Além da BA­NA­NA

Fi­que por den­tro do mun­do das frutas pa­ra le­var sem­pre o me­lhor da fei­ra pa­ra ca­sa!

Glicimia, Colesterol, Triglicerides - - Primeira Página - Tex­to PAU­LA SAN­TA­NA De­sign RE­NAN OLI­VEI­RA

SE VO­CÊ É UMA DAQUELAS PES­SO­AS QUE FREQUENTA AS BANCAS DE FRUTAS NA FEI­RA E, AO LONGO DO DIA, BUS­CA NA FRUTEIRA DELÍCIAS PA­RA SACIAR A FOME, ÀS VE­ZES NEM SA­BE, MAS ES­TÁ CORRENDO NA DIREÇÃO OPOSTA AO CONSULTÓRIO MÉ­DI­CO.

Is­so por­que es­ses ali­men­tos são ri­cos em vi­ta­mi­nas, mi­ne­rais e ou­tras subs­tân­ci­as be­né­fi­cas pa­ra o or­ga­nis­mo. Mui­to mais do que tra­tar pro­ble­mas, as frutas pre­vi­nem mui­tos de­les – de ane­mia a do­en­ças de­ge­ne­ra­ti­vas – e ain­da ame­ni­zam os sin­to­mas de di­ver­sas en­fer­mi­da­des. Ve­ja al­gu­mas de­las e co­mo elas po­dem au­xi­li­ar na ma­nu­ten­ção diá­ria de sua saú­de e bem-es­tar!

O po­der da la­ran­ja

A fru­ta é bas­tan­te co­nhe­ci­da co­mo fon­te vi­tal de vi­ta­mi­na C, que aju­da na for­ma­ção dos os­sos, den­tes e gló­bu­los ver­me­lhos, além de ser fon­te pri­má­ria de re­sis­tên­cia às in­fec­ções, pro­te­gen­do o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co. Tam­bém aju­da a com­ba­ter o es­tres­se e a de­pres­são por pus­suir ação an­ti­o­xi­dan­te, o que pre­vi­ne do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res, de­ge­ne­ra­ti­vas e até mes­mo o cân­cer. A vi­ta­mi­na C pre­sen­te na la­ran­ja ain­da fa­vo­re­ce o com­ba­te ao co­les­te­rol e no bom re­gu­la­men­to do sis­te­ma di­ges­ti­vo. Con­su­mir o ba­ga­ço tam­bém faz bem à saú­de, ao con­trá­rio do que mui­ta gen­te acre­di­ta: ele au­xi­lia no con­tro­le da glicemia e no bom fun­ci­o­na­men­to in­tes­ti­nal.

CÂN­CER BEM LON­GE

As ge­ne­ro­sas quan­ti­da­des de glu­ta­ti­o­na e vi­ta­mi­na E en­con­tra­das no aba­ca­te são im­por­tan­tes no com­ba­te à for­ma­ção de te­ci­dos can­ce­rí­ge­nos. O mo­ran­go con­tém áci­do elá­gi­co, ca­te­qui­na e delphi­ni­din, com­pos­tos fe­nó­li­cos com ati­vi­da­de an­ti­can­ce­rí­ge­na. Já na ce­re­ja, es­sa qua­li­da­de é atri­buí­da à an­to­ci­a­ni­na e à api­ge­ni­na, an­ti­o­xi­dan­tes que bar­ram a de­ge­ne­ra­ção ce­lu­lar. "O li­mão é ri­co em mi­ne­rais e vi­ta­mi­na C, mas o des­ta­que fi­ca por con­ta das subs­tân­ci­as pre­sen­tes em sua cas­ca e nos óle­os es­sen­ci­ais, que pre­vi­nem tu­mo­res e eli­mi­nam to­xi­nas do or­ga­nis­mo", co­men­ta a nu­tri­ci­o­nis­ta.

