ALI­MEN­TOS QUE TURBINAM O CÉ­RE­BRO

A ali­men­ta­ção é uma gran­de ali­a­da da saú­de do cé­re­bro

Glicimia, Colesterol, Triglicerides - - Sumário -

O po­der dos ali­men­tos tam­bém traz be­ne­fí­ci­os pa­ra o emo­ci­o­nal e o psi­co­ló­gi­co! Sai­ba quais são os mais in­di­ca­dos pa­ra man­ter o equi­lí­brio

AFI­NAL, O QUE SIG­NI­FI­CA COMER BEM? Em to­das as fa­ses da vi­da, a car­ga nu­tri­ci­o­nal dos ali­men­tos de­ve ser in­ge­ri­da de acor­do com o in­di­ca­do pe­los es­pe­ci­a­lis­tas, a fim de que to­do o cor­po pos­sa tra­ba­lhar em har­mo­nia. Cres­ci­men­to, bem-es­tar, prevenção de ma­les, pro­te­ção da me­mó­ria, e o bom fun­ci­o­na­men­to dos ór­gãos são al­guns exem­plos aos quais os efei­tos de uma boa ali­men­ta­ção po­dem ser des­ta­ca­dos. No ca­so de quem con­vi­ve com o Parkinson, a si­tu­a­ção não é di­fe­ren­te; o cui­da­do com a di­e­ta de­ve ser man­ti­do e res­pei­ta­do. “A ali­men­ta­ção diá­ria tem es­sen­ci­al­men­te qua­tro com­po­nen­tes com o po­ten­ci­al de afe­tar di­re­ta­men­te a fun­ção ce­re­bral: a ener­gia, os pre­cur­so­res ce­lu­la­res e ou­tros com­po­nen­tes psi­co-ati­vos ou com efei­tos na fun­ção ce­re­bral”, des­ta­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Eliane Pe­te­an Arena.

PREVENINDO DO­EN­ÇAS

A ali­men­ta­ção, por si só, in­fe­liz­men­te não é ca­paz de prevenir ao má­xi­mo ou re­tar­dar os sintomas do Parkinson e do Alzheimer. En­tre­tan­to, com ba­se em uma vi­da re­ple­ta de há­bi­tos sau­dá­veis, co­mo exer­cí­ci­os físicos e de me­mo­ri­za­ção, a pro­ba­bi­li­da­de de do­en­ças de­ge­ne­ra­ti­vas atin­gi­rem as ati­vi­da­des ce­re­brais cer­ta­men­te é bem me­nor.

PRO­CU­RE EVITÁ-LOS

Ao mes­mo tem­po em que exis­tem nu­tri­en­tes im­por­tan­tes pa­ra saú­de do cé­re­bro e do cor­po co­mo um to­do, há ou­tros que pro­mo­vem per­das ao or­ga­nis­mo. É o ca­so de ali­men­tos ri­cos em gor­du­ras sa­tu­ra­das (fri­tu­ras, sor­ve­te), que ele­vam os ní­veis de co­les­te­rol e pro­por­ci­o­nam o apa­re­ci­men­to de obe­si­da­de e hi­per­ten­são. Ou­tros ali­men­tos que de­vem ser evi­ta­dos são os in­dus­tri­a­li­za­dos que, além de se­rem ri­cos em gor­du­ras sa­tu­ra­das, pos­su­em ex­ces­so de ou­tros ingredientes, co­mo só­dio e con­ser­van­tes.

