VER­SÕES BE­NÉ­FI­CAS

Há ou­tros ti­pos de fa­ri­nhas fun­ci­o­nais que afas­tam uma sé­rie de do­en­ças e po­dem ser con­su­mi­das sem me­do!

Glicimia, Colesterol, Triglicerides - - Primeira Página - Tex­to PAU­LA SAN­TA­NA De­sign RE­NAN OLI­VEI­RA

Ou­tras fa­ri­nhas de frutas e legumes pa­ra in­cluir na ro­ti­na

CO­MO VO­CÊ JÁ VIU NA MA­TÉ­RIA DA PÁ­GI­NA 6, A FA­RI­NHA DA BA­NA­NA VER­DE É UMA OP­ÇÃO BEM PRÁ­TI­CA PA­RA GA­RAN­TIR OS NU­TRI­EN­TES DA FRU­TA NO SEU OR­GA­NIS­MO.

Além dis­so, es­sa ver­são po­de es­tar pre­sen­te em di­ver­sos pra­tos: pol­vi­lha­da so­bre frutas, so­pas, saladas e on­de mais lhe

agra­dar. O gran­de trun­fo do ali­men­to é a pre­sen­ça de ami­do re­sis­ten­te — um ti­po de car­boi­dra­to que pas­sa de for­ma in­tac­ta pe­lo in­tes­ti­no del­ga­do, dei­xan­do pa­ra o in­tes­ti­no gros­so subs­tra­tos be­né­fi­cos pa­ra a flo­ra in­tes­ti­nal. Mas sa­bia que há ou­tras ex­ce­len­tes fa­ri­nhas de ali­men­tos que po­dem tur­bi­nar a saú­de? Não dei­xe de in­cluí-las na di­e­ta tam­bém!

Fa­ri­nha de li­nha­ça: sua gran­de van­ta­gem é que ela pos­sui as mes­mas pro­pri­e­da­des be­né­fi­cas da se­men­te. Is­so por­que o ali­men­to é ape­nas tri­tu­ra­do até vi­rar pó e não pas­sa por ne­nhum pro­ces­so quí­mi­co ou adi­ção de in­gre­di­en­tes. Ou­tro trun­fo da fa­ri­nha é a pre­sen­ça de ôme­ga-3, um áci­do gra­xo que tem co­mo fun­ção con­tro­lar as ta­xas de co­les­te­rol, a pres­são ar­te­ri­al e re­du­zir o acú­mu­lo de gor­du­ra ab­do­mi­nal. “Es­tu­dos mos­tram que o con­su­mo re­gu­lar de ôme­ga-3 au­xi­lia na me­lho­ra da con­cen­tra­ção, me­mó­ria, apren­di­za­do, mo­ti­va­ção, hu­mor, ve­lo­ci­da­de de re­a­ção, aju­da a neu­tra­li­zar o es­tres­se e a pre­ve­nir do­en­ças de­ge­ne­ra­ti­vas ce­re­brais, co­mo Alzhei­mer e Par­kin­son”, com­ple­men­ta a nu­tri­ci­o­nis­ta Do­mi­ni­que Hor­ta Buim.

Fa­ri­nha de ma­ra­cu­já: a fru­ta tem a fa­ma de cal­man­te natural, mas quais são os be­ne­fí­ci­os da fa­ri­nha? A nu­tri­ci­o­nis­ta Grei­ce Ca­ro­li­ne Bag­gio res­pon­de: “A fa­ri­nha de ma­ra­cu­já é ri­ca em pec­ti­na, uma fra­ção de fi­bra so­lú­vel en­con­tra­da na par­te bran­ca da cas­ca da fru­ta que pos­sui a ca­pa­ci­da­de de re­ter água, for­man­do géis vis­co­sos que re­tar­dam o es­va­zi­a­men­to gás­tri­co e me­lho­ram o trân­si­to in­tes­ti­nal, eli­mi­nan­do par­te da gor­du­ra e açú­ca­res con­su­mi­dos na re­fei­ção. A fa­ri­nha tam­bém pro­mo­ve a sen­sa­ção de sa­ci­e­da­de, o que es­ti­mu­la a per­da gra­da­ti­va do pe­so cor­po­ral, além de es­tar as­so­ci­a­da a um ris­co re­du­zi­do de di­a­be­tes e do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res”. Gra­ças à pre­sen­ça de fi­bras, a fa­ri­nha ain­da pro­mo­ve uma lim­pe­za no or­ga­nis­mo, eli­mi­nan­do as to­xi­nas que são res­pon­sá­veis pe­lo de­sen­vol­vi­men­to de do­en­ças gra­ves, co­mo o cân­cer.

