PE­RI­GO CON­JUN­TO

Mui­tas ve­zes, o pa­ci­en­te de Alzheimer ou de Parkinson tam­bém de­sen­vol­ve ou­tras do­en­ças re­la­ci­o­na­das. Sai­ba mais!

Glicimia, Colesterol, Triglicerides - - Sumário -

Ou­tras do­en­ças tam­bém po­dem ter ori­gem da Alzheimer e do Parkinson. Sai­ba quais são elas e su­as prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas

MES­MO QUAN­DO O POR­TA­DOR DE ALZHEIMER OU DE PARKINSON FAZ O TRA­TA­MEN­TO COR­RE­TA­MEN­TE, SE­GUIN­DO AS INS­TRU­ÇÕES DOS ES­PE­CI­A­LIS­TAS, é pos­sí­vel que ele de­sen­vol­va al­guns ou­tros pro­ble­mas de saú­de, co­mo de­mên­cia, al­te­ra­ções de hu­mor, dis­túr­bi­os do so­no e até mes­mo de­pres­são. Quer sa­ber mais so­bre is­so? En­tão, con­cen­tre-se nas pró­xi­mas li­nhas e en­ten­da mais so­bre o as­sun­to!

A EX­PLI­CA­ÇÃO

Se­gun­do o neu­ro­lo­gis­ta Le­o­nar­do Medeiros, com o pas­sar do tem­po, tan­to o pa­ci­en­te com Parkinson quan­to o com Alzheimer apre­sen­ta­rá li­mi­ta­ções im­por­tan­tes de lo­co­mo­ção, per­ma­ne­cen­do, mui­tas ve­zes, dei­ta­do. Es­se fa­tor é ca­paz de au­men­tar a chan­ce de di­ver­sas com­pli­ca­ções de saú­de, co­mo pneu­mo­nia, in­fec­ções uri­ná­ri­as e le­sões na pe­le, tais co­mo as úl­ce­ras. Por is­so, os cuidadores e fa­mi­li­a­res de­vem sem­pre mo­bi­li­zar o pa­ci­en­te, mu­dan­do sua po­si­ção na ca­ma, co­lo­can­do-o pa­ra an­dar ou pe­lo me­nos fi­car sen­ta­do. “Além dis­so, é im­por­tan­te

sa­li­en­tar o pa­pel da fi­si­o­te­ra­pia e mui­tas ve­zes da te­ra­pia ocu­pa­ci­o­nal, que nos aju­da, e mui­to, a me­lho­rar a qua­li­da­de de vi­da do pa­ci­en­te e a prevenir in­fec­ções”, com­ple­ta o pro­fis­si­o­nal.

Exa­ta­men­te por is­so é fun­da­men­tal que as pes­so­as res­pon­sá­veis por cui­dar do pa­ci­en­te ve­ri­fi­quem com frequên­cia a uri­na do por­ta­dor da do­en­ça. Is­so por­que, ca­so ela apre­sen­te chei­ro for­te ou cor di­fe­ren­te da co­mum, po­de ser in­dí­cio de um pro­ces­so in­fec­ci­o­so. Se não for ave­ri­gua­da, é bem pos­sí­vel que es­ses sintomas pas­sem des­per­ce­bi­dos por­que, mui­tas ve­zes, o pa­ci­en­te tem di­fi­cul­da­de de ex­pres­sar que es­tá sen­tin­do al­gu­ma dor ou incô­mo­do. No ca­so de ser cons­ta­ta­da uma al­te­ra­ção na saú­de do pa­ci­en­te, é pri­mor­di­al que os fa­mi­li­a­res en­trem em con­ta­to com o mé­di­co ime­di­a­ta­men­te.

Se­gun­do o neu­ro­lo­gis­ta Luís Edu­ar­do Be­li­ni, es­sas do­en­ças aco­me­tem os pa­ci­en­tes de­vi­do às di­fi­cul­da­des que eles pos­su­em pa­ra re­a­li­zar as ati­vi­da­des con­si­de­ra­das sim­ples e pa­ra cui­dar de si mes­mos. Po­rém, ou­tros pro­ble­mas de or­dem psi­co­ló­gi­ca tam­bém po­dem apa­re­cer. “Eles apre­sen­tam ain­da al­te­ra­ções psi­quiá­tri­cas co­mo agres­si­vi­da­de e com­por­ta­men­to so­ci­al ina­de­qua­do. Trans­tor­no de­pres­si­vo e insô­nia tam­bém po­dem ocor­rer”, acres­cen­ta o neu­ro­lo­gis­ta.