CUI­DA­DOS NE­CES­SÁ­RI­OS

Com a pro­gres­são de do­en­ças co­mo o Alzheimer, a ali­men­ta­ção do pa­ci­en­te po­de se tor­nar ca­da vez mais tra­ba­lho­sa. Por is­so, é pre­ci­so to­mar al­gu­mas me­di­das. “Es­se pa­ci­en­te re­quer um acom­pa­nha­men­to com nu­tri­ci­o­nis­ta pa­ra ori­en­ta­ção quan­to à di­e­ta, pois, ge­ral­men­te, em es­tá­gio avan­ça­do, ela é mais pas­to­sa (pu­rês) ou até mes­mo lí­qui­da e re­quer uma su­ple­men­ta­ção ade­qua­da”, afir­ma a nu­tri­ci­o­nis­ta Eli­za­be­te Pre­sa. Ob­ser­var se a re­fei­ção es­tá agra­dan­do ao pa­la­dar do por­ta­dor da do­en­ça tam­bém é fun­da­men­tal, pois, des­sa ma­nei­ra, é pos­sí­vel fa­zer as ade­qua­ções ne­ces­sá­ri­as no car­dá­pio.

Mir­ti­lo

A fru­ta nu­tre to­do o or­ga­nis­mo. Seus com­po­nen­tes ajudam a evi­tar ou re­tar­dar do­en­ças de­ge­ne­ra­ti­vas do cé­re­bro, co­mo o Alzheimer. Além dis­so, o ali­men­to atua co­mo an­ti­o­xi­dan­te, com­ba­ten­do os ra­di­cais li­vres, mo­lé­cu­las que, em ex­ces­so, da­ni­fi­cam as cé­lu­las do cor­po.

Ole­a­gi­no­sas (cas­ta­nhas, ave­lãs)

São fon­tes de di­ver­sos mi­ne­rais co­mo fós­fo­ro, mag­né­sio, po­tás­sio, vi­ta­mi­nas do com­ple­xo B e vi­ta­mi­na E. Es­ses ali­men­tos são ali­a­dos pa­ra man­ter uma boa saú­de car­di­o­vas­cu­lar, o que acar­re­ta na dis­tri­bui­ção de san­gue e oxi­gê­nio pa­ra to­dos os ór­gãos, prin­ci­pal­men­te, o cé­re­bro.

Aba­ca­te

É ri­co em ôme­ga-3, a gor­du­ra do bem que pro­te­ge o cé­re­bro do des­gas­te pre­ma­tu­ro.

To­ma­te

O be­ne­fí­cio do fru­to es­tá na pre­sen­ça de li­co­pe­no que, gra­ças às su­as pro­pri­e­da­des an­ti­o­xi­dan­tes, aju­da na prevenção de mui­tas do­en­ças, en­tre elas, o aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral (AVC).

Chia

O ali­men­to fa­vo­re­ce o fun­ci­o­na­men­to dos neurô­ni­os, o que me­lho­ra a ati­vi­da­de ce­re­bral. Tu­do is­so de­vi­do à pre­sen­ça de ôme­ga-3.

Azei­te

O óleo é fon­te de pro­pri­e­da­des an­ti­o­xi­dan­tes que for­ne­cem pro­te­ção pa­ra os te­ci­dos, o que evi­ta os da­nos cau­sa­dos pe­los ra­di­cais li­vres. O ali­men­to ain­da aju­da a pro­te­ger o co­ra­ção, ga­ran­tin­do uma óti­ma cir­cu­la­ção san­guí­nea, além de nu­trir to­das as cé­lu­las do cor­po, a fim de que elas pos­sam fun­ci­o­nar cor­re­ta­men­te.

Pei­xes

São fon­tes de fós­fo­ro, um mi­ne­ral que aju­da a for­ta­le­cer o cé­re­bro, me­lho­ran­do a me­mó­ria. Os pei­xes tam­bém são óti­mas

fon­tes de pro­teí­nas e, os de águas mais pro­fun­das (co­mo atum, sar­di­nha e sal­mão), são ri­cos em ôme­ga-3.

Chá ver­de

Por atu­ar co­mo an­ti­o­xi­dan­te, o chá ver­de au­xi­lia na pro­te­ção das cé­lu­las, des­sa for­ma, pre­vi­ne do­en­ças que afe­tam o cé­re­bro, além de aju­dar a pre­ser­var a me­mó­ria.

