi­nan­cei­ros, nor­ma­ti­vos e de pes­so­al.

Es­se é o te­ma do quar­to e úl­ti­mo ar­ti­go da sé­rie so­bre a in­ser­ção glo­bal do agro bra­si­lei­ro e as re­for­mas ne­ces­sá­ri­as. Nos­sos de­sa­fi­os são múl­ti­plos:

1. Le­gis­la­ção: es­tá mui­to de­fa­sa­da e pre­ci­sa ser mo­der­ni­za­da e sim­pli­fi­ca­da.

Al­guns mar­cos re­gu­la­tó­ri­os da área de sa­ni­da­de ani­mal re­mon­tam à dé­ca­da de 1930.

Nos­so ar­ca­bou­ço nor­ma­ti­vo é mais com­ple­xo e en­ges­sa­do do que o dos nos­sos con­cor­ren­tes.

2. Fis­ca­li­za­ção: pre­ci­sa­ria ser mais efi­ci­en­te e me­nos cus­to­sa.

É pre­ci­so im­ple­men­tar de­fi­ni­ti­va­men­te o no­vo re­gu­la­men­to que trans­fe­re pa­ra as in­dús­tri­as a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la con­for­mi­da­de sa­ni­tá­ria de pro­ces­sos e pro­du­tos, com ve­ri­fi­ca­ções pe­rió­di­cas de­fi­ni­das por aná­li­se de ris­cos e apli­ca­ção de pu­ni­ções exem­pla­res em ca­so de des­cum­pri­men­to.

É fun­da­men­tal ha­ver um sis­te­ma de trân­si­to cons­tan­te e obri­ga­tó­rio de agen­tes de fis­ca­li­za­ção, a exem­plo de ou­tras car­rei­ras co­mo a di­plo­ma­cia.

Não é re­co­men­dá­vel o mes­mo fis­cal per­ma­ne­cer anos a fio ins­pe­ci­o­nan­do a mes­ma plan­ta. É pre­ci­so ain­da alo­car um mai­or nú­me­ro de pro­fis­si­o­nais em lo­cais-cha­ve co­mo Bra­sí­lia e no ex­te­ri­or.

Ou­tro imen­so de­sa­fio é me­lho­rar a es­tru­tu­ra de pes­so­as e equi­pa­men­tos pa­ra evi­tar a en­tra­da de pra­gas e doenças em um país con­ti­nen­tal, que tem 15.700 km de fron­tei­ras com dez paí­ses.

3. Agi­li­da­de de res­pos­ta: ape­sar dos gran­des avan­ços em in­for­ma­ti­za­ção de pro­ces­sos e na am­pli­a­ção da re­de de adi­dos agrí­co­las em paí­ses es­tra­té­gi­cos nas ges­tões de Ka­tia Abreu e Blai­ro Mag­gi, ain­da pre­sen­ci­a­mos de­fi­ci­ên­ci­as por par­te do go­ver­no e do se­tor pri­va­do.

São fre­quen­tes os de­sen­ten­di­men­tos no in­ter­câm­bio de in­for­ma­ções com ou­tros go­ver­nos e em ques­ti­o­ná­ri­os téc­ni­cos mal pre­en­chi­dos ou mal tra­du­zi­dos.

É pre­ci­so sis­te­ma­ti­zar um ban­co de da­dos com res­pos­tas-pa­drão pa­ra agi­li­zar o pre­en­chi­men­to de ques­ti­o­ná­ri­os e as res­pos­tas aos paí­ses.

Além dis­so, é pre­ci­so me­lho­rar as tra­du­ções e re­vi­sões de for­ma que os do­cu­men­tos se­jam en­tre­gues no pa­drão que o país-des­ti­no exi­ge.

Um mai­or nú­me­ro de mis­sões do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra (Ma­pa) ao ex­te­ri­or e de vi­si­tas téc­ni­cas ao Bra­sil é tam­bém ne­ces­sá­rio pa­ra ge­rar co­nhe­ci­men­to mú­tuo e dar agi­li­da­de aos pro­ces­sos no ex­te­ri­or.

A boa no­tí­cia é que to­dos es­ses de­sa­fi­os fo­ram ade­qua­da­men­te di­ag­nos­ti­ca­dos pe­la Se­cre­ta­ria de De­fe­sa Agro­pe­cuá­ria do Ma­pa, que apon­tou os ca­mi­nhos a se­rem tri­lha­dos.

Uma das pro­pos­tas é a cri­a­ção de uma agên­cia ou ser­vi­ço so­ci­al autô­no­mo (co­mo as en­ti­da­des do “Sis­te­ma S”) fi­nan­ci­a­do por re­cur­sos pú­bli­cos e uma ta­xa de fis­ca­li­za­ção pa­ga pe­las em­pre­sas.

O no­vo en­fo­que se­ria ge­ren­ci­a­men­to de ris­cos, exe­cu­ção fo­ca­da em me­tas quan­ti­fi­cá­veis em ter­mos de pa­drões de sa­ni­da­de, des­bu­ro­cra­ti­za­ção e sim­pli­fi­ca­ção de nor­mas e pro­ce­di­men­tos.

Qua­li­da­de e sa­ni­da­de de pro­du­tos são te­mas-cha­ve pa­ra a aber­tu­ra e a ma­nu­ten­ção de mer­ca­dos, par­ti­cu­lar­men­te no seg­men­to de car­nes, o mais su­jei­to a bar­rei­ras co­mer­ci­ais e me­di­das pro­te­ci­o­nis­tas.

Bas­ta di­zer que en­quan­to a li­cen­ça pa­ra ex­por­tar grãos e fi­bras é con­fe­ri­da ao país, nas car­nes ela cos­tu­ma ser da­da por uni­da­de in­dus­tri­al, ou se­ja, ca­so a ca­so.

En­ten­do que es­sa é ho­je a área mais pri­o­ri­tá­ria e es­tra­té­gi­ca de atu­a­ção do Ma­pa. Se ela não fun­ci­o­nar di­rei­to, es­ta­re­mos con­de­na­dos a ex­por­tar ape­nas com­mo­di­ti­es pri­má­ri­as e sim­ples.

Os di­ag­nós­ti­cos fo­ram bem fei­tos. Pre­ci­sa­mos avan­çar na im­ple­men­ta­ção das mu­dan­ças ne­ces­sá­ri­as já no iní­cio do pró­xi­mo go­ver­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.