DE OLHO NA DE­MÊN­CIA

“Es­sa do­en­ça neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­va cau­sa, prin­ci­pal­men­te, pro­ble­mas de me­mó­ria. Na do­en­ça de Parkinson é mais co­mum en­tre os 60 e 80 anos, por con­ta da ida­de. Mas, as­sim co­mo nem to­dos os ido­sos vão de­sen­vol­ver Parkinson, nem to­dos os pa­ci­en­tes com es­sa do­en­ça de­sen­vol­vem a de­mên­cia, is­so vai de­pen­der do qua­dro des­se mal”, aler­ta a neu­ro­lo­gis­ta Ro­ber­ta Rodrigues Pin­to.

Em­bo­ra mui­tas pes­qui­sas es­te­jam sen­do fei­tas nes­sa área, a de­mên­cia ain­da não tem cu­ra (as­sim co­mo acon­te­ce com o Parkinson e o Alzheimer). Por is­so, tor­na-se es­sen­ci­al que o pa­ci­en­te bus­que o tra­ta­men­to in­di­ca­do pe­lo mé­di­co. E aten­ção! Ao con­trá­rio do que al­gu­mas pes­so­as pos­sam pen­sar, os me­di­ca­men­tos pa­ra tra­tar o Parkinson não pro­vo­cam a de­mên­cia, co­mo ex­pli­ca o neu­ro­lo­gis­ta André Fe­lí­cio. “Po­rém, cer­tos efei­tos co­la­te­rais po­dem ge­rar o que co­nhe­ce­mos por `sur­tos psi­có­ti­cos', co­mo vi­sões que não exis­tem (alu­ci­na­ções vi­su­ais).”

NA HO­RA DO DOR­MIR

Quem so­fre com o Parkinson, além de vá­ri­os sintomas de­sa­gra­dá­veis, sa­be tam­bém que noi­tes tran­qui­las são bem ra­ras. É que, além da de­mên­cia e de in­fec­ções, o trans­tor­no do so­no é mui­to co­mum. Mas nem to­das as notícias são ruins: quan­do di­ag­nos­ti­ca­do ain­da no co­me­ço, es­se pro­ble­ma po­de ser tra­ta­do e a con­di­ção do so­no me­lho­ra con­si­de­ra­vel­men­te. Es­se trans­tor­no é re­cor­ren­te em qua­se 80% dos pa­ci­en­tes com Parkinson e se ca­rac­te­ri­za pe­lo des­per­tar du­ran­te a noi­te, cau­sa­da, mui­tas ve­zes, pe­la ri­gi­dez do cor­po. Além dis­so, é re­cor­ren­te a so­no­lên­cia du­ran­te o dia, que se di­fe­re da fa­di­ga, por exem­plo. Ela po­de ser le­ve e pro­vo­car ape­nas a dis­tra­ção do pa­ci­en­te ou gra­ve, que pro­mo­ve dis­túr­bi­os in­vo­lun­tá­ri­os. O im­por­tan­te é sem­pre ter o acom­pa­nha­men­to de um pro­fis­si­o­nal ade­qua­do.

DE­PRES­SÃO

Ain­da no iní­cio do Alzheimer, o cor­po dá si­nais de que al­go es­tá errado, pois a pes­soa cos­tu­ma ter di­fi­cul­da­des em en­con­trar as pa­la­vras de­se­ja­das, so­fre com lap­sos de me­mó­ria e apre­sen­ta per­da de mo­ti­va­ção, sur­gin­do in­dí­ci­os de de­pres­são. Des­sa for­ma, se a pes­soa apre­sen­tar al­te­ra­ções de hu­mor e an­si­e­da­de, é im­por­tan­te fi­car aten­to, pois o pa­ci­en­te po­de es­tar de­pri­mi­do. “Exis­tem vá­ri­as si­tu­a­ções em que nos sen­ti­mos tris­tes. A tris­te­za é um sen­ti­men­to pro­fun­do e in­ten­so, po­rém, to­dos nós pos­suí­mos de­fe­sas con­tra es­se sen­ti­men­to, que na mai­or par­te das ve­zes é pas­sa­gei­ro. Na de­pres­são, o sen­ti­men­to de tris­te­za per­ma­ne­ce por, ao me­nos, 2 a 3 se­ma­nas, e po­de pre­ju­di­car di­ver­sos se­to­res da vi­da do pa­ci­en­te”, con­ta Mar­ce­la Man­to­va­ni, psi­có­lo­ga clí­ni­ca. Nes­se ca­so, tam­bém é pri­mor­di­al bus­car ori­en­ta­ção mé­di­ca e re­a­li­zar o tra­ta­men­to in­di­ca­do.

“Mui­tas ve­zes ve­mos que o pa­ci­en­te não fa­le­ce do Alzheimer, e sim de pneu­mo­nia, uso in­cor­re­to de me­di­ca­ções, aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral (AVC) ou in­far­to por não tra­tar cor­re­ta­men­te ou­tras do­en­ças que sur­gem com o Alzheimer”, Luís Edu­ar­do Be­li­ni, neu­ro­lo­gis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.