Pes­qui­sa­do­res pu­bli­cam es­tu­dos fal­sos pa­ra pro­var viés nas ci­ên­ci­as hu­ma­nas

Tra­ba­lhos tra­ta­ram de te­mas li­ga­dos a se­xu­a­li­da­de e gê­ne­ro, co­mo es­tu­pro e trans­fo­bia; ci­en­tis­tas con­si­de­ram ini­ci­a­ti­va an­tié­ti­ca

Folha de S.Paulo - - Ciência / Esporte - Fer­nan­do Ta­deu Mo­ra­es

“Vo­cê acre­di­ta­ria em uma área cu­ja prin­ci­pal re­vis­ta elogia um ar­ti­go so­bre a cul­tu­ra de es­tu­pro dos cães? É du­vi­do­so que tra­ba­lhos des­sas áre­as se­jam ca­pa­zes de ge­rar co­nhe­ci­men­to so­bre o mun­do Ja­mes Lind­say au­tor dos es­tu­dos

Um ar­ti­go pu­bli­ca­do na re­vis­ta Se­xu­a­lity & Cul­tu­re en­co­ra­jou ho­mens he­te­ros­se­xu­ais a pra­ti­ca­rem au­to­pe­ne­tra­ção anal com aces­só­ri­os a fim de re­du­zir seus sen­ti­men­tos trans­fó­bi­cos e au­men­tar os va­lo­res fe­mi­nis­tas.

Ou­tro, vei­cu­la­do no pe­rió­di­co Gen­der, Pla­ce and Cul­tu­re, ar­gu­men­tou que par­ques pa­ra cães, por se­rem es­pa­ços to­le­ran­tes a es­tu­pros e a opres­são des­ses ani­mais, po­dem ser­vir de mo­de­lo pa­ra se ana­li­sar o com­por­ta­men­to hu­ma­no so­bre es­sas ques­tões.

Em­bo­ra te­nham saí­do em pu­bli­ca­ções in­ter­na­ci­o­nais de pres­tí­gio e re­ce­bi­do en­tu­si­as­ma­dos elo­gi­os dos pa­re­ce­ris­tas, tais es­tu­dos são, na re­a­li­da­de, fal­sos.

O em­bus­te aca­dê­mi­co, re­ve­la­do na se­ma­na pas­sa­da, foi per­pe­tra­do por três pes­qui­sa­do­res. O ob­je­ti­vo do trio era des­mas­ca­rar su­pos­tos vi­e­ses po­lí­ti­cos de re­vis­tas es­pe­ci­a­li­za­das em es­tu­dos fe­mi­nis­tas, de gê­ne­ro, se­xu­a­li­da­de, ra­ça e áre­as cor­re­la­tas, que com­pro­me­te­ri­am a qua­li­da­de e a ve­ra­ci­da­de dos ar­ti­gos ne­las pu­bli­ca­dos.

Pa­ra tan­to, He­len Pluc­kro­se editora da re­vis­ta di­gi­tal Areo, Ja­mes Lind­say, ma­te­má­ti­co, e Pe­ter Boghos­si­an, pro­fes­sor de fi­lo­so­fia, pas­sa­ram qua­se um ano re­di­gin­do 20 es­tu­dos fic­tí­ci­os, os quais fo­ram en­vi­a­dos a pe­rió­di­cos im­por­tan­tes. Até ago­ra, se­te tex­tos fo­ram acei­tos e qua­tro, pu­bli­ca­dos. Ou­tros se­te es­tão sob re­vi­são das pu­bli­ca­ções.

Ini­ci­a­ti­vas co­mo a do trio não são no­vi­da­de. No mais fa­mo­so ex­pe­ri­men­to do ti­po, o fí­si­co Alan So­kal pu­bli­cou em 1996 um fal­so ar­ti­go que mes­cla­va fi­lo­so­fia pós-mo­der­na e gra­vi­da­de quân­ti­ca em um re­pu­ta­do pe­rió­di­co de es­tu­dos cul­tu­rais. Em 2009, um alu­no da Uni­ver­si­da­de Cor­nell te­ve acei­to um ar­ti­go pro­du­zi­do com um soft­ware que ge­ra tex­tos gra­ma­ti­cal­men­te cor­re­tos, mas sem sen­ti­do.

Em 2014, um ci­en­tis­ta da com­pu­ta­ção es­cre­veu e pu­bli­cou num pe­rió­di­co um tex­to com­pos­to in­tei­ra­men­te da fra­se “Get me off your fuc­king mai­ling list”, (Ti­re-me da sua mal­di­ta lis­ta de email, em tra­du­ção li­vre). Nes­te ano, jor­na­lis­tas pu­bli­ca­ram um ar­ti­go que afir­ma­va que o ex­tra­to de pró­po­lis é mais efi­caz con­tra o cân­cer do que as qui­mi­o­te­ra­pi­as con­ven­ci­o­nais.

O pro­je­to do trio bus­cou “en­ten­der e ex­por os pro­ble­mas éti­cos e epis­te­mo­ló­gi­cos de cer­tos cam­pos das ci­ên­ci­as hu­ma­nas”, dis­se à Fo­lha Ja­mes Lind­say, um dos au­to­res da frau­de. “Es­se ob­je­ti­vo”, pros­se­gue, “car­re­ga o co­ro­lá­rio de ten­tar ilus­trar por que é um pro­ble­ma que es­se ti­po de co­nhe­ci­men­to sir­va de ba­se pa­ra po­lí­ti­cas e ins­ti­tui­ções.”

