DESVENDANDO O CÉ­RE­BRO

Glicimia, Colesterol, Triglicerides - - Sumário -

Co­nhe­ça um pou­co mais so­bre o or­ga­nis­mo e o que po­de tra­zer o Alzheimer à to­na!

Em­bo­ra a prin­ci­pal cau­sa do Alzheimer não se­ja com­pro­va­da ci­en­ti­fi­ca­men­te, al­guns fa­to­res po­dem ser cul­pa­dos pe­la mai­o­ria dos ca­sos de in­ci­dên­cia da do­en­ça

INÚ­ME­RAS PES­QUI­SAS SÃO RE­A­LI­ZA­DAS ANU­AL­MEN­TE ACER­CA DO ALZHEIMER E SEU DESENCADEAMENTO. Em­bo­ra ain­da não se sai­ba o re­al mo­ti­vo pa­ra o dis­túr­bio apa­re­cer, fi­ca cla­ro que o en­ve­lhe­ci­men­to é o fa­tor pri­mor­di­al. Po­dem até exis­tir ca­sos da do­en­ça em pes­so­as mais jo­vens, en­tre­tan­to, es­sas si­tu­a­ções são ra­rís­si­mas e não se tem co­nhe­ci­men­to so­bre a sua ver­da­dei­ra ra­zão. “Há um fa­tor de ris­co que não é pos­sí­vel evi­tar, que é o en­ve­lhe­ci­men­to. Sua ação pro­va­vel­men­te re­la­ci­o­na-se à di­fi­cul­da­de do sis­te­ma me­ta­bó­li­co ce­re­bral de ma­nu­se­ar de for­ma ade­qua­da os ra­di­cais li­vres e subs­tân­ci­as no­ci­vas que se acu­mu­lam ao lon­gos dos anos de­vi­do à ati­vi­da­de ce­re­bral in­ten­sa, le­van­do ao acú­mu­lo de pro­du­tos que po­de­ri­am de­sen­ca­de­ar a do­en­ça”, sa­li­en­ta o neu­ro­lo­gis­ta Flávio Se­keff Sal­lem. Além dis­so, os há­bi­tos de vi­da de ca­da um tam­bém são fa­to­res que de­vem ser ob­ser­va­dos com aten­ção: se­den­ta­ris­mo, fu­mo, con­su­mo de be­bi­das al­coó­li­cas e até mes­mo a con­vi­vên­cia com subs­tân­ci­as tó­xi­cas pre­sen­tes no am­bi­en­te po­dem pre­ju­di­car as ati­vi­da­des ce­re­brais e re­sul­tar em uma pro­ba­bi­li­da­de mai­or pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do Alzheimer, as­sun­to que se­rá dis­cu­ti­do na ma­té­ria se­guin­te.

CO­MAN­DAN­TE SUSCETÍVEL

Res­pon­sá­vel por de­ter­mi­nar to­das as ações re­a­li­za­das pe­lo cor­po hu­ma­no, o cé­re­bro, co­mo a mai­o­ria dos ór­gãos, é frá­gil, e me­re­ce mui­tos cui­da­dos ao lon­go da vi­da. Is­to por­que, mui­tas ve­zes, o pro­ces­so

Aten­ção

re­do­bra­da

In­fe­liz­men­te, qual­quer pes­soa es­tá su­jei­ta a de­sen­vol­ver a do­en­ça, que po­de atin­gir tan­to quem tem pre­dis­po­si­ção ge­né­ti­ca, quan­to não. “É pre­ci­so mui­to cui­da­do, pois a do­en­ça po­de aco­me­ter pes­so­as sem qual­quer his­tó­ri­co fa­mi­li­ar e pou­par aque­las com his­tó­ria fa­mi­li­ar ri­ca em Alzheimer e, por­tan­to, mais

pre­o­cu­pan­te”, des­ta­ca Sal­lem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.