A IM­POR­TÂN­CIA DA FA­MÍ­LIA

Co­nhe­ça as prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas e tratamentos dos pro­ble­mas que afe­tam o sis­te­ma ner­vo­so

Glicimia, Colesterol, Triglicerides - - Sumário -

En­ten­da co­mo os pa­ren­tes po­dem aju­dar os por­ta­do­res e tra­zer alí­vio nos mo­men­tos di­fí­ceis

IN­FE­LIZ­MEN­TE, O PARKINSON E O ALZHEIMER NÃO SÃO AS ÚNI­CAS DO­EN­ÇAS DE­GE­NE­RA­TI­VAS DO SIS­TE­MA NER­VO­SO.

Exis­tem ain­da pro­ble­mas já co­nhe­ci­dos, co­mo o Alzheimer e a Es­cle­ro­se Múl­ti­pla, além de ou­tros pou­co de­ba­ti­dos, co­mo a Do­en­ça de Hun­ting­ton. A se­guir, con­fi­ra as prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas de al­gu­mas des­sas do­en­ças e con­fi­ra seus sintomas e tratamentos:

ES­CLE­RO­SE MÚL­TI­PLA

Di­fe­ren­te­men­te do Alzheimer, que cos­tu­ma afe­tar mais pes­so­as ido­sas, a es­cle­ro­se múl­ti­pla atin­ge prin­ci­pal­men­te in­di­ví­du­os en­tre os 20 e 40 anos, na pro­por­ção de três mu­lhe­res pa­ra ca­da ho­mem. No Bra­sil, cer­ca de 30 mil pes­so­as são por­ta­do­ras da do­en­ça, que cau­sa sintomas co­mo vi­são du­pla ou em­ba­ça­da, fa­di­ga, for­mi­ga­men­tos, per­da de for­ça, fal­ta de equi­lí­brio e in­con­ti­nên­cia uri­ná­ria, mas po­de se ma­ni­fes­tar de for­mas di­fe­ren­tes. Quan­do o qua­dro evo­lui, as fun­ções mo­to­ras fi­cam se­ri­a­men­te com­pro­me­ti­das, pois o pró­prio or­ga­nis­mo de quem tem a do­en­ça cria an­ti­cor­pos que ata­cam a ca­ma­da pro­te­to­ra dos con­du­to­res ner­vo­sos pre­sen­tes nos neurô­ni­os, di­fi­cul­tan­do a trans­mis­são de im­pul­sos do cé­re­bro pa­ra o res­to do cor­po. Os pa­ci­en­tes de­vem ini­ci­ar o tra­ta­men­to as­sim que re­ce­bem o diagnóstico, pa­ra ga­ran­tir qua­li­da­de de vi­da, evi­tan­do, in­clu­si­ve, a atro­fia ce­re­bral cau­sa­da pe­la do­en­ça. Exis­tem me­di­ca­men­tos in­je­tá­veis e orais, in­di­ca­dos de acor­do com o per­fil de ca­da pa­ci­en­te, ava­li­a­do por neu­ro­lo­gis­ta.

Se­gun­do da­dos da No­var­tis Bi­o­ci­ên­ci­as, cer­ca de 2,5 mi­lhões de pes­so­as no mun­do vi­vem com es­cle­ro­se múl­ti­pla e 70% de to­dos os ca­sos são di­ag­nos­ti­ca­dos em pes­so­as no au­ge de sua em­pre­ga­bi­li­da­de. São os sintomas da do­en­ça, por exem­plo, as di­fi­cul­da­des mo­to­ras, fa­di­ga se­ve­ra e até de­pres­são, que afe­tam a pro­du­ti­vi­da­de no tra­ba­lho. Po­rém, 67% dos pa­ci­en­tes no Bra­sil es­tão em­pre­ga­das e o nú­me­ro po­de cres­cer, ca­so al­guns ajus­tes se­jam fei­tos, co­mo pos­si­bi­li­tar ao por­ta­dor da do­en­ça ho­rá­rio fle­xí­vel, pau­sas re­gu­la­res, ade­qua­ção en­tre as ha­bi­li­da­des ou li­mi­ta­ções e li­ber­da­de pa­ra ti­rar as fé­ri­as anu­ais quan­do de­se­ja­do. Cer­ca de 37% dos bra­si­lei­ros com es­cle­ro­se múl­ti­pla fo­ram sub­me­ti­dos à apo­sen­ta­do­ria pre­co­ce.

