O incô­mo­do que che­ga por de­bai­xo da por­ta

Folha de S.Paulo - - Sobrerodas - Mar­cio Ra­ch­korsky Ad­vo­ga­do, é mem­bro da Co­mis­são de Di­rei­to Ur­ba­nís­ti­co da OAB-SP

Em tem­pos de elei­ção, a dis­tri­bui­ção de san­ti­nhos dos can­di­da­tos por de­bai­xo da por­ta ou nas cai­xi­nhas de cor­reio vol­tou a im­por­tu­nar mui­ta gen­te.

Além de con­fi­gu­rar in­fra­ção ao re­gu­la­men­to in­ter­no, pas­sí­vel de ad­ver­tên­cia e mul­ta, tal prá­ti­ca de­mons­tra ex­tre­ma fal­ta de edu­ca­ção e de res­pei­to.

Du­ran­te o ano to­do, mo­ra­do­res são bom­bar­de­a­dos por pro­pa­gan­das di­ver­sas e, não ra­ra­men­te, por car­ti­nhas anô­ni­mas com crí­ti­cas e ata­ques ao sín­di­co, aos con­se­lhei­ros e aos de­mais mem­bros da ad­mi­nis­tra­ção do pré­dio.

O ide­al é que os con­do­mí­ni­os cri­em e apro­vem re­gras cla­ras so­bre a dis­tri­bui­ção de cor­res­pon­dên­ci­as e ma­te­ri­ais pu­bli­ci­tá­ri­os, bem co­mo pe­na­li­da­des pa­ra quem im­por­tu­nar os vi­zi­nhos.

Di­fí­cil é o con­tro­le efe­ti­vo, já que mui­tos edi­fí­ci­os não pos­su­em câ­me­ras em ele­va­do­res, halls e es­ca­da­ri­as, im­pe­din­do a iden­ti­fi­ca­ção de in­fra­to­res.

Uma sín­di­ca ami­ga re­sol­veu es­se pro­ble­ma com cri­a­ti­vi­da­de e cons­ci­ên­cia am­bi­en­tal, tu­do apro­va­do em as­sem­bleia. No con­do­mí­nio de­la, só há pro­pa­gan­da sem pa­pel, no si­te do pré­dio. A em­pre­sa anun­ci­an­te pre­ci­sa ofe­re­cer al­gum des­con­to ou con­di­ção es­pe­ci­al aos mo­ra­do­res.

Na cri­se, mui­tas pes­so­as pas­sa­ram a tra­ba­lhar em ca­sa, e pres­tar ser­vi­ços aos pró­pri­os vi­zi­nhos po­de ser a al­ma do ne­gó­cio. Nes­se con­tex­to, os qua­dros de anún­ci­os fun­ci­o­nam bem, e tam­bém va­le cri­ar uma re­de ofi­ci­al de co­mu­ni­ca­ção en­tre vi­zi­nhos de for­ma a fo­men­tar ne­gó­ci­os, sem im­por­tu­na­ção e su­jei­ra.

É im­por­tan­te sem­pre dei­xar cla­ro que o con­do­mí­nio, sob hi­pó­te­se al­gu­ma, se res­pon­sa­bi­li­za por quais­quer pro­du­tos ou ser­vi­ços anun­ci­a­dos por ter­cei­ros.

Em con­jun­tos de gran­de por­te, que pro­du­zem e dis­tri­bu­em re­vis­tas e jor­nai­zi­nhos in­ter­nos aos mo­ra­do­res, os anún­ci­os po­dem até ge­rar boa re­cei­ta.

Ze­la­do­res e por­tei­ros exer­cem pa­pel fun­da­men­tal no con­tro­le das cor­res­pon­dên­ci­as e pre­ci­sam re­ce­ber trei­na­men­to pa­ra im­pe­dir a dis­tri­bui­ção in­dis­cri­mi­na­da de ma­te­ri­ais pu­bli­ci­tá­ri­os, res­pei­tan­do sem­pre a in­vi­o­la­bi­li­da­de e o si­gi­lo pre­vis­tos em lei.

Pre­ci­sam ter ain­da mais cui­da­do com as in­ti­ma­ções, car­tas e citações ju­di­ci­ais, man­ten­do um li­vro de pro­to­co­lo pa­ra cor­res­pon­dên­ci­as do Ju­di­ciá­rio e de­mais ór­gãos ofi­ci­ais.

Em al­guns ca­sos, mo­ra­do­res ten­tam im­pu­tar res­pon­sa­bi­li­da­de ao con­do­mí­nio de­vi­do a al­gu­ma cor­res­pon­dên­cia ex­tra­vi­a­da, pra­zo ju­di­ci­al per­di­do ou con­ta pa­ga em atra­so.

Aos sín­di­cos, re­co­men­do a ela­bo­ra­ção de uma cir­cu­lar so­bre o te­ma, con­cla­man­do os mo­ra­do­res a não in­co­mo­da­rem seus vi­zi­nhos com ma­te­ri­ais não au­to­ri­za­dos por de­bai­xo da por­ta ou nas cai­xi­nhas de cor­res­pon­dên­cia, re­lem­bran­do as pe­na­li­da­des pre­vis­tas no re­gu­la­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.