Ca­cau

Por con­ter pro­pri­e­da­des an­ti­o­xi­dan­tes, ele aju­da na boa saú­de do cé­re­bro, evi­tan­do o en­ve­lhe­ci­men­to pre­ma­tu­ro do or­ga­nis­mo e de su­as cé­lu­las. Tam­bém é fon­te de mag­né­sio, um mi­ne­ral que aju­da na nutrição do sis­te­ma ner­vo­so.

Bró­co­lis

Ve­ge­tais ver­de-es­cu­ros, co­mo o bró­co­lis, são ri­cos em an­ti­o­xi­dan­tes que pro­te­gem o cé­re­bro. O mais abun­dan­te é o fo­la­to, nu­tri­en­te im­por­tan­te pa­ra a ati­vi­da­de neu­ral e fun­ção cog­ni­ti­va”, afir­ma a nu­tri­ci­o­nis­ta Isa­bel­la Cor­reia. O fo­la­to é uma vi­ta­mi­na do com­ple­xo B in­dis­pen­sá­vel pa­ra a formação do sis­te­ma ner­vo­so do fe­to. Por is­so, de­ve ser in­ge­ri­do em quan­ti­da­des ade­qua­das du­ran­te a gra­vi­dez e mes­mo an­tes de­la, quan­do a mu­lher ain­da es­tá pla­ne­jan­do a ges­ta­ção.

Ou­tros an­ti­o­xi­dan­tes pre­sen­tes no ve­ge­tal são a vi­ta­mi­na Ee o sul­fo­ra­fa­no, que pro­te­gem os neurô­ni­os de da­nos. An­ti­o­xi­dan­tes são subs­tân­ci­as que neu­tra­li­zam os ra­di­cais li­vres, ele­men­tos pro­du­zi­dos na­tu­ral­men­te pe­lo or­ga­nis­mo mas que, em ex­ces­so, da­ni­fi­cam a es­tru­tu­ra das cé­lu­las (po­den­do cau­sar tu­mo­res), au­men­tam o ris­co de do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res e ace­le­ram o en­ve­lhe­ci­men­to. “O bró­co­lis ain­da é fon­te de vi­ta­mi­na B3, a ni­a­ci­na, que par­ti­ci­pa da ma­nu­ten­ção de hormô­ni­os que re­gu­lam a me­mó­ria”, acres­cen­ta a nu­tri­ci­o­nis­ta Elai­ne Pá­dua. A vi­ta­mi­na tam­bém é ne­ces­sá­ria pa­ra o apro­vei­ta­men­to de car­boi­dra­tos, li­pí­de­os e pro­teí­nas e aju­da na re­du­ção do co­les­te­rol.

Ovo

An­tes ti­do co­mo vi­lão, ho­je o ovo é con­si­de­ra­do um ali­men­to po­de­ro­so. Na cla­ra é

pos­sí­vel en­con­trar al­bu­mi­na, uma subs­tân­cia que, além de re­for­çar a mus­cu­la­tu­ra, pro­por­ci­o­na sa­ci­e­da­de. Is­so por­que aju­da a pro­du­zir neu­ro­trans­mis­so­res que en­vi­am uma men­sa­gem in­di­can­do que o estô­ma­go es­tá sa­tis­fei­to. Já a ge­ma pos­sui co­li­na, um nu­tri­en­te que par­ti­ci­pa da cons­tru­ção da mem­bra­na de no­vas cé­lu­las ce­re­brais e na re­pa­ra­ção da­que­las já le­sa­das, pro­te­gen­do, des­sa for­ma, a me­mó­ria.

Cúr­cu­ma

O tem­pe­ro pos­sui ações an­ti-in­fla­ma­tó­ri­as e an­ti­o­xi­dan­tes, aju­dan­do na prevenção do en­ve­lhe­ci­men­to e na eli­mi­na­ção das es­tru­tu­ras do cé­re­bro as­so­ci­a­das às do­en­ças de­ge­ne­ra­ti­vas.

Fru­tas ver­me­lhas (mo­ran­go, fram­bo­e­sa, amo­ra)

Elas pos­su­em an­to­ci­a­ni­na, uma subs­tân­cia an­ti-in­fla­ma­tó­ria e an­ti­o­xi­dan­te que evi­ta o en­ve­lhe­ci­men­to pre­co­ce, além de com­ba­ter as in­to­xi­ca­ções ali­men­ta­res.