IMU­NI­DA­DE NAS ALTURAS

Pa­ra en­fren­tar os de­sa­fi­os do dia a dia (can­sa­ço, des­gas­te, ví­rus, bac­té­ri­as...), o cor­po pre­ci­sa es­tar bem pre­pa­ra­do. Pa­ra is­so, o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co de­ve ser abas­te­ci­do com um nu­tri­en­te fun­da­men­tal: a vi­ta­mi­na C, que me­lho­ra a re­sis­tên­cia e com­ba­te a ação dos ra­di­cais li­vres, cau­sa­do­res de da­nos às cé­lu­las. "Ela tem pa­pel im­por­tan­te, es­pe­ci­al­men­te pa­ra quem es­tá com de­fi­ci­ên­cia des­se nu­tri­en­te", diz a nu­tri­ci­o­nis­ta Bar­ba­ra Res­cal­li San­ches. Em­bo­ra se­ja as­so­ci­a­da à la­ran­ja, é a ace­ro­la a gran­de cam­peã no apor­te de vi­ta­mi­na C (a quan­ti­da­de em 9 ace­ro­las cor­res­pon­de à de 30 la­ran­jas), se­gui­da do ca­ju, da goi­a­ba, do kiwi e do ma­mão.

Que tal apos­tar no aba­ca­xi?

En­quan­to no di­ta­do po­pu­lar des­cas­car um aba­ca­xi sig­ni­fi­ca ter um sé­rio pro­ble­ma em mãos, na prá­ti­ca a si­tu­a­ção é bem di­fe­ren­te e só apre­sen­ta be­ne­fí­ci­os pa­ra a saú­de. Con­si­de­ra­do o rei das frutas, pos­sui vi­ta­mi­nas C,A e B1, além de mag­né­sio, co­bre, man­ga­nês, fer­ro, fi­bras e bro­me­li­na. "De­vi­do à pre­sen­ça de bro­me­li­na em sua com­po­si­ção, uma mis­tu­ra de en­zi­mas que des­do­bram pro­teí­nas, o aba­ca­xi fa­ci­li­ta a di­ges­tão", es­cla­re­ce Da­ni­e­la. Além dis­so, a en­zi­ma ain­da es­ti­mu­la um me­lhor apro­vei­ta­men­to de ou­tros nu­tri­en­tes. O cál­cio pre­sen­te na fru­ta fa­ci­li­ta o des­li­za­men­to e a con­tra­ção das fi­bras mus­cu­la­res, re­gu­la a di­vi­são ce­lu­lar e con­tro­la os ba­ti­men­tos car­día­cos, en­quan­to o po­tás­sio equi­li­bra a quan­ti­da­de de água pre­sen­te nas cé­lu­las, re­gu­la­ri­za a pres­são ar­te­ri­al, au­men­ta a elas­ti­ci­da­de das ar­té­ri­as e age nas con­tra­ções mus­cu­la­res.

Vá de ma­çã!

Fa­mo­sa nas his­tó­ri­as in­fan­tis, a ma­çã é uma fru­ta mui­to po­de­ro­sa. Ver­me­lha ou ver­de, ela pos­sui mui­tas fi­bras e pou­cas calorias, sen­do uma boa in­di­ca­ção pa­ra quem de­se­ja ema­gre­cer. A fru­ta ain­da re­gu­la mui­to bem o fun­ci­o­na­men­to do in­tes­ti­no, mas des­de que se con­su­mi­da com bas­tan­te água, ca­so con­trá­rio, o efei­to pro­vo­ca­do se­rá o in­ver­so. "Os po­li­fe­nois e os fla­vo­noi­des, pre­sen­tes na cas­ca e na pol­pa da ma­çã, pro­te­gem as cé­lu­las da ação dos ra­di­cais li­vres, re­tar­dan­do o en­ve­lhe­ci­men­to, além de im­pe­di­rem uma sé­rie de do­en­ças, en­tre elas o cân­cer", ale­ga a nu­tri­ci­o­nis­ta Da­ni­e­la Jobst. A ma­çã ain­da me­lho­ra a pri­são de ven­tre, uma vez que su­as fi­bras so­lú­veis de­sin­to­xi­cam o apa­re­lho di­ges­ti­vo e o seu bai­xís­si­mo ín­di­ce gli­cê­mi­co é es­sen­ci­al pa­ra o con­tro­le do di­a­be­tes, ga­ran­tin­do que o ní­vel de açú­car per­ma­ne­ça re­gu­la­do por mais tem­po.

CONSULTORIA Bar­ba­ra Res­cal­li San­ches e Da­ni­e­la Jobst, nu­tri­ci­o­nis­tas FO­TOS Shut­ters­tock Ima­ges

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.