EXER­CÍ­CI­OS FÍSICOS

Glicimia, Colesterol, Triglicerides - - Sumário -

Mo­vi­men­tar o cor­po é uma das ma­nei­ras de li­dar com os avan­ços da do­en­ça. Exer­ci­tar o cor­po é tam­bém uma for­ma dei­xar a men­te sem­pre na ati­va

O for­ta­le­ci­men­to dos músculos, fei­to atra­vés de ati­vi­da­des fí­si­cas, po­de au­xi­li­ar no con­tro­le dos tre­mo­res e avan­ços da do­en­ça

UM ES­TI­LO DE VI­DA MAIS ATI­VO TRAZ BE­NE­FÍ­CI­OS AOS POR­TA­DO­RES DE PARKINSON. A prá­ti­ca re­gu­lar de exer­cí­ci­os físicos es­tá as­so­ci­a­da a uma mai­or pro­du­ção de subs­tân­ci­as que pro­te­gem as cé­lu­las ce­re­brais. O au­men­to des­sas subs­tân­ci­as evi­ta que es­sas cé­lu­las en­trem em pro­ces­so de mor­te, pos­si­bi­li­tan­do a formação de no­vas co­ne­xões ce­re­brais e pro­por­ci­o­nan­do uma me­lhor co­mu­ni­ca­ção en­tre as di­fe­ren­tes par­tes ce­re­brais. Tam­bém me­lho­ra a fun­ção cog­ni­ti­va, o equi­lí­brio e a agi­li­da­de e re­duz o ris­co de que­das. Há tam­bém o for­ta­le­ci­men­to da mus­cu­la­tu­ra, di­mi­nui­ção dos tre­mo­res e me­lho­ra a co­or­de­na­ção, re­du­ção da hi­po­ci­ne­sia (mo­vi­men­tos di­mi­nuí­dos) e bra­di­ci­ne­sia (mo­vi­men­tos len­tos), além de re­tar­da­men­to de­ge­na­ra­ção dos neurô­ni­os.

EM UM ES­TÁ­GIO MAIS AVAN­ÇA­DO...

...a ati­vi­da­de fí­si­ca ain­da aju­da, mas é pre­ci­so ter cui­da­do! Mui­ta aten­ção pa­ra re­du­zir o ris­co de que­das e aci­den­tes du­ran­te os exer­cí­ci­os. É es­sen­ci­al um cui­da­do ain­da mais in­di­vi­du­a­li­za­do com o pa­ci­en­te que se en­con­tra nes­se es­tá­gio. A prá­ti­ca de exer­cí­ci­os du­ran­te o tra­ta­men­to re­tar­da os efei­tos de­le­té­ri­os nas do­en­ças de­ge­ne­ra­ti­vas, per­mi­tin­do que o pa­ci­en­te pre­ser­ve por mais a tem­po a no­ção de tem­po, es­pa­ço e me­mó­ria. O au­men­to da pro­du­ção de en­dor­fo­nia pro­por­ci­o­na a ele uma sen­sa­ção de bem-es­tar, di­mi­nuin­do os ris­cos de an­si­e­da­de e de­pres­são. Além dis­so, me­lho­ra o so­no e as fun­ções cog­ni­ti­vas.

MÚSCULOS FORTALECIDOS, MAI­OR CON­TRO­LE COR­PO­RAL

Uma das ati­vi­da­des re­co­men­da­das é a mus­cu­la­ção, pois o for­ta­le­ci­men­to da mus­cu­la­tu­ra faz com que os tre­mo­res di­mi­nu­am e ha­ja me­lho­ras no con­tro­le cor­po­ral. Po­rém, de acor­do com fi­si­o­te­ra­peu­ta Ro­dri­go Pe­res, é im­por­tan­te ex­pli­car que o ter­mo mus­cu­la­ção sig­ni­fi­ca trei­na­men­to mus­cu­lar pa­ra de­sen­vol­vi­men­to de for­ça e, não ne­ces­sa­ri­a­men­te, ape­nas pa­ra ga­nho de mas­sa mus­cu­lar (hi­per­tro­fia) co­mo se vê nor­mal­men­te em aca­de­mi­as. “No ca­so do Parkinson, a mus­cu­la­ção bem fei­ta, e com acom­pa­nha­men­to de es­pe­ci­a­lis­ta, tem co­mo ob­je­ti­vo for­ta­le­cer to­do o cor­po, prin­ci­pal­men­te os músculos pos­te­ri­o­res do tó­rax (cos­tas), pa­ra man­ter sua pos­tu­ra ere­ta, di­mi­nuin­do as chan­ces do de­se­qui­lí­brio”, ex­pli­ca o pro­fis­si­o­nal.

PERIODICIDADE

O que e quan­to pra­ti­car de­vem ser ava­li­a­dos de acor­do com a con­di­ção fí­si­ca e o grau de com­pro­me­ti­men­to mo­tor de ca­da pa­ci­en­te. É im­por­tan­te ava­li­ar o ní­vel da do­en­ça e as fun­ções mo­to­ras já afe­ta­das, ade­quan­do a in­ten­si­da­de e a ati­vi­da­de às con­di­ções es­pe­cí­fi­cas de ca­da alu­no. Va­le lem­brar que quan­do o in­di­ví­duo gos­ta do exer­cí­cio, a chan­ce de con­ti­nui­da­de nos pro­gra­mas e na ga­ran­tia de be­ne­fí­ci­os é mui­to mai­or. Lem­bre-se de co­me­çar de ma­nei­ra le­ve e gra­du­al. Ao pra­ti­car os exer­cí­ci­os, de­ve-se le­var em con­si­de­ra­ção o ide­al re­co­men­da­do pe­lo Co­lé­gio Ame­ri­ca­no de Me­di­ci­na do Es­por­te, de três a cin­co ve­zes por se­ma­na, em tor­no de 30 mi­nu­tos a 1 ho­ra por dia, po­den­do ul­tra­pas­sar es­se vo­lu­me pa­ra mais de 1 ho­ra.

Pa­ra re­tar­dar

o avan­ço

O fo­co da mus­cu­la­ção

em pa­ci­en­tes com Parkinson é man­ter a pos­tu­ra ade­qua­da evi­tan­do e/ou ini­bin­do que mai­o­res se­que­las se ins­ta­lem, já que os sintomas da do­en­ça evo­lu­em com o tem­po e a fal­ta de cui­da­dos. As­sim, o pa­ci­en­te, com seus músculos bem trei­na­dos,

for­tes e re­sis­ten­tes, te­rá me­nor chan­ce de que o Parkinson evo­lua e, des­ta for­ma, con­se­gui­rá man­ter

sua qua­li­da­de de vi­da, li­dan­do da me­lhor for­ma pos­sí­vel com as li­mi­ta­ções do

dia a dia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.