Ro­mã

Es­sa fru­ta pos­sui po­li­fe­nóis, com­pos­tos que ajudam o cor­po a com­ba­ter os ra­di­cais li­vres, mo­lé­cu­las que cau­sam da­nos às cé­lu­las ce­re­brais.

Café

Clas­si­fi­ca­do co­mo um ali­men­to fun­ci­o­nal, o café é mui­to bem-vin­do no car­dá­pio de uma di­e­ta sau­dá­vel. “Con­su­mi­do em do­ses mo­de­ra­das, a be­bi­da pro­por­ci­o­na o au­men­to da ener­gia e dis­po­si­ção, me­lho­ra da ca­pa­ci­da­de de tra­ba­lho fí­si­co e men­tal, do es­ta­do de aler­ta, da me­mó­ria e do bem-es­tar, aju­da na con­cen­tra­ção e tam­bém minimiza os efei­tos da do­en­ça de Alzheimer e de Parkinson”, lis­ta a nu­tri­ci­o­nis­ta Li­li­an Spe­zi­a­li. Fon­te de ca­feí­na, um es­ti­mu­lan­te que au­xi­lia nos es­for­ços men­tais e mus­cu­la­res, a be­bi­da aju­da, tam­bém, a di­mi­nuir a fa­di­ga fí­si­ca e men­tal. No en­tan­to, o café é efi­ci­en­te lo­go após seu con­su­mo, des­per­tan­do a aten­ção em ati­vi­da­des ime­di­a­tas e au­men­tan­do a con­cen­tra­ção, mas não in­flu­en­cia na me­mó­ria a lon­go pra­zo. A be­bi­da ain­da pos­sui an­ti­o­xi­dan­tes, vi­ta­mi­na B3 e sais mi­ne­rais.

Banana

Ela é al­ta­men­te ri­ca em po­tás­sio, nu­tri­en­te que de­sem­pe­nha uma gran­de aju­da ao or­ga­nis­mo por meio de ações be­né­fi­cas ao cres­ci­men­to ce­lu­lar e ao sis­te­ma car­di­o­vas­cu­lar. Além dis­so, um dos seus prin­ci­pais be­ne­fí­ci­os é a pre­sen­ça de trip­to­fa­no, ami­noá­ci­do res­pon­sá­vel por pro­por­ci­o­nar sen­sa­ções de sa­tis­fa­ção e bem-es­tar no or­ga­nis­mo.

Ma­mão

Sua prin­ci­pal van­ta­gem es­tá em fa­vo­re­cer com efi­cá­cia o trân­si­to in­tes­ti­nal por con­ta da pre­sen­ça de pa­paí­na. Com is­so, a fru­ta tor­na-se uma gran­de aju­da con­tra a pri­são de ven­tre, di­mi­nuin­do os incô­mo­dos in­cha­ços.

La­ran­ja

A al­ta con­cen­tra­ção de vi­ta­mi­na C pre­sen­te na fru­ta já pro­va o por­que de ela ser uma gran­de ali­a­da no que re­fe­re-se à imu­ni­da­de. Ela con­tri­bui pa­ra o au­men­to na pro­du­ção dos gló­bu­los bran­cos, co­nhe­ci­da por ser uma bar­rei­ra na­tu­ral a agen­tes in­va­so­res que po­dem pre­ju­di­car o bom fun­ci­o­na­men­to do or­ga­nis­mo.

Pês­se­go

Seus po­de­ro­sos an­ti­o­xi­dan­tes fa­zem uma gran­de lim­pe­za no or­ga­nis­mo, man­dan­do os ra­di­cais li­vres pa­ra bem lon­ge. Es­ta ação es­ti­mu­la não só a me­mó­ria, mas tam­bém pro­te­ge o cor­po de inú­me­ras do­en­ças.

