Pro­fes­so­ra ví­ti­ma de ra­cis­mo re­lem­bra agres­sões da in­fân­cia

Do­cen­te de SP foi cha­ma­da de ga­li­nha pre­ta; es­tu­dan­tes fo­ram sus­pen­sos

Folha de S.Paulo - - Cotidiano - Ma­ri­a­na Zyl­ber­kan Bru­no San­tos/Fo­lha­press

Quan­do no iní­cio des­te mês viu a fo­to do ata­que ra­cis­ta na por­ta de sua sa­la de au­la, a pro­fes­so­ra Oda­ra De­le, 30, con­ta que re­vi­veu em se­gun­dos as agres­sões que já pas­sou por ser uma mu­lher ne­gra. “Na es­co­la, quan­do ti­nha 8 anos, a pro­fes­so­ra me cha­mou de ma­ca­ca. Aos 12, fui xin­ga­da por um co­le­ga.”

As agres­sões fo­ram ris­ca­das a giz na por­ta da sa­la do 3º ano D da es­co­la es­ta­du­al Con­se­lhei­ro Ruy Bar­bo­sa, no Tre­mem­bé, zo­na nor­te de SP.

Pa­ra não dei­xar dú­vi­das a quem fo­ram en­de­re­ça­dos os in­sul­tos, os agres­so­res es­cre­ve­ram o no­me da pro­fes­so­ra se­gui­do pe­los xin­ga­men­tos “pre­ta ga­li­nha do ca­ra­lho”. Aci­ma, o sím­bo­lo da suás­ti­ca em re­fe­rên­cia ao na­zis­mo ale­mão. As ofen­sas fo­ram apa­ga­das em se­gui­da.

O mes­mo sím­bo­lo ha­via si­do te­ma re­cen­te de au­la quan­do exi­biu o fil­me “A Ou­tra His­tó­ria Ame­ri­ca­na”, pa­ra dis­cu­tir os ti­pos de vi­o­lên­cia na so­ci­e­da­de. “Eles [alu­nos] sa­bem o que sig­ni­fi­ca por­que eu lhes mos­trei em sa­la de au­la.”

For­ma­da em ci­ên­ci­as so­ci­ais, Oda­ra é pro­fes­so­ra con­cur­sa­da da re­de es­ta­du­al des­de 2014. O ma­gis­té­rio é en­ca­ra­do co­mo uma for­ma de co­lo­car em prá­ti­ca a lei fe­de­ral que obri­ga es­co­las a in­se­rir no cur­rí­cu­lo en­si­no da his­tó­ria e cul­tu­ra afri­ca­na.

Por ser a úni­ca pro­fes­so­ra ne­gra efe­ti­va­da na es­co­la, Oda­ra as­su­me pa­péis di­ver­sos, co­mo in­cen­ti­var as alu­nas a as­su­mi­rem os ca­be­los cres­pos iguais aos seus. “No co­me­ço do se­mes­tre, elas apa­re­cem com os ca­be­los ali­sa­dos e, no fim, os dei­xam black power”, diz ela.

A cons­ci­ên­cia ra­ci­al, ela con­ta, vem de ter si­do cri­a­da por pais que a in­cen­ti­va­ram des­de ce­do a exal­tar o fa­to de ser ne­gra. A co­me­çar pe­lo seu no­me, de ori­gem io­ru­bá, que sig­ni­fi­ca “a be­le­za che­gou em ca­sa”. Es­sa cri­a­ção foi fun­da­men­tal pa­ra ter re­a­gi­do, por exem­plo, quan­do foi cha­ma­da de “ma­ca­ca” pe­la pro­fes­so­ra na in­fân­cia. “Fui di­re­to pa­ra a sa­la da di­re­to­ra e pe­di pa­ra cha- ma­rem meus pais. A pro­fes­so­ra aca­bou trans­fe­ri­da”, diz ela, que mo­ra com a mãe em uma ca­sa pró­xi­ma à es­co­la.

En­quan­to não es­tá em sa­la de au­la, a pro­fes­so­ra mi­nis­tra ofi­ci­nas de lín­guas e costumes afri­ca­nos. Es­sas ma­tri­zes cul­tu­rais, in­clu­si­ve, a ins­pi­ra­ram a cri­ar um apli­ca­ti­vo que en­si­na pa­la­vras em idioma fa­la­do em An­go­la.

É pa­ra cri­an­ças pe­que­nas tam­bém que a pro­fes­so­ra or­ga­ni­za en­con­tros pa­ra lhes con­tar his­tó­ri­as so­bre fi­gu­ras fol­cló­ri­cas afri­ca­nas. As ati­vi­da­des in­clu­em ofi­ci­nas de cu­li­ná­ria tí­pi­ca e ar­te­sa­na­to.