DO­EN­ÇA DE MACHADO-JO­SEPH

O no­me da do­en­ça sur­giu das du­as pri­mei­ras fa­mí­li­as que ma­ni­fes­ta­ram os sintomas nos Es­ta­dos Uni­dos.Tam­bém cha­ma­da de ata­xia es­pi­no­ce­re­be­lar do ti­po 3, é um pro­ble­ma he­re­di­tá­rio e as chan­ces de trans­mi­tir de pai pa­ra fi­lho é de 50%. A do­en­ça cos­tu­ma se ma­ni­fes­tar en­tre os 35 e 50 anos e o prin­ci­pal sin­to­ma é a al­te­ra­ção do equi­lí­brio e da co­or­de­na­ção mo­to­ra. Ma­ni­fes­ta­ções na vi­são, sen­sa­ção de in­se­gu­ran­ça ao des­cer es­ca­das e di­fi­cul­da­de pa­ra en­go­lir são ou­tros si­nais que po­dem apa­re­cer. Com o tem­po, apa­re­cem al­te­ra­ções na fa­la e sintomas se­me­lhan­tes aos do Parkinson. A do­en­ça po­de ser di­ag­nos­ti­ca­da por meio de um exa­me de san­gue ou pe­la res­so­nân­cia mag­né­ti­ca e ain­da não tem cu­ra, nem tra­ta­men­to es­pe­cí­fi­co. Con­tu­do, pa­ra ga­ran­tir a qua­li­da­de de vi­da do pa­ci­en­te, é fun­da­men­tal o acom­pa­nha­men­to de uma equi­pe mul­ti­dis­ci­pli­nar, com­pos­ta por fi­si­o­te­ra­peu­ta, fo­no­au­dió­lo­go, psi­có­lo­go e neu­ro­lo­gis­ta, den­tre ou­tros pro­fis­si­o­nais.

ES­CLE­RO­SE LA­TE­RAL AMIOTRÓFICA

É uma do­en­ça que acar­re­ta pa­ra­li­sia mo­to­ra pro­gres­si­va e ir­re­ver­sí­vel, con­tu­do, não afe­ta a ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al e cog­ni­ti­va. O prin­ci­pal sin­to­ma é a fra­que­za mus­cu­lar, acom­pa­nha­da de en­du­re­ci­men­to dos músculos e atro­fia mus­cu­lar. Em al­guns ca­sos, a es­cle­ro­se la­te­ral amiotrófica (ELA) é cau­sa­da por um de­fei­to ge­né­ti­co, po­rém, na mai­o­ria de­les, a cau­sa é des­co­nhe­ci­da. O pro­ble­ma po­de ser di­ag­nos­ti­ca­do por meio de exa­mes que des­car­tem ou­tras do­en­ças, tes­te ge­né­ti­co e avaliação clí­ni­ca. O tra­ta­men­to de­man­da uma equi­pe mul­ti­dis­ci­pli­nar, que po­de re­co­men­dar me­di­ca­men­tos pa­ra re­du­zir a ve­lo­ci­da­de da pro­gres­são da do­en­ça.

DO­EN­ÇA DE HUN­TING­TON

Me­nos co­nhe­ci­do que os an­te­ri­o­res, o pro­ble­ma é mais um com con­sequên­ci­as sé­ri­as pa­ra os por­ta­do­res, pois tam­bém aca­ba com­pro­me­ten­do as áre­as mo­to­ra (mo­vi­men­tos in­vo­lun­tá­ri­os, agi­ta­ção), cog­ni­ti­va (per­da de me­mó­ria, in­ca­pa­ci­da­de pa­ra tra­ba­lhar) e emo­ci­o­nal (agres­si­vi­da­de, mu­dan­ças de hu­mor, de­pres­são). Em­bo­ra pos­sa aco­me­ter cri­an­ças

e ido­sos, o co­mum é que os sintomas surjam na fai­xa dos 30 aos 50 anos. A do­en­ça afe­ta es­pe­ci­fi­ca­men­te as cé­lu­las da re­gião do cé­re­bro de­no­mi­na­da gân­gli­os da ba­se. Um exa­me de san­gue po­de ates­tar a pre­sen­ça do ge­ne que cau­sa o dis­túr­bio, mas va­le lem­brar que o tes­te não é ca­paz de pre­ver quan­do ele irá se ma­ni­fes­tar, as­sim co­mo seu de­sen­vol­vi­men­to e gra­vi­da­de.