Me­lan­cia

Al­ta­men­te re­fres­can­te, a fru­ta é ri­ca em li­co­pe­no, que tra­ta-se de um po­de­ro­so an­ti­o­xi­dan­te na­tu­ral. Além dis­so, por ser com­pos­ta apro­xi­ma­da­men­te de 90% de água, é um ali­men­to com bai­xís­si­mo va­lor ca­ló­ri­co, o que a trans­for­ma em um ex­ce­len­te lan­che pa­ra sa­ci­ar a fo­me de uma for­ma sau­dá­vel.

Be­ter­ra­ba

A raiz é atre­la­da à saú­de do co­ra­ção de­vi­do à pre­sen­ça de subs­tân­ci­as va­so-di­la­ta­do­ras, que fa­ci­li­tam a pas­sa­gem do san­gue evi­tan­do, con­se­quen­te­men­te, do­en­ças co­mo aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral (AVC) e in­far­to. Além dis­so, a be­ter­ra­ba tam­bém é ri­ca em

be­ta­laí­na (pig­men­to res­pon­sá­vel por sua cor ar­ro­xe­a­da), que é um ex­ce­len­te an­ti­o­xi­dan­te na­tu­ral.

Alho

O co­mum tem­pe­ro de cozinha, além de ser um ex­ce­len­te an­ti-in­fla­ma­tó­rio, ain­da es­ti­mu­la a imu­ni­da­de, afas­tan­do mi­cro-or­ga­nis­mos que po­dem cau­sar gri­pes e res­fri­a­dos, por exem­plo.

Co­gu­me­lo

A prin­ci­pal ação es­ti­mu­lan­te do ali­men­to é de­sem­pe­nha­da por meio da pre­sen­ça de be­ta­glu­ca­na, que é uma fi­bra so­lú­vel ca­paz de re­tar­dar o en­ve­lhe­ci­men­to ce­lu­lar e pro­mo­ver es­tí­mu­los que ele­vam a imu­ni­da­de.

Fei­jão

O grão, que mar­ca pre­sen­ça di­a­ri­a­men­te na me­sa da mai­o­ria dos bra­si­lei­ros, é al­ta­men­te nu­tri­ti­vo. Es­ta qua­li­da­de re­fe­re-se à al­ta con­cen­tra­ção de fer­ro, que es­ti­mu­la as ati­vi­da­des ce­lu­la­res e con­tri­bui pa­ra que di­ver­sas áre­as do cor­po fun­ci­o­nem cor­re­ta­men­te.

Cou­ve

Por meio de ações an­ti­o­xi­dan­tes que re­a­li­zam uma ver­da­dei­ra fa­xi­na no cor­po, a cou­ve po­de ser con­su­mi­da em for­ma de sa­la­das, su­cos de­tox, re­fo­ga­dos e mui­tas ou­tras ma­nei­ras. Um de seus mai­o­res be­ne­fí­ci­os con­cen­tra-se na pre­sen­ça de vi­ta­mi­na C e fi­bras, que lim­pam o or­ga­nis­mo, au­men­tam a sa­ci­e­da­de e fa­ci­li­tam a per­da de pe­so.

Len­ti­lha

A le­gu­mi­no­sa é uma fon­te ve­ge­tal de pro­teí­nas, o que fa­ci­li­ta o con­su­mo do nu­tri­en­te sem a ne­ces­si­da­de da in­ges­tão de ali­men­tos que con­te­nham al­to te­or de gor­du­ras.

Ba­ta­ta-do­ce

Con­tém glu­ta­ti­o­na, um an­ti­o­xi­dan­te que po­de au­men­tar o ní­vel de nu­tri­en­tes no me­ta­bo­lis­mo, re­for­çar o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co, bem co­mo pro­te­ger con­tra Alzheimer, Parkinson, do­en­ças he­pá­ti­cas, fi­bro­se cís­ti­ca, cân­cer e ata­que car­día­co.

