TERAPIAS AU­XI­LI­A­RES

Al­guns tratamentos al­ter­na­ti­vos po­dem pro­mo­ver gran­des mu­dan­ças na vi­da de quem tem a do­en­ça

Glicimia, Colesterol, Triglicerides - - Sumário -

Con­fi­ra uma sé­rie de terapias e mé­to­dos pa­ra au­xi­li­ar a con­tro­lar as do­en­ças e en­con­trar alí­vio con­tra os sintomas

APÓS O DIAGNÓSTICO DA DO­EN­ÇA, LE­VAR À RIS­CA TO­DOS OS TRATAMENTOS RECOMENDADOS PE­LOS ES­PE­CI­A­LIS­TAS É FUN­DA­MEN­TAL. Além da aju­da de me­di­ca­men­tos, tam­bém é im­por­tan­te tra­ba­lhar as di­fe­ren­tes áre­as do cor­po di­a­ri­a­men­te, por meio de acom­pa­nha­men­to psi­co­ló­gi­co, exer­cí­ci­os pa­ra a me­mó­ria, di­e­ta sau­dá­vel e até mes­mo no­vos hob­bi­es, que têm o po­der de tra­zer um es­tí­mu­lo a mais pa­ra a vi­da do pa­ci­en­te. Ve­ja as op­ções a se­guir!

ES­TI­MU­LA­ÇÃO ELETROMAGNÉTICA

Nes­se tra­ta­men­to, a es­ti­mu­la­ção é fei­ta por meio de pul­sos mag­né­ti­cos for­ne­ci­dos por um equi­pa­men­to de­sen­vol­vi­do pa­ra es­ta téc­ni­ca. Es­sa es­ti­mu­la­ção é ca­paz de ge­rar mu­dan­ças con­tro­la­das nos neurô­ni­os (cé­lu­las res­pon­sá­veis pe­la con­du­ção dos im­pul­sos ner­vo­sos) de re­giões es­pe­cí­fi­cas do cé­re­bro, po­den­do ati­vá-los ou ini­bi-los. O psi­qui­a­tra é o pro­fis­si­o­nal que de­fi­ni­rá a quan­ti­da­de de ses­sões ne­ces­sá­ri­as, de acor­do com ca­da ca­so. A téc­ni­ca tem si­do bas­tan­te uti­li­za­da pa­ra com­ba­ter a de­pres­são e, em al­guns ca­sos, tam­bém os sintomas da do­en­ça de Alzheimer. Pa­ra o neu­ro­lo­gis­ta Flávio Se­keff Sal­lem, a téc­ni­ca é pro­mis­so­ra. “A es­ti­mu­la­ção mag­né­ti­ca trans­cra­ni­a­na é um tra­ta­men­to que vem sen­do es­tu­da­do pa­ra uma gama de pro­ble­mas psi­quiá­tri­cos e neu­ro­ló­gi­cos, po­den­do ser pro­mis­so­ra pa­ra o tra­ta­men­to da do­en­ça de Alzheimer”.

PSI­CO­TE­RA­PIA

No es­tá­gio ini­ci­al do Alzheimer e do Parkinson, sintomas co­mo de­pres­são, an­si­e­da­de e agres­si­vi­da­de po­dem ser co­muns. As­sim, o tra­ta­men­to à ba­se de psi­co­te­ra­pia po­de ser uma saí­da pa­ra me­lho­rar es­ses des­con­for­tos. A psi­co­te­ra­pia, ba­si­ca­men­te, ba­seia-se em téc­ni­cas apli­ca­das por um psi­có­lo­go, a fim de tra­tar pro­ble­mas emo­ci­o­nais en­fren­ta­dos pe­lo pa­ci­en­te. “A téc­ni­ca não fun­ci­o­na co­mo tra­ta­men­to es­pe­cí­fi­co das quei­xas cog­ni­ti­vas, mas po­de, sim, au­xi­li­ar nos sintomas psí­qui­cos en­vol­vi­dos, prin­ci­pal­men­te, nas fa­ses pre­co­ces da pa­to­lo­gia, além de aju­dar os cuidadores. Con­si­de­ro uma te­ra­pia ad­ju­van­te útil em mui­tos ca­sos”, sa­li­en­ta o neu­ro­lo­gis­ta Le­an­dro Te­les.

Pa­ra mui­tos, a psi­co­te­ra­pia é um mo­men­to de de­sa­ba­fo do pa­ci­en­te. No en­tan­to, es­se ti­po de tra­ta­men­to vai mui­to além. Ha­ve­rá di­as em que a pes­soa que so­fre com Alzheimer sai­rá do con­sul­tó­rio com uma sen­sa­ção de le­ve­za e, em ou­tros, ela per­ce­be­rá os ga­nhos pro­por­ci­o­na­dos pe­la téc­ni­ca.

DI­E­TA SAU­DÁ­VEL

“Vo­cê é o que vo­cê co­me”. Não é que o di­ta­do po­pu­lar tem to­da a ra­zão? Uma ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da com os ali­men­tos cer­tos po­de aju­dar o ido­so a en­fren­tar a do­en­ça. “Di­e­ta sau­dá­vel, de pre­fe­rên­cia a do Me­di­ter­râ­neo, com ce­re­ais in­te­grais, azei­te, pei­xe, fru­tas, ve­ge­tais, no­zes, amên­do­as e se­men­tes, au­xi­lia no tra­ta­men­to da do­en­ça, pois aju­da a di­mi­nuir al­guns dos fa­to­res de ris­co vas­cu­la­res que po­dem pi­o­rar a evo­lu­ção do pro­ble­ma”, afir­ma Sal­lem.