Fa­ri­nha de qui­noa: pães, bo­los, saladas e so­pas são al­gu­mas op­ções de re­cei­tas pa­ra in­cluir a fa­ri­nha de qui­noa no car­dá­pio. Mo­ti­vos não fal­tam: “A qui­noa é um ali­men­to mui­to com­ple­to, pois é fon­te im­por­tan­te de pro­teí­na de al­to va­lor bi­o­ló­gi­co (com­bi­na­ção de ami­noá­ci­dos de ex­ce­len­te qua­li­da­de) e pos­sui bai­xa con­cen­tra­ção de car­boi­dra­to e gor­du­ra”, afir­ma a nu­tri­ci­o­nis­ta Ales­san­dra Co­e­lho. De­vi­do a es­sas qua­li­da­des, o ali­men­to au­xi­lia na di­mi­nui­ção das ta­xas de co­les­te­rol e no for­ta­le­ci­men­to da mus­cu­la­tu­ra. Além dis­so, a fa­ri­nha de qui­noa con­tém fi­to­es­tró­ge­nos, hormô­ni­os na­tu­rais que aju­dam no com­ba­te à os­te­o­po­ro­se, prin­ci­pal­men­te em mu­lhe­res na me­no­pau­sa. Pen­sa que os be­ne­fí­ci­os aca­bam por aí? Pe­lo con­trá­rio! A gran­de quan­ti­da­de de fi­bras é ou­tro fa­tor im­por­tan­te, já que fa­vo­re­ce a di­ges­tão e o tra­ba­lho in­tes­ti­nal.

Fa­ri­nha de be­ter­ra­ba: a lis­ta de nu­tri­en­tes pre­sen­tes ne­la é gran­de: vi­ta­mi­na A, C, do com­ple­xo B e mi­ne­rais, co­mo fós­fo­ro, cál­cio, zin­co, fer­ro e man­ga­nês mar­cam pre­sen­ça no ali­men­to. Além de ser uma fa­ri­nha fei­ta pe­lo ve­ge­tal mais do­ce, ela se des­ta­ca por ser ri­ca em fer­ro, o que au­xi­lia a pre­ve­nir e com­ba­ter a ane­mia. A fa­ri­nha ain­da pos­sui ou­tra im­por­tan­tes subs­tân­ci­as ao or­ga­nis­mo. Além da pre­sen­ça de be­ta­laí­na – an­ti­o­xi­dan­te que com­ba­te os ra­di­cais li­vres --, é fon­te de an­to­ci­a­ni­na. “Um fla­vo­noi­de com ação an­ti­o­xi­dan­te e imu­no­es­ti­mu­lan­te, ex­ce­len­te pa­ra o sis­te­ma cir­cu­la­tó­rio, evi­ta pro­ble­mas car­día­cos e ini­be a for­ma­ção de coá­gu­los”, re­ve­la a nu­tró­lo­ga e mé­di­ca or­to­mo­le­cu­lar Ta­ma­ra Ma­za­rac­ki.

CONSULTORIA Grei­ce Ca­ro­li­ne Bag­gio e Do­mi­ni­que Hor­ta Buim, nu­tri­ci­o­nis­tas; Ta­ma­ra Ma­za­rac­ki, nu­tró­lo­ga e mé­di­ca or­to­mo­le­cu­lar

FO­TOS Ste­la Han­da e Shut­ters­tock Ima­ges

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.