Es­pi­na­fre

Es­tá re­ple­to de mi­ne­rais es­sen­ci­ais co­mo po­tás­sio e mag­né­sio e é uma das prin­ci­pais fon­tes de lu­teí­na, um an­ti­o­xi­dan­te que po­de aju­dar a prevenir a obs­tru­ção das ar­té­ri­as.

Ce­re­ais in­te­grais

Al­guns co­mo fa­ri­nha de aveia e de trigo, ce­va­da e

ar­roz in­te­gral são ri­cos em fi­bras, que acal­mam os te­ci­dos quan­do in­fla­ma­dos, man­ten­do o co­ra­ção for­te, o có­lon sau­dá­vel e o cé­re­bro ir­ri­ga­do.

Fei­jão-preto

En­quan­to ou­tros fei­jões tam­bém são bons pa­ra o or­ga­nis­mo, ne­nhum po­de au­men­tar a ca­pa­ci­da­de ce­re­bral do ser hu­ma­no co­mo o fei­jão-preto. Is­to por­que eles es­tão chei­os de an­to­ci­a­ni­nas, com­pos­tos an­ti­o­xi­dan­tes que con­tri­bu­em pa­ra me­lho­rar a fun­ção ce­re­bral.

Vi­nho

Au­xi­lia na pro­te­ção des­sas do­en­ças por con­ter ação an­ti­o­xi­dan­te e me­lho­rar a cir­cu­la­ção ce­re­bral. A re­co­men­da­ção é de uma do­se por dia

Rú­cu­la

Ela é ri­ca em ôme­ga-3, uma gor­du­ra res­pon­sá­vel por man­ter os va­sos san­guí­ne­os sau­dá­veis. A rú­cu­la con­tém fer­ro, que afas­ta a ane­mia, e po­tás­sio, par­ti­ci­pan­te das con­tra­ções mus­cu­la­res. “O ve­ge­tal, as­sim co­mo ou­tros mem­bros da fa­mí­lia das brás­si­cas, co­mo re­po­lho, cou­ve-flor e bró­co­lis, pos­sui pro­pri­e­da­des pa­ra ini­bi­ção de tu­mo­res, pre­vi­ne úl­ce­ras gás­tri­cas e pro­te­ge o fí­ga­do. De bai­xo va­lor ca­ló­ri­co, a hor­ta­li­ça con­tém áci­do fó­li­co, vi­ta­mi­na C, além de mi­ne­rais, co­mo cál­cio, fer­ro e po­tás­sio”, des­ta­ca Grei­ce.

Ca­qui

“A fru­ta é ri­ca em be­ta­ca­ro­te­no que, no or­ga­nis­mo, se trans­for­ma em vi­ta­mi­na A, um nu­tri­en­te es­sen­ci­al pa­ra a vi­são, a pe­le, a unha e os ca­be­los. As fru­tas ver­me­lhas (co­mo o ca­qui) pos­su­em li­co­pe­no, uma subs­tân­cia se­me­lhan­te ao be­ta­ca­ro­te­no, que evi­ta a formação de ra­di­cais li­vres e pre­vi­ne o en­ve­lhe­ci­men­to pre­co­ce das cé­lu­las. O ca­qui ain­da con­tém vi­ta­mi­na C, que for­ta­le­ce o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co, e mi­ne­rais es­sen­ci­ais pa­ra o bom fun­ci­o­na­men­to do or­ga­nis­mo, co­mo po­tás­sio e fer­ro”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Ju­li­a­na Fran­co.

Go­ji ber­ry

De­vi­do à gran­de quan­ti­da­de de an­ti­o­xi­dan­tes, a fru­ta atua con­tra os ra­di­cais li­vres, pro­te­gen­do o cor­po do en­ve­lhe­ci­men­to pre­co­ce, por is­so, é co­nhe­ci­da por pro­mo­ver a lon­ge­vi­da­de. A ação an­ti­o­xi­dan­te ain­da aju­da a evi­tar do­en­ças crô­ni­cas co­mo hi­per­ten­são ar­te­ri­al, di­a­be­tes, pro­ble­mas na ti­re­oi­de, en­tre ou­tros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.