DE BEM COM A VI­DA

Quan­do o Alzheimer e o Parkinson ain­da se en­con­tram em sua fa­se ini­ci­al, é im­por­tan­te es­ti­mu­lar o pa­ci­en­te ao má­xi­mo, a fim de que sua qua­li­da­de de vi­da se­ja pre­ser­va­da. Pa­ra is­so, al­gu­mas ati­vi­da­des es­ti­mu­lan­tes po­dem pro­por­ci­o­nar gran­des des­co­ber­tas e pro­mo­ver mo­men­tos ín­ti­mos de la­zer com a fa­mí­lia. Ve­ja al­gu­mas op­ções!

Ar­tes plás­ti­cas Quem já pra­ti­cou sa­be que elas são uma dis­tra­ção e tan­to pa­ra a men­te. Es­sa téc­ni­ca aju­da a es­que­cer os pro­ble­mas, sem con­tar que os re­sul­ta­dos são maravilhosos e, além de dei­xar a ca­sa mais bo­ni­ta, ain­da po­de aju­dar no or­ça­men­to do lar! Procurar um cur­so é um óti­mo pas­so pa­ra co­me­çar a se aper­fei­ço­ar.

Dança Se­ja de sa­lão, sal­sa, jazz ou qual­quer ou­tro ti­po, seus be­ne­fí­ci­os à saú­de são in­con­tá­veis. “Os es­tu­di­o­sos com­pro­vam que dan­çar aju­da na to­ni­fi­ca­ção mus­cu­lar, na me­lho­ria da fle­xi­bi­li­da­de, es­pan­ta o es­tres­se, aju­da na per­da de pe­so, no con­tro­le do co­les­te­rol e no con­di­ci­o­na­men­to fí­si­co, além de ser um óti­mo exer­cí­cio pa­ra es­trei­tar re­la­ci­o­na­men­tos, com­ba­ter a de­pres­são, pro­mo­ver a di­ver­são e au­men­tar a dis­po­si­ção e a au­to­es­ti­ma das pes­so­as”, con­ta o edu­ca­dor fí­si­co Cai­to Junior.

Yo­ga Além de au­xi­li­ar na res­pi­ra­ção e no bom de­sem­pe­nho do sis­te­ma ner­vo­so, a téc­ni­ca ain­da pro­por­ci­o­na o au­men­to da con­cen­tra­ção e a di­mi­nui­ção da an­si­e­da­de. “A prá­ti­ca de yo­ga po­de ser uma gran­de ali­a­da pa­ra prevenção dos qu­a­dros de de­pres­são, por to­dos os seus be­ne­fí­ci­os já co­nhe­ci­dos”, co­men­ta o ins­tru­tor de yo­ga e me­di­ta­ção Sal­va­dor Her­nan­des.

Jar­di­na­gem Ter um pe­que­no jar­dim em ca­sa pa­ra cui­dar é uma óti­ma ideia! Além dos mo­men­tos de dis­tra­ção, es­sa ati­vi­da­de ain­da pro­mo­ve a co­lhei­ta de óti­mos fru­tos, li­te­ral­men­te. O mais fá­cil pa­ra co­me­çar é a plan­ta­ção de er­vas fi­nas e de­mais tem­pe­ros, que não ocu­pam mui­to es­pa­ço e po­dem ser apro­vei­ta­dos pa­ra dei­xar as re­fei­ções ain­da mais sa­bo­ro­sas com seu to­que fres­qui­nho. A ma­nu­ten­ção des­se can­ti­nho tam­bém pro­por­ci­o­na re­la­xa­men­to e di­ver­são.

Pi­la­tes Des­de que não ha­ja ne­nhu­ma con­train­di­ca­ção mé­di­ca, qual­quer pes­soa é li­vre pa­ra re­a­li­zar a prá­ti­ca, in­clu­si­ve os ido­sos. “O pi­la­tes aper­fei­çoa a res­pi­ra­ção e po­ten­ci­a­li­za es­sa ca­pa­ci­da­de. A exe­cu­ção de to­dos os exer­cí­ci­os é re­a­li­za­da em sin­cro­nia com a res­pi­ra­ção, pro­por­ci­o­nan­do mais qua­li­da­de ao mo­vi­men­to e acal­man­do o alu­no. Além de ser uma ati­vi­da­de fí­si­ca, é um exer­cí­cio men­tal, ten­do co­mo ob­je­ti­vo prin­ci­pal tra­ba­lhar o cor­po as­so­ci­a­do à men­te”, ex­pli­ca o fi­si­o­te­ra­peu­ta e pro­fes­sor de pi­la­tes Vinicius Za­ca­ri­as.

Me­di­ta­ção É um dos mé­to­dos mais efi­ca­zes e recomendados pa­ra in­du­zir ao re­la­xa­men­to. O me­lhor de tu­do é que nem sem­pre é ne­ces­sá­rio procurar um es­tú­dio es­pe­ci­a­li­za­do na téc­ni­ca pa­ra pra­ti­cá-la. Com uma rou­pa le­ve e um am­bi­en­te tran­qui­lo, si­len­ci­o­so e acon­che­gan­te, já é pos­sí­vel co­me­çar a me­di­tar. O exer­cí­cio re­quer um gran­de au­xí­lio da res­pi­ra­ção, que de­ve ser cal­ma e con­tro­la­da. Nem sem­pre é pos­sí­vel dei­xar a men­te com­ple­ta­men­te va­zia, po­rém, com trei­no, lo­go a prá­ti­ca se tor­na ca­da vez mais efi­caz.

Exer­ci­tar a me­mó­ria com

a aju­da de jo­gos de ta­bu­lei­ro

é uma óti­ma ideia

pa­ra me­lho­rar a vi­da de

quem so­fre com

Alzheimer

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.