TU­DO SO­BRE A BA­NA­NA VER­DE

Se vo­cê ain­da não sa­be por que ela vi­rou a que­ri­di­nha dos nu­tri­ci­o­nis­tas, che­gou a ho­ra de des­co­brir!

Glicimia, Colesterol, Triglicerides - - Primeira Página - Tex­to PAU­LA SAN­TA­NA De­sign RE­NAN OLI­VEI­RA

En­ten­da co­mo ela po­ten­ci­a­li­za o or­ga­nis­mo con­tra ma­les di­ver­sos

APOS­TAR NO CON­SU­MO DE UM ALI­MEN­TO AN­TES DE ELE MA­DU­RAR NÃO ERA UMA ATI­TU­DE MUI­TO CO­MUM, PE­LO ME­NOS ATÉ OS INÚ­ME­ROS GA­NHOS DA BA­NA­NA VER­DE SE­REM DES­CO­BER­TOS. “Ela é uma fru­ta ain­da não ama­du­re­ci­da e, por­tan­to, con­tém mui­to mais ami­do re­sis­ten­te, um ti­po de car­boi­dra­to que não é bem ab­sor­vi­do pe­lo or­ga­nis­mo e que po­de tra­zer mui­tos be­ne­fí­ci­os à saú­de (co­mo con­tro­le da gli­co­se, ma­nu­ten­ção do pe­so e até mes­mo uma di­mi­nui­ção dos ní­veis de co­les­te­rol)”, con­ta a nu­tri­ci­o­nis­ta Re­na­ta Qu­ei­roz.

Pe­que­na só no no­me!

A mai­o­ria das re­cei­tas de fa­ri­nha e bi­o­mas­sa de ba­na­na ver­de são fei­tas com ba­na­na­na­ni­ca, uma das ver­sões mais sau­dá­veis da fru­ta. Po­den­do che­gar a 20cm de com­pri­men­to - con­tra apro­xi­ma­da­men­te 8cm da ba­na­na­ma­çã - ela con­tém gran­des quan­ti­da­des de car­boi­dra­tos, sen­do um lan­che ide­al pa­ra quem pre­ci­sa de ener­gia pa­ra pra­ti­car ati­vi­da­des fí­si­cas. Além dis­so, o po­tás­sio (um dos nu­tri­en­tes mais lem­bra­dos quan­do se fa­la em ba­na­na) aju­da a man­ter a saú­de dos mús­cu­los em dia, o que con­tri­bui pa­ra evi­tar as tão incô­mo­das câim­bras. O mag­né­sio é ou­tra pe­ça­cha­ve que faz da fru­ta in­dis­pen­sá­vel pa­ra o dia a dia, já que con­tri­bui pa­ra a saú­de ce­re­bral, além de fa­zer bem ao co­ra­ção.

VANTAGENS ES­PE­CI­AIS

Em­bo­ra a ba­na­na ma­du­ra tam­bém se­ja uma ex­ce­len­te fon­te de saú­de - ten­do co­mo um de seus nu­tri­en­tes mais lem­bra­dos o po­tás­sio, que atua na pro­te­ção das ati­vi­da­des ce­re­brais e mus­cu­la­res -, ela con­tém uma quan­ti­da­de mai­or de açú­car, que po­de pre­ju­di­car a di­e­ta de quem con­vi­ve com o di­a­be­tes. Por is­so, se o pro­ble­ma se faz pre­sen­te, o ide­al é apos­tar em op­ções que le­vem con­si­go a ba­na­na ver­de. O mes­mo va­le pa­ra quem quer per­der al­guns qui­li­nhos ex­tras. “À me­di­da em que a ba­na­na vai ama­du­re­cen­do, o seu te­or de ami­do vai sen­do con­ver­ti­do em açú­car, o que tor­na a fru­ta ma­du­ra mais ca­ló­ri­ca. Além dis­so, ela tam­bém é uma óti­ma fon­te de fi­bras - 1 úni­ca xí­ca­ra (chá) con­tém 3,6g do nu­tri­en­te - vi­ta­mi­nas e mi­ne­rais, co­mo po­tás­sio (531mg por xí­ca­ra), cál­cio, mag­né­sio e vi­ta­mi­nas do com­ple­xo B”, com­ple­ta Re­na­ta.

PRIN­CI­PAIS ALI­A­DOS

Em­bo­ra to­dos os nu­tri­en­tes da ba­na­na ver­de se­jam im­por­tan­tes pa­ra a saú­de, dois de­les se des­ta­cam quan­do o as­sun­to é o equi­lí­brio do or­ga­nis­mo. São eles:

Po­tás­sio: jun­to com o só­dio e o clo­ro, é res­pon­sá­vel pe­la con­tra­ção e re­la­xa­men­to mus­cu­lar, fa­vo­re­ce o fun­ci­o­na­men­to do co­ra­ção e tam­bém par­ti­ci­pa da trans­mis­são de im­pul­sos ner­vo­sos, além de pos­suir pa­pel im­por­tan­te na se­cre­ção de in­su­li­na pe­lo pân­cre­as. A ba­na­na na­ni­ca é uma das mai­o­res fon­tes na­tu­rais dis­po­ní­veis do mi­ne­ral. O po­tás­sio tam­bém atua no cor­po, au­men­tan­do a elas­ti­ci­da­de das ar­té­ri­as, con­tro­lan­do a pres­são ar­te­ri­al e evi­tan­do pro­ble­mas car­di­o­vas­cu­la­res, co­mo in­far­to e der­ra­mes.

Cál­cio: di­fe­ren­te­men­te do ima­gi­na­do, o mi­ne­ral não es­tá pre­sen­te ape­nas no lei­te e seus de­ri­va­dos. Ele tam­bém se en­con­tra na ba­na­na - não em quan­ti­da­des tão gran­des - mas, ain­da as­sim, se faz pre­sen­te.

A ba­na­na ver­de é mui­to ver­sá­til, po­den­do

ser con­su­mi­da em for­ma de fa­ri­nha, de bi­o­mas­sa e in na­tu­ra, po­den­do in­cor­po­rar

uma sé­rie de re­cei­tas di­fe­ren­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.