EXER­CÍ­CI­OS PA­RA A MEN­TE

40 exer­cí­ci­os pa­ra apri­mo­rar o cé­re­bro e adi­ar o apa­re­ci­men­to do Alzheimer

Glicimia, Colesterol, Triglicerides - - Sumário - CONSULTORIA Ta­ti­a­ne Pe­na, ges­to­ra pe­da­gó­gi­ca da Ino­var Bra­sí­lia e pa­les­tran­te de cur­sos pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de ha­bi­li­da­des en­vol­ven­do jo­gos de ra­ci­o­cí­nio ló­gi­co. ILUS­TRA­ÇÕES Shut­ters­tock Images e iS­tock.com/Getty images

Uma das prin­ci­pais for­mas de evi­tar do­en­ças da men­te é exer­ci­tá-la! Es­ti­mu­le seu cé­re­bro com ati­vi­da­des lú­di­cas e fun­ci­o­nais

MUI­TO SE FA­LA SO­BRE EXER­CI­TAR O COR­PO, mas nem tan­to so­bre exer­ci­tar a men­te, que po­de aca­bar “en­fer­ru­ja­da”, pro­ces­so que se ace­le­ra em qu­a­dros de Alzheimer. Ler e es­tu­dar, por exem­plo, são óti­mas al­ter­na­ti­vas pa­ra man­ter a “boa for­ma” do cé­re­bro.

Aliás, tu­do aqui­lo que en­vol­va, de al­gu­ma for­ma, ra­ci­o­cí­nio, me­mó­ria e aten­ção tam­bém tra­ba­lha nes­se mes­mo sen­ti­do. O segredo es­tá em es­ti­mu­lar um mai­or in­ter­câm­bio en­tre os neurô­ni­os. “Jo­gos e ati­vi­da­des exi­gem do cé­re­bro a ha­bi­li­da­de de for­mu­lar no­vas co­ne­xões, ou se­ja, a neu­ro­plas­ti­ci­da­de, que con­sis­te em cri­ar um no­vo ca­mi­nho atra­vés dos neurô­ni­os to­da vez que o cé­re­bro re­ce­be um no­vo co­nhe­ci­men­to”, ga­ran­te Ta­ti­a­ne Pe­na, ges­to­ra pe­da­gó­gi­ca da Ino­var Bra­sí­lia. “São im­por­tan­tes fer­ra­men­tas, pois per­mi­tem ao in­di­vi­duo man­ter a ca­pa­ci­da­de cog­ni­ti­va, além de de­sen­vol­ver con­cen­tra­ção, cu­ri­o­si­da­de, ini­ci­a­ti­va e au­to­con­fi­an­ça”, afir­ma Ta­ti­a­ne.

ES­TÍ­MU­LO CONS­TAN­TE

Pen­san­do nis­so, lis­ta­mos a se­guir 40 exer­cí­ci­os men­tais, que tra­ba­lham di­fe­ren­tes áre­as do cé­re­bro.A ideia é que o lei­tor de­bru­ce-se so­bre eles por ho­ras (ou até di­as) em bus­ca das so­lu­ções – não va­le pa­rar pa­ra pen­sar só por cin­co mi­nu­ti­nhos e pu­lar di­re­to pa­ra as pá­gi­nas de res­pos­tas ao fi­nal, ok? Lem­bre-se: é vo­cê mes­mo quem de­ve se de­sa­fi­ar e co­lher os re­sul­ta­dos des­se es­for­ço. Al­guns de­les pa­re­ce­rão mais di­fí­ceis do que os ou­tros, mas é jus­ta­men­te aí que es­tá a gra­ça!

Pa­ra con­ser­var uma men­te afi­a­da, apri­mo­re-se na­qui­lo que já do­mi­na, mas man­te­nha sem­pre ace­so o de­se­jo de apren­der coi­sas no­vas: “Em re­la­ção ao Alzheimer, é re­co­men­dá­vel que a pes­soa não es­te­ja ape­nas en­vol­vi­da em ati­vi­da­des de ocu­pa­ção ce­re­bral, co­mo tam­bém ob­ser­ve a qua­li­da­de des­tas ati­vi­da­des. Por­que, pa­ra se ob­ter bons re­sul­ta­dos, é ne­ces­sá­rio que o cé­re­bro se ocu­pe cons­tan­te­men­te de no­vas ex­pe­ri­ên­ci­as. Quan­to mais nos apro­pri­a­mos de co­nhe­ci­men­tos iné­di­tos, mais nos­sos neurô­ni­os são es­ti­mu­la­dos”, con­clui Ta­ti­a­ne.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.