AVC

A si­gla sig­ni­fi­ca aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral, po­pu­lar­men­te co­nhe­ci­do co­mo der­ra­me. Ocor­re quan­do um coá­gu­lo en­to­pe os va­sos que ir­ri­gam o te­ci­do ce­re­bral, cor­tan­do o for­ne­ci­men­to de san­gue (AVC isquê­mi­co), ou quan­do os mes­mos va­sos se rom­pem e o san­gue ex­tra­va­sa (AVC he­mor­rá­gi­co). Nos dois ca­sos, as fun­ções cog­ni­ti­vas - den­tre elas, a me­mó­ria - aca­bam com­pro­me­ti­das.

O socorro tem de ser ur­gen­te. Um dos sintomas mais co­muns que o an­te­ce­dem são do­res de ca­be­ça e ton­tu­ra, mui­tas ve­zes con­fun­di­da com la­bi­rin­ti­te. De uma ho­ra pa­ra ou­tra, a ví­ti­ma não con­se­gue me­xer um dos la­dos de bo­ca e nem mo­vi­men­tar um

dos bra­ços ou uma das per­nas.

Quan­do acon­te­ce, o AVC po­de ter se­que­las ir­re­ver­sí­veis. Por­tan­to, o me­lhor ain­da é a prevenção, se­gun­do a neu­ro­lo­gis­ta Car­la Je­voux: “Hi­per­ten­são ar­te­ri­al, di­a­be­tes, ta­ba­gis­mo, al­co­o­lis­mo, do­en­ça car­día­ca, ate­ros­cle­ro­se, dis­li­pi­de­mia e obe­si­da­de. Con­tro­lar ri­go­ro­sa­men­te es­ses fa­to­res re­duz o ris­co, além de pra­ti­car ati­vi­da­de fí­si­ca re­gu­lar­men­te”.

RIS­COS AME­NI­ZA­DOS

Pa­ra pro­te­ger a saú­de ce­re­bral, al­gu­mas ati­tu­des são fun­da­men­tais. Por is­so, to­me cui­da­do com es­ses há­bi­tos e pro­te­ja não só o Alzheimer, mas ou­tras com­pli­ca­ções que po­dem atin­gir o cé­re­bro.

De­sor­ga­ni­za­ção: se já é di­fí­cil li­dar com os afazeres de uma ro­ti­na agi­ta­da, não com­pli­que ain­da mais as coi­sas. Or­ga­ni­ze o gu­ar­da-rou­pa ou o ar­má­rio do tra­ba­lho de mo­do que se­ja mais fá­cil en­con­trar tu­do. Ano­tar te­le­fo­nes e com­pro­mis­sos em uma agen­da é uma di­ca.

So­no: en­quan­to vo­cê dor­me, o cé­re­bro tra­ba­lha inin­ter­rup­ta­men­te pa­ra or­de­nar aqui­lo que foi as­si­mi­la­do ao lon­go do dia. O so­no acu­mu­la­do irá le­var em­bo­ra a con­cen­tra­ção e pro­vo­car al­te­ra­ções de hu­mor. Pra­ti­car ati­vi­da­des fí­si­cas re­gu­lar­men­te li­be­ra no or­ga­nis­mo os hormô­ni­os res­pon­sá­veis pe­lo pra­zer e re­la­xa­men­to, aju­dan­do o pro­ces­so co­mo um to­do.

So­bre­car­ga: fa­zer du­as ati­vi­da­des ao mes­mo tem­po é pe­dir pa­ra que ne­nhu­ma das du­as saia per­fei­ta. O cé­re­bro tem um li­mi­te de es­tí­mu­los com que po­de li­dar si­mul­ta­ne­a­men­te, por is­so, o ide­al é es­tu­dar em um am­bi­en­te tran­qui­lo. Nes­se pon­to, a an­si­e­da­de se tor­na ou­tra ini­mi­ga, ao di­re­ci­o­nar os pen­sa­men­tos cons­tan­te­men­te pa­ra o fu­tu­ro.

Ví­ci­os: es­ti­mu­lan­tes po­dem até dei­xar a pes­soa mais aten­ta em um pri­mei­ro mo­men­to. Po­rém, a lon­go pra­zo, a pro­du­ti­vi­da­de irá cair. In­ge­rir, sem ori­en­ta­ção mé­di­ca, re­mé­di­os pa­ra dor­mir tam­bém é um ris­co. Ál­co­ol e ni­co­ti­na, além de afe­ta­rem a me­mó­ria, ain­da tra­zem con­si­go sé­ri­os pro­ble­mas pa­ra ou­tras fun­ções do or­ga­nis­mo.

CONSULTORIA Le­an­dro Te­les, neu­ro­lo­gis­ta FO­TOS Shut­ters­tock Images

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.