Se­gun­do Lind­say, a con­clu­são do ex­pe­ri­men­to é que há pou­cas ra­zões pa­ra acre­di­tar que o co­nhe­ci­men­to pro­du­zi­do nes­ses cam­pos de es­tu­do se­ja con­fiá­vel. “Vo­cê acre­di­ta­ria em uma área cu­ja prin­ci­pal re­vis­ta acei­ta e elogia um ar­ti­go so­bre a cul­tu­ra de es­tu­pro dos cães?”, diz.

A ra­zão pa­ra es­se des­cré­di­to, ex­pli­ca Lind­say, é que tais cam­pos fo­ram do­mi­na­dos por uma vi­são po­lí­ti­ca que mis­tu­ra ati­vis­mo e co­nhe­ci­men­to e pro­mo­ve uma cul­tu­ra de vi­ti­mi­za­ção e in­dig­na­ção .

O pes­qui­sa­dor da FGV Ma­ti­as Spek­tor con­si­de­ra va­lo­ro­sa a ini­ci­a­ti­va do trio. “Eles de­mons­tra­ram al­go já sa­bi­do: que o pa­drão mí­ni­mo de qua­li­da­de de boa par­te das pes­qui­sas so­bre mi­no­ri­as mui­tas ve­zes não é aná­lo­go ao que se es­pe­ra de ou­tras áre­as.”

As­sim, pa­ra Spek­tor, que tam­bém é co­lu­nis­ta da Fo­lha, es­tu­dos vol­ta­dos pa­ra a pro­te­ção de mi­no­ri­as aca­bam en­fra­que­ci­dos sem­pre que ar­gu­men­tos po­li­ti­ca­men­te ori­en­ta­dos e sem em­ba­sa­men­to em­pí­ri­co se so­bres­sa­em. Tal dis­cus­são, diz, ad­qui­re im­por­tân­cia nu­ma épo­ca em que a in­to­le­rân­cia es­tá ex­plí­ci­ta.

“A me­lhor ma­nei­ra de fa­zer fren­te à des­fa­ça­tez con­tra mi­no­ri­as que to­mou con­ta da con­ver­sa pú­bli­ca, à no­ção de que elas são chei­as de ‘mi­mi­mi’, é pro­du­zir pes­qui­sas de qua­li­da­de, que não se­jam ba­se­a­das em achis­mos.”

A ci­en­tis­ta so­ci­al Ro­sa­na Pi­nhei­ro-Ma­cha­do, da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de San­ta Ma­ria, con­cor­da que o trio ex­põe uma re­a­li­da­de. “Os pa­pers aca­bam ten­do um for­ma­to en­cai­xo­ta­do, e pa­ra na­ve­gar nas re­vis­tas é pre­ci­so do­mi­nar um cer­to câ­no­ne, com­pos­to de de­ter­mi­na­dos au­to­res e de uma lin­gua­gem e pa­la­vras-cha­ve es­pe­cí­fi­cas.”

A pes­qui­sa­do­ra, no en­tan­to, con­si­de­ra a em­prei­ta­da an­tié­ti­ca. “É pos­sí­vel fa­zer o que eles fi­ze­ram em pra­ti­ca­men­te to­das as áre­as das hu­ma­nas, pois to­do o cam­po aca­dê­mi­co é do­mi­na­do por cor­ren­tes de po­der e li­nhas de pen­sa­men­to. Sem­pre foi as­sim.”

Na vi­são de Pi­nhei­ro-Ma­cha­do, os au­to­res da frau­de agem com in­ten­ção po­lí­ti­ca, “uma coi­sa meio es­co­la sem par­ti­do, que pa­re­ce que­rer es­tig­ma­ti­zar es­sa área de es­tu­dos”.

Ta­ti­a­na Var­gas, pro­fes­so­ra da Uni­ver­si­da­de La Sal­le, no Rio Gran­de do Sul, tam­bém tem cri­ti­cas ao ex­pe­ri­men­to. “Em três dos es­tu­dos eles cons­tro­em ar­gu­men­tos a par­tir de da­dos in­ven­ta­dos. Is­so é um pro­ble­ma gra­ve, pois o tra­ba­lho dos re­vi­so­res de pe­rió­di­cos, es­sen­ci­al­men­te, é apon­tar in­con­sis­tên­ci­as, não iden­ti­fi­car a va­li­da­de ou não dos da­dos, ou jul­gar se uma ideia é ma­lu­ca ou não.”

Se­gun­do Var­gas, uma re­vis­ta ci­en­tí­fi­ca acei­tar um ar­ti­go cu­ja ideia pa­re­ce ab­sur­da não pro­va na­da. “Se pen­sar­mos de ma­nei­ra his­tó­ri­ca, no de­sen­vol­vi­men­to da ci­ên­cia nos úl­ti­mos 500 anos, mui­tas das idei­as que ho­je são ple­na­men­te acei­tas fo­ram con­si­de­ra­das ab­sur­das quan­do pro­pos­tas”.

Na vi­são da pes­qui­sa­do­ra o de­ba­te so­bre o ri­gor e o ti­po de co­nhe­ci­men­to pro­du­zi­do nas hu­ma­nas é im­por­tan­te, mas há for­mas mui­to mais pro­du­ti­vas e le­gí­ti­mas de avan­çar a dis­cus­são. “Do jei­to que foi fei­to, pa­re­ce que a in­ten­ção era des­mo­ra­li­zar um cam­po es­pe­cí­fi­co e quem tra­ba­lha ne­le”, diz.

O tra­ba­lho dos re­vi­so­res é apon­tar in­con­sis­tên­ci­as, não jul­gar se uma ideia é ma­lu­ca. Mui­tas das idei­as que ho­je são ple­na­men­te acei­tas fo­ram con­si­de­ra­das ab­sur­das quan­do pro­pos­tas Ta­ti­a­na Var­gas pro­fes­so­ra da Uni­ver­si­da­de La Sal­le

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.