As di­ver­sas for­mas de pre­con­cei­to que con­ta ter vi­vi­do na in­fân­cia e ado­les­cên­cia se pro­lon­gam na vi­da adul­ta e pro­fis­si­o­nal. Qua­se sem­pre foi uma das úni­cas alu­nas ne­gras nas es­co­las on­de es­tu­dou e na fa­cul­da­de e a si­tu­a­ção se re­pe­te no am­bi­en­te pro­fis­si­o­nal.

Ela con­ta que é co­mum per­ce­ber re­a­ções en­vi­e­sa­das quan­do se apre­sen­ta a tur­mas no­vas, for­ma­das, em sua mai­o­ria, por es­tu­dan­tes bran­cos. “Pen­so nos ne­gros que fo­ram es­cra­vi­za­dos e re­sis­ti­ram e ten­to aguen­tar tam­bém.”

O ata­que da se­ma­na pas­sa­da não foi a pri­mei­ra vez que ela foi ví­ti­ma de in­jú­ria ra­ci­al pe­los pró­pri­os alu­nos. Em ou­tra es­co­la on­de le­ci­o­na­va, por se­guir o can­dom­blé, ela foi dar au­la um dia com rou­pas bran­cas. Um alu­no fez uma fo­to de­la e pos­tou em uma re­de so­ci­al com a le­gen­da: “Ho­je va­mos ter au­la de vo­du”.

Na oca­sião, ela re­gis­trou bo­le­tim de ocor­rên­cia na po­lí­cia por in­to­le­rân­cia re­li­gi­o­sa e lem­bra que ten­tou re­ver­ter a si­tu­a­ção “pe­lo diá­lo­go in­for­ma­ti­vo”. Des­sa vez, a ida à de­le­ga­cia foi in­cen­ti­va­da pe­los pró­pri­os es­tu­dan­tes. “Eles me pe­di­ram um po­si­ci­o­na­men­to”, dis­se a pro­fes­so­ra, que ga­nhou dos alu­nos um bo­lo de cho­co­la­te co­mo uma for­ma de apoio.

“O ra­cis­mo es­tá pre­sen­te em nos­so país, mas é ve­la­do. O véu cai quan­do sur­ge uma pes­soa que de­fen­de es­sas ati­tu­des, e as pes­so­as se mos­tram re­al­men­te co­mo são”, diz ela, em re­fe­rên­cia ao atu­al mo­men­to po­lí­ti­co do país e ao can­di­da­to a pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro (PSL), com his­tó­ri­co de de­cla­ra­ções li­ga­das ao pre­con­cei­to e à in­to­le­rân­cia.

Ela con­ta que é co­mum en­fren­tar re­sis­tên­cia di­an­te da te­má­ti­ca ra­cis­ta até mes­mo de alu­nos ne­gros. “O pre­con­cei­to ra­ci­al é sem­pre ne­ga­do.”

No dia se­guin­te às agres­sões, alu­nos pro­cu­ra­ram a co­or­de­na­ção da es­co­la pa­ra apon­tar ado­les­cen­tes co­mo sus­pei­tos. De acor­do com a Po­lí­cia Ci­vil, um de­les con­fes­sou o en­vol­vi­men­to. Os pais fo­ram cha­ma­dos na es­co­la pa­ra uma con­ver­sa. O cri­me foi re­gis­tra­do co­mo in­jú­ria ra­ci­al e es­tá sen­do in­ves­ti­ga­do pe­la De­le­ga­cia de Cri­mes Ra­ci­ais e De­li­tos de In­to­le­rân­cia.

A di­re­ção da es­co­la de­ci­diu sus­pen­der as au­las na­que­le dia. Oda­ra só foi en­trar de no­vo na sa­la mar­ca­da pe­la agres­são nes­ta quar­ta-fei­ra (10), pa­ra apli­car uma pro­va. “Eu fin­gi que na­da ti­nha acon­te­ci­do e eles tam­bém. So­bre­vi­ve­mos a 50 mi­nu­tos den­tro da­que­la sa­la.”

Oda­ra lem­bra que des­de o ano pas­sa­do tem pre­sen­ci­a­do ati­tu­des agres­si­vas em sa­la com mais frequên­cia, prin­ci­pal­men­te en­de­re­ça­das a gays e mu­lhe­res. Di­an­te dis­so, a pro­fes­so­ra diz que tem se reu­ni­do com ou­tros do­cen­tes pa­ra tra­çar es­tra­té­gi­as de en­fren­ta­men­to. “A pa­la­vra em­po­de­ra­men­to po­de ter vi­ra­do um cli­chê, mas é mui­to im­por­tan­te po­der fa­lar, de­nun­ci­ar e agir.”

Oda­ra, 30, dá au­las na re­de es­ta­du­al de SP e já ter so­freu ou­tros